30 julho 2017

Dunquerque

Talvez tenha que voltar a ver Dunquerque para perceber se aquela estrutura narrativa que mistura uma hora no céu, um dia no mar e uma semana no pontão me convence.

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Eu acho que gostei, pelo menos da originalidade. O problema é que só percebi que eram espaços temporais diferentes quase no fim do filme.

      Eliminar
    2. Anónimo30.7.17

      that's Nolan.

      Eliminar
  2. Ainda não vi, mas sendo do Christopher Nolan, merece que pague o bilhete sem qualquer reserva.

    ResponderEliminar
  3. Sou, traço geral, fã do Nolan mas em reconstituições históricas como esta, o meu pequeno prazer é sair do filme, digerir o mesmo e depois ir confrontar a narrativa com a realidade histórica. Não o faço para saber se é 'boa/má/meh' a interpretação cinematográfica da mesma, mas sim para ver onde é que a realidade teve que ser 'dobrada' para se enquadrar no propósito de um filme.

    No caso do Dunquerque, que ainda não vi, mas sobre o qual já li bastante, tanto sobre o filme como sobre o episódio, há nuances que me despertam a curiosidade - nomeadamente o facto de, não tivesse sido Hitler um tipo displicente e não haveria margem para a evacuação tal como a conhecemos.

    ResponderEliminar
  4. Nolan, meu caro? O realizador de filmes que parecem mais inteligentes que aquilo que são? Com a típica banda sonora a martelar-nos conspicuamente os ouvidos durante duas horas?
    Aqueles em que as personagens repetem no final aquilo que lhes foi dito no início, por outras personagens, como se tivessem atingido a sabedoria por revelação? Valha-nos Deus...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lady Kina1.8.17

      ahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahah

      presumo que não seja dos que choram no final daquele episódio em que o super-herói da banda desenhada (não) morre...?
      affe, insensível da porra!

      Eliminar
    2. Meu caro onónimo, não me parece que Nolan tenha a pretensão de fazer filmes mais inteligentes do que aquilo que realmente são; aliás acho-o mesmo inocente em relação às expectativas que os espectadores criam à volta dos seus Filmes. É um realizador conservador, ao mesmo tempo um vanguardista no que toca a criar imagens.
      As bandas sonoras são o que são, sem terem ossos afilados.
      Não é um Kubrick, não é um Spike Jonze, não é um James Gray ..É somente o Nolan, esse realizador com low profile que não se rende.

      Eliminar