07 junho 2018

Eu e Madame Pardal (II)

Combinei comigo próprio que não fotografaria o ninho onde espreitam os cinco bicos sempre ansiosos por comida, talvez Pequenos Pardais nasçam já adolescentes, meteu-se-me na ideia que Pequenos Pardais eram capazes de se assustar com o flash, isto apesar de ainda não abrirem os olhos, ainda assim é melhor não arriscar, que isto nunca se sabe das idiossincrasias de Pequenos Pardais.

Descobri um "canto morto" que me permite observar Madame e Monsieur Pardal na sua rotina de ponte aérea de transporte de víveres, sem ser visto, isto apesar de me parecer que Madame Pardal me pressente para além do vidro duplo e da camuflagem.

Cão Grande começa a mostrar-se demasiado interessado na janela do meu quarto, chegando mesmo a abandonar a sua bola de ténis favorita e até o ramo de sobreiro com cortiça roída. Desejo sinceramente que Madame Pardal ensine Pequenos Pardais a voar em condições à primeira tentativa, apostaria que Cão Grande estará atento a voos titubeantes.

12 comentários:

  1. Hummm A palavra de ordem é afastar cão grande da área da janela. Seria triste saber que todo o trabalho do casal pardal tinha ido por água abaixo.

    Boa tarde, Sô Pipoco

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou dividido, por um lado Cão Grande não pode ter cerceadas as suas liberdades fundamentais, por outro lado começo a ficar envolvido com os destinos de Pequenos Pardais.

      Vamos deixar a Mãe Natureza decidir...

      Eliminar
  2. O pardal é uma ave que está habituada a conviver com os humanos, pelo que não carece, Dom Pipoco, de ter cuidados especiais com a sua aproximação ao ninho, logo que não escancare a janela, claro.
    Veja se consegue, pelo menos, uma fotografia.
    Já que me foi vedado o acesso ao baptismo...

    PS- Por estes dias, o melhor seria guardar o cão grande. O seguro - dos pardais - morreu de velho. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ladykina7.6.18

      Sobre isso da baptismo, primeiro será necessário a bicheza ganhar mais um bocadinho de corpo, pois só então se saberá dos géneros de cada um. Caso contrário ainda poderia dar-se o caso de chamarmos António a uma passarinha, coisa que, efectivamente, não me parece bem.

      Eliminar
  3. Mas qual flash?!
    DSLR com tele-objectiva estabilizada.
    Raios, voltamos ao drama dos retratos...

    A solução aparente consiste em manter Estômago de Cão Grande sempre ocupado com não-passarinhos.

    Ah, tal como na nossa vida, ou levantamos voo à primeira ou enfrentamos as mandíbulas de cães grandes.

    Poças, fico mesmo (mesmo!) deprimido com algo tão alegre como passarinhos recém nascidos...
    Suspeito de manobras ocultas, mourinho-mind-games, jedi-mind-tricks, point-blank-bruno-carvalho.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo7.6.18

    tio, o ideal é mudar para o quarto de hospedes durante uns tempos.
    vw

    ResponderEliminar
  5. ladykina7.6.18

    "POR FAVOR NÃO MATEM OS PASSARINHOS"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lady K.!

      Com tal projecto de lei levado à AR haveríamos de ouvir o excelso Dr. Negrão, que adorava ou sentia compulsão de falar com jornalistas pelo telefone antes do advento das redes sociais, afirmar, com toda a autoridade moral que lhe não assiste, tratar-se de assunto para o qual a sociedade não está preparada, além de, o assunto, só constar no programa eleitoral do pan, logo a seguir ao direito dos gatos se lambuzarem com uma boa meia de leite num qualquer café de Belém.

      Portanto, 1-0 para o Bruno de C..., digo, para Cão Grande.

      E longe de mim desejar O Mal a tão adoráveis pardalitos. Afinal, voar é viver, ou, como tão regularmente se afirma nos seminários motivacionais de PNL, reiki e sushi: o predador corre pelo seu jantar e a presa pela sua vida.


      ...
      Ocorre-me, a estas horas da madrugada: estará ao abrigo da lei o Pipoco ter tantos bichos vivos em casa?


      P.s. Como é que se pede uma meia de leite aí no centro do Império? Uma bica com leite? Posso pedir isso sem ser acusado de assédio? F..., há dúvidas do diacho.

      Eliminar
  6. Oh, aposto que o cão é tão pequeno que não chega ao ninho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ladykina10.6.18

      Cuca, esse é precisamente um dos Problemas dos Homens, acreditarem que o tamanho não importa.

      Eliminar