20 Julho 2014

Tudo está bem quando acaba bem

O Reininho sempre apareceu.

O Sporting vai ganhar ao Benfica.

Podemos acreditar no que vem escrito nos jornais?

Estive ontem em Porto Covo, no  Festival Músicas do Mundo. Li o Diário de Notícias de hoje, que falava do concerto. O jornal, logo no primeiro parágrafo,diz que "...o público do Festival Músicas do Mundo gritou "shalom Palestina". E diz outra vez no terceiro parágrafo que "...quando do seu grito Shalom, o público gritou de volta Shalom Palestina". O título da notícia era "Paz para a Palestina, gritou-se em Porto Covo".

Foi um tipo que gritou "Shalom Palestina". Uma única pessoa.

(a notícia também diz que "os músicos ignoraram esta provocação", mas todos eles assentiram, o tipo com cara de Kurt Cobain levantou o polegar e tudo)

18 Julho 2014

Há uma coisa que é preciso que se saiba

A capa do Correio da Manhã de hoje é miserável e indigna.

Dói, não dói?...

Europeu: Portugal goleia Alemanha (13-3)

17 Julho 2014

Coisas que eu aprendi sozinho

Que a melhor maneira de curvar no esqui é colocar todo o peso no dedo grande do pé, que as más raparigas não vão para todo o lado coisa nenhuma, que o problema é o terceiro gin, que hay que tener mano izquierda, que nunca se deve ser assertivo quando elas nos perguntam se o vestido lhes assenta bem, que sin prisa pero sin pausa, que os melhores vinhos são sempre os mais caros, que o essencial é exactamente o que é visível para os olhos, que não é necessária toda a pasta dentífrica que os anúncios colocam em cima da escova, que não há segunda oportunidade de causar uma primeira boa impressão.

16 Julho 2014

Tiago Machado

Sou do tempo em que Joaquim Agostinho vinha nas primeiras páginas dos jornais da tarde (naquele tempo havia jornais da tarde), e os jornais contavam como Agostinho era duro e não desistia, ficou-me desse tempo o gosto pelo ciclismo. Por isso me bateu forte ver as imagens e escutar a história. Quase me emocionei. Fiquei aqui a pensar que o ciclismo, que tantos tiros nos pés deu nos últimos anos, afinal ainda é capaz de quase me comover e de ser um exemplo de coragem e que, no final de contas, levar o esforço até ao fim ainda compensa, de tal maneira que quem manda naquilo do Tour e tem poderes para abrir excepções nas regras teve discernimento para fazer a coisa certa.

A Loura das Bicicletas conta-vos a história muito melhor do que eu, afinal ela é que sabe o que terá custado aquele esforço.

Pipoco vai à fisioterapia

É um novo mundo isto da fisioterapia. Esperava ter à minha volta pessoas velhinhas, as senhoras velhinhas costumam simpatizar comigo e perguntar-me coisas e eu tenho tendência  para lhes responder e simpatizar também com elas e elas acabam sempre a desejar-me boa sorte e, se calhar, é por isso que as coisas são como são. Mas não, o mais velho aqui sou eu e ainda não passei dos setenta anos, as pessoas que cá estão são de poucas falas e estão sempre a olhar para telemóveis enquanto recebem tratamentos laser ou estão estendidos numa marquesa a receber descargas de não sei quê. Eu também estaria ligado ao telemóvel a responder a comentários no blog, pudesse eu, acontece que sou o único que não tem direito a ter sossego, a minha vida é andar de um lado para o outro em bicos de pés, igualzinho à vida real, já sei, pedalar como se não houvesse amanhã e equilibrar-me em cima de coisas esponjosas só com um pé, imitando uma espécie de flamingo. Ainda assim divirto-me, ainda ontem a fisioterapeuta, acredito que ela própria precise de fisioterapia, mais tarde ou mais cedo, tal é o desequilíbrio para a frente que ela tem, move-se num ângulo de quarenta e cinco graus com o chão, de tal forma o Criador a abençoou com o mais magnífico, grandioso e eloquente par de mamas que já me foi proporcionado observar, mas dizia eu, que ainda ontem a fisioterapeuta perguntava a alguém se o calorzinho já estava frio e eu fiquei a cismar naquela pergunta mais de um ror de tempo, relembrando o que aprendi na termodinâmica. E foi tudo muito bom.

Isto anda tudo ligado

Depois de ver o concerto dos Buena Vista Social Club, apeteceu-me rever Paris, Texas de Wim Wenders e depois de rever Paris, Texas, apeteceu-me ouvir Joshua Tree, dos U2 e depois de ouvir The Joshua Tree acabei a beber uma Guinness. Fresquinha.

15 Julho 2014

Um mundo...

...em que Messi é eleito o melhor jogador do Mundial, em que aquilo do Reininho afinal era só cansaço, em que o BPI me manda para debaixo de uma árvore quando o tempo está de trovoada, em que as pessoas daquilo do Facebook se indignam com o Spielberg porque o malandro anda por aí a abater dinossauros como se não houvesse amanhã, em que o BES afinal parece que não sei quê e as coisas não são bem assim, é um mundo estranho.

Até ontem...

...eu acreditava que ter que fazer fisioterapia, jogar golfe e comprar um Porsche era coisa para maiores de sessenta anos.

Até ontem.

13 Julho 2014

Raramente me acontece

Não ficar contente quando ganha o melhor.

Acabaram de me corrigir

O Patchouly, mítica música do Grupo de Baile, começa com os dizeres "Ah que bem cheiras, que bem cheiras dos sovacos".

(vinte anos a trautear "ah que peixeiras, que peixeiras dos sovacos" e a pensar que não fazia sentido nenhum...)

12 Julho 2014

Isto anda tudo ligado

Não havia dinheiro na máquina multibanco do BES.

11 Julho 2014

Em verdade te digo, Ruben Patrick

Faz mais pela libido de qualquer homem um bom sotaque do Porto do que um decote até à cintura.

Não sei como decidirá Deus no domingo

Aliás, nunca sei por que critérios decide Deus, a verdade é que quase nunca O percebo, mas, tendo Ele poderes e sabedoria, colocar argentinos e alemães a jogar a final do Mundial é uma irónica forma de testar as boas relações entre Bento XVI e Francisco, imagino-os tensos, por um lado tendo que aparentar bondade e compaixão entre si, por outro lado desejando que Deus decida pelas cores certas,  ambos implorando ao Divino superior protecção se a coisa for a penalties e Ele, lá em cima, cofiando a sua longa barba branca, decidindo enfim, decidindo que Pedro Proença não marcará faltas à entrada da área, daquelas que Messi não costuma falhar, divertindo-se a desviar miraculosamente bolas prestes a entrar em balizas desertas, testando os nervos dos Seus representantes na terra, certificando-se de que nenhum deles blasfemará (e, blasfemando, castigá-lo com um golo marcado em fora-de-jogo pela outra parte).

Deus podia ter escolhido uma final Suiça-Costa Rica ou Nigéria-Estados Unidos. Mas não, tal como nós, comuns mortais, optou por embrulhar coisas fáceis, tropeçar nos próprios pés e aposto que, por esta hora, Ele estará já arrependido por ter decidido esta final, uma daquelas coisas, tal como acontece nos blogues, que Lhe terá parecido uma boa ideia antes de publicar mas que depois, bem vistas as coisas, não fazem sentido nenhum e são um embaraço.

10 Julho 2014

Os problemas das mulheres

Não dominar na plenitude o "timing" correcto para disparar o fatídico "Quero casar contigo".

Pipoco pergunta

Será mais respeitoso, para com quem se dá à maçada de comentar, não responder de todo ao gentil comentário ou responder com "dois pontos, fechar parêntesis", "Lol" ou mesmo "ahahahahahahah"?

09 Julho 2014

Hoje comprei "A Bola" só por causa do título da capa

Mas nem era isso que eu queria vir aqui dizer. Eu gosto genuinamente de futebol. Do jogo, do ambiente, de ser por um dos lados, da cerveja no fim, aconteça o que acontecer. Nem sempre o futebol me mostra o seu lado luminoso. Sou do Sporting. Mas ontem sim. O respeito dos jogadores alemães, cumprimentando o treinador adversário, levantando o adversário do chão, talvez tentando dizer-lhes que foi só um jogo (não foi só um jogo, uns e outros sabiam-no, os brasileiros sabiam-no como ninguém. Nunca é só um jogo). O comedimento na celebração. Respeitoso, os que estavam ali de joelhos, mãos erguidas aos céus, não mereciam exuberância. O cumprimento de vencedores e vencidos, cada um ciente do que ia na alma do outro.

Ontem, aqueles minutos depois de terminado o jogo foram bons para o futebol.