09 junho 2014

Breve contributo para descodificar a densidade dramática que a autora Pipoca Mais Arrumadinha transmite ao seu poema maior "De seu nome Pipoco"

Poderemos pensar que a Pipoca Mais Arrumadinha, do alto da generosidade e paciência que todos lhe reconhecemos, apenas pretende presentear cada um de nós com singelas palavras, numa espécie de tributo sentido a esta grande casa que é a blogosfera. De facto assim não é, seria um transtorno para a humanidade em geral e para os blogs em particular que nos ficássemos por uma análise superficial, olvidando o essencial da mensagem Arrumadinhiana, as suas particularidades, as suas múltiplas propostas de abordagem.

É neste contexto que descodificarei o poema "De seu nome Pipoco", uma ode inspirada e que representa de forma sublime o período de pujança máxima da corrente Arrumadinhiana, um poema iconográfico e que condensa em poucas palavras toda a minha própria obra, num exercício notável de clarividência e coragem.

Sem mais delongas, debrucemo-nos sobre o essencial:

Nesta Blogosfera gigante,
Cheia de gente engraçada,
Eis que alguém inteligente,
Surge no meio do nada.

É notória a influência que os Russos exerceram em Pipoca Mais Arrumadinha, a aparente dissonância entre uma blogosfera gigante, uma reminiscência dessa torre de Babel que nos contava Brughel, o Velho, e a singeleza do nada, do surgimento daquele que havia de colocar ordem no caos, servindo-se de nada mais do que as suas capacidades cognitivas e dos seus longos saberes, alicerçados em doutrina. É impossível não se pressentir nesta estrofe uma forte influência do Velho Testamento, quando Bartolomeu, o Bizantino, surge da nuvem que cobria a planície de Cafarnaum e acalma o povo da Judeia, usando nada mais que sábias palavras e portentoso intelecto.

De seu nome Pipoco,
Com apelido Salgado,
O que disser ainda é pouco,
Tamanho é o seu legado.


Neste pedaço de excelência, abstraíndo-nos da assertividade com que Mais Arrumadinha sintetiza o essencial do personagem a quem dedica o poema, trabalhando o supérfluo de tal forma que nos remete magistralmente para a informação mais básica, fica apenas o subliminar da mensagem,  a forma superior como Mais Arrumadinha galvaniza o tamanho do Pipoqueno legado, sendo que, neste caso, deveremos entender que o legado poderá não significar apenas o essencial de um pensamento, aquilo que perdurará, mas também, numa abordagem livre, nos convida a não ficar reféns de uma abordagem redutora, significando neste caso que "tamanho é o seu legado" pode ser entendido de formas alternativas a um entendimento mais clássico.

Muitas tentam a sua atenção,
Na esperança de lá chegar,
Mas ficam pela intenção,
E continuam a tentar.

Se dúvidas persistissem do estudo aturado que a minha vasta obra mereceu a Mais Arrumadinha, estas seriam certamente dissipadas pela leitura deste trecho. Efectivamente, é longo e de difícil localização na lonjura dos tempos o número das que, com tenacidade e persistência, tentam captar a minha atenção, jamais dissuadidas pela triste realidade dos resultados. Há neste trecho uma mensagem de esperança, um convite à insistência, focadas no júbilo de finalmente ser alcançado esse desiderato, nunca desistindo, um esforço e tão bem resumido no "E continuam a tentar" final, que aqui nos surge como uma piscadela de olho a Sísifo, outro filisteu dos maiores.

Até Tio lhe vão chamando,
Os anónimos e alguns nem tanto,
E assim lá vão passando,
Mas ninguém lhe causa espanto.
Este poema lhe ofereço,
Cheio de boa intenção,
O seu blog não tem preço.
E merece esta distinção.

Tudo o que possa dizer sobre a parte final desta ode é acessório. As palavras falam por si e qualquer tentativa de clarificar o pensamento Arrumadinhiano seria obscenamente redundante.




(Obrigado, Arrumadinha, é desta capacidade de não nos levarmos demasiado a sério e deste seu poder de encaixe que, em certos dias, mais precisamos. Um grande bem-haja pelo seu carinho, que, cada vez mais, merece o meu respeito.)



14 comentários:

  1. "...as neere is Fancie to Beautie, as the pricke to the Rose, as the stalke to the rynde, as the earth to the roote."

    John Lyly, Euphues and his England, 1588

    ResponderEliminar
  2. Depois disto, voto em Pipoco para analisar o acervo literário de Pessoa.

    ResponderEliminar
  3. Olhe nem sei que lhe diga, acho que foi a minha primeira análise completa a um poema, magnífico!

    ResponderEliminar
  4. O poema da Mais Arrumadinha já é per se fenomenal, mas está explico- dissecção deixou-me siderada. Nem sei se me curvo , se desato a fugir (reticências) Uau!!

    ResponderEliminar
  5. Está feito o post, no meu blog, ao movimento «Faz um poema ao meu blog», obrigado pela sua generosidade e simpatia caro Pipoco Mais Salgado, ficou muito engraçado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (desculpe a intromissão, Senhor...)
      Pipoca Arrumadinha, eu que gosto tanto de quadras (estrofes é mais complicado, confesso), dizia eu que gosto tanto disso das quadras que já lhe deixei uma no seu estaminé. Espero que aprecie :) , e isso!

      Eliminar
    2. E ficou muito engraçada!

      Eliminar
  6. Pois que me apetece aqui citar Carlos Nogueira, na sua análise a "Festa Redonda", de Vitorino Nemésio:

    "A força simultaneamente centrípeta e centrífuga dos poemas coligidos nesta obra provém da literatura de transmissão oral, metamorfoseada em poesia individual e original pelo punho de um poeta que, na singeleza aristocrática do seu espírito criador, demanda ou constrói a sua própria (uni)diversidade idiossincrática."

    Debruçando-me perante a obra e a análise decorrente, identifico forças centrífugas e centrípetas, consigo descortinar alguma singeleza, vislumbrar um toque aristocrático. Mas, sobretudo, o que me esmaga é a (uni)diversidade idiossincrática.
    Em resumo, direi mesmo mais: acho que ficou muito engraçado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó Xilre, ri-me!
      Faz mal? :D

      Eliminar
    2. Falta explicar, queridíssimo X, se a sua citação se aplica ao poema ou à dissecção explicativa, ou - e porque não, a ambos (reticências)

      Eliminar
  7. Pipoco (MS) e Pipoca (MA) são um e o mesmo o outro, e aquele, ambos os dois? As vírgulas denunciam, ou, então, é coisa que se pega o que será sempre uma coisa bonita e especial!

    ResponderEliminar
  8. Está uma análise muito bonita sim!

    ResponderEliminar
  9. Análise absolutamente extraordinária! :)

    ResponderEliminar