06 dezembro 2016

Ruben Patrick pergunta

Como é pessoal? Somos Palmeirim ou somos Carlos do Carmo?

05 dezembro 2016

04 dezembro 2016

As minhas discussões mais quase trágicas?

Tive-as quando comecei a discutir por discutir, apenas pelo gozo do contraditório, pela beleza de argumentar só para que o outro lado não ficasse sem ponto de vista.

O Porto, depois de eu o correr


E ao quinto dia?

Ora, ao quinto dia apanha-se o das sete e cinco para Madrid, regressa-se no das três e quarenta e cinco, tem-se duas reuniões das más em Lisboa e segue-se para o Porto porque se tem uma vontade súbita de ver os Miró...

01 dezembro 2016

Não tentem fazer isto sem ajuda de profissionais

Em três dias seguidos apanhar o vôo das sete e cinco para Madrid e regressar no das quatro da tarde.

Ao quarto dia, fazer as compras de Natal.

28 novembro 2016

Post das oito

Aprende a cozinhar.Ainda não inventaram melhor remédio para expulsar demónios que cozinhares para ti. Não guardes o teu melhor vinho para uma data especial que pode nunca acontecer. Guardá-lo para beber com o teu pai, isso sim, pode ser. Escolhe sempre bons livros, nunca se sabe quando uma mulher bonita te verá a lê-los. Não há nada mais afrodisíaco para uma mulher bonita que observar um homem absorto na leitura de um bom livro. Não escolhas Ulisses, de Joyce, não dá grande resultado. Aprende a gostar de coisas realmente valiosas. A tua lenha a arder na lareira enquanto Miles Davis toca baixinho, sem te distrair das letras de Herberto Hélder é uma coisa valiosa. Abraçar a tua mãe também. Adopta um cão. Um cão grande. Ele far-te-à feliz enquanto corre ao teu lado, os dois a cheirar a giesta e molhados da bruma da manhã. Vai aos Açores. Dorme pelo menos uma vez ao relento na ilha das Flores. Não acredites em tudo o que escrevem as pessoas dos blogs. A não ser que seja o blog do Pipoco Mais Salgado.

27 novembro 2016

Acabou de acontecer

Era uma dessas mulheres que às vezes encontramos nos anúncios Chanel, mas esta estava numa livraria das que não são em centros comerciais, procurávamos livros nos mesmos cinco metros quadrados, suficientemente próximos para lhe sentir o odor a Poison e para que notasse quão demasiado bonita era, depois ela pegou no Vaticanum e acabou-se a magia, talvez ela tenha notado porque olhou para mim e, com um meio sorriso, disse "Não é para mim", mas era demasiado tarde.

26 novembro 2016

Coisas do dia

Espremer num copo o sumo de um limão, Juntar uma dose de cola e duas de rum em condições. Mexer bem e pensar que mais valia ter pedido uma aguardente velha.

Uma maçada, Ruben Patrick. Uma maçada.

Um dos grandes enigmas por resolver, Ruben Patrick, é que elas não aceitam que nós nos eclipsemos, que, pura e simplesmente saiamos de cena, aquilo que para nós é um facilitador de processos, sair da vida delas no preciso momento em que achamos que não devemos lá estar, para elas é o cabo dos trabalhos, elas exigem explicações, querem saber dos porquês, propõem alternativas que não interessam a nenhuma das partes, não vêem vantagem na disrupção, não aceitam a maravilha do corte a direito, interessa-lhes mais a perda de tempo que é escalpelizar os motivos do que a beleza do porque sim.

23 novembro 2016

Em loop

Aquela maneira de Cohen dizer "I´m ready, my Lord" também vos desassossega?

Oremos

Talvez devêssemos ter gravado na alma o sentido das palavras ditas por Moustaki nesse hino que é "La vie en rose", talvez já não vamos a tempo de fazer o que nos conta Pessoa nessa tirada genial que nos convida a construir castelos com as pedras que encontramos no caminho, talvez já não nos lembremos do tremor que sentimos quando nos abraçámos enquanto o sol se levantava no mar que bordejava as areias da Costa Vicentina num certo Agosto, talvez essa ode à beleza de envelhecermos juntos que encontrámos nas palavras singelas de "A Cabana junto à praia" se tenha perdido para sempre, talvez a ternura que nos inebria nos filmes de Tarantino ou as cítaras que nos comovem em Mozart ou a luminosidade de Dublin no Natal já nada nos digam.

Mas teremos sempre Paris, tal qual Brigitte Bardot e Alain Delon no "Regresso de Jedi"

22 novembro 2016

Eu e mais cinquenta mil e quarenta e cinco


A blogger que se afronta, capítulo quatro

Nunca peças desculpa pelo que escreveste.

(se não estiveres a perceber, eu explico-te melhor, em tendo tempo...)

21 novembro 2016

A blogger que se afronta, fascículo onze

Em estando o circo armado, a caixa de comentários em fogo e o mundo dos blogs unido, zurzindo no pobre blogger prevaricador, uma dizendo dele que coisa e tal, outra afirmando que sabe de fonte certa que ele não é grande espingarda em certas e determinadas situações, outra ainda clamando que isto e aquilo, é altura de expelir o último anel de fumo do Cohiba, tomar o último trago de cognac e interromper o jogo de poker, é tempo do blogger bocejar longamente, esticar as mãos numa espreguiçadela dolente e, enfim, interferir no curso dos acontecimentos, cirúrgico, determinado, confiante, é agora o tempo de influenciar as massas, mostrar um outro prisma, uma visão fora da caixa, se elas lhes apontam a má qualidade dos peúgos é arranjar-se um concurso de mostrar peúgos de mau ar, se o tema da afronta for um desconhecimento qualquer é espetar-lhes com um desses posts em que nada bate certo, é fazê-las rir, há logo quem lembre que um homem que faz rir as mulheres é um portento de inteligência, e logo as outras dirão que sim, não há quem o possa negar, e num par de horas está o ciclo invertido, as que ainda agora atazanavam o bom blogger cantarão hossanas, as que se afrontavam pensarão de si para si que laboravam no erro, em dois tempos haverá bloggers afrontadas contra bloggers afrontadas, dizendo umas das outras o que Maomé não disse do toucinho, é então chegado o tempo de o blogger se afastar, voltar para o disco de Brel com a agulha do gira discos em suspenso, escolher um bom livro da biblioteca e repousar enfim, verificando que o bom velho mundo está de novo nos eixos e que tudo está muito bem assim.

(a seguir, desde que se vislumbre um números superior a três comentários neste post, um novo fascículo sobre a temática de nunca se pedir desculpa por um post que se escreveu)

18 novembro 2016

A blogger que se afronta, fascículo sete

A blogger afronta-se essencialmente por duas categorias de motivos: por tudo e por nada, a causa-raiz da afronta tanto pode ser a novel mãe que anuncia ao mundo que não amamentará, que a coisa lhe prejudica a silhueta e potencia os efeitos da auto-estima futura, como a desgraçada que em má hora escreve qualquer coisa sobre pretos, é ver a caixa de comentários a inflamar-se e o céu do mundo virtual a desabar-lhes em cima.

Nesta altura, convirá ao blogger prevaricador respirar fundo e ter compaixão pelas bloggers afrontadas, as acções devem limitar-se à aprovação de comentários, gerindo com parcimónia o curso que desejamos para os acontecimentos, aprovando aqui um comentário mais acintoso para logo a seguir eliminar três mais atrevidos ou, pior ainda, que venham em defesa do ponto de vista do blogger, convirá que a primeira vaga de comentários seja feroz, sem contaminação por comentários gentis, o blogger deverá interromper cirurgicamente a degustação do seu cognac, expelir uma baforada do seu Cohiba e, com o espírito dos bons samaritanos, ler os comentários dramáticos que a blogger que se afronta, num exercício de catarse que é promover, se deu ao trabalho de deixar na magnífica caixa de comentários, sorrir, benevolente, e voltar à música e aos livros, deixando que o bom velho mundo continue a girar no sentido dos homens de bem enquanto a carnificina acontece debaixo do seu texto.

A segunda vaga será explicada ao centésimo comentário.

17 novembro 2016

Que estás a fazer neste momento, Pipoco?

First we take Praiense, then we take Madrid.

A blogger que se afronta, fascículo um

Em setenta e nove anos de blogs já assisti à crise da mala da Pepa e às ondas de choque da entrevista da Judite ao rapaz rico, à trapalhada da Pipoca Mais Doce com a vestimenta da miúda com cancro e aos ataques variados à própria Mais Doce, das promessas de não mais comprar no Pingo Doce nem na Ensitel, enfim, as massas são mesmo assim, ficam possuídas por um assomo de coragem quando estão por detrás das moitas, é por isso que não é má ideia contar-vos tudo o que sei sobre técnicas infalíveis que vos permitam levar a coisa com um sorriso a meio caminho entre o sobranceiro e o pedagógico, partilhar os meus vastos saberes sobre gestões de putativas crises, ajudar-vos a lidar com a maravilha que é terdes a cidadã blogger a opinar sobre o que não foi escrito mas que a cidadã blogger acha que sim.

Segue em fascículos, que é a forma que mais me convém e a mim, em me convindo mais, está a coisa decidida, sai um fascículo novo quando houver um comentário inteligente na caixa de comentários.

15 novembro 2016

Os problemas das mulheres

Podendo escolher, escolhem sempre guerrear com a mais fraquinha.