30 outubro 2012

Pipoco também tem um cão, aliás, uma cadela

Encontrei-a perdida e magra, lá no sítio onde eu moro. Percebia-se que era mesmo bonita, debaixo do pêlo mal tratado e do ar assustado. Um dia seguiu-me no caminho para casa mas arrependeu-se e voltou para trás. No dia seguinte acompanhou-me até casa, mas, assim que abri o portão, ela foi-se. Ao terceiro dia, ela ficou e aceitou beber leite, mas acabou por se ir embora de novo. Finalmente, ao fim de uma semana, ela bebeu o leite e estendeu-se na relva, com aquele sorriso de felicidade que os cães bem resolvidos costumam ter. No manhã seguinte, ela por lá continuava e eu percebi que tinha resolvido adoptar-me, logo a mim que nunca tinha sido adoptado por um cão. Nunca quis entrar em casa nem dormir na garagem. Basta-lhe que a deixem participar num bom jogo de futebol, acompanhar-me nas minhas corridas diárias e receber festas na barriga, para além das vacinas a que tem direito e da dose de ração que ela complementa com um ou outro coelho que vai apanhando. Em paga, espera-me pacientemente nos dias em que chego a casa de madrugada, guarda-me a casa e acompanha-me em silêncio, língua de fora, em dias como o de hoje em que vimos ambos a névoa a levantar-se no lago e, já no regresso a casa, vimos o nascer do sol. Acho que somos felizes.

17 comentários:

  1. Adorei o texto :) É tão bom quando somos escolhidos .... É um privilégio

    ResponderEliminar
  2. Também já me escolheram a mim há quase 16 anos. e por falar nisso hoje é dia de banho.

    ResponderEliminar
  3. Isso é que é uma bela vida de cão. Quer dizer, cadela.

    ResponderEliminar
  4. Isso sim é "ter" um cão (amigo). Eu fui escolhida por um gato já há 3 anos.

    ResponderEliminar
  5. Adoro o texto. Também eu tenho uma cadela e adoro que ela faça uma festa quando me vê!

    ResponderEliminar
  6. Que romântico, tio Pipoco... se fosse uma mulher, era perfeita...

    ResponderEliminar
  7. Anónimo30.10.12

    (Atão... atão... mas o T. voltou?!...)

    M.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mau...Será que o brilho ofuscou tanto que nem reparei que era pirite ???

      Eliminar
  8. Que giro! Belo gesto... Eu cá também fui escolhida, mas por um gato... Costumo dizer que foi deus que nos colocou à prova a tomar conta daquele gato bebé (salvo com biberão de 3 em 3 horas) :)

    ResponderEliminar
  9. Os nossos amigos bichos são os únicos amigos que nos amam incondicionalmente sem nada pedir em troca; basta-lhes um afago e um pouco de ração. Eu tenho dois :D

    ResponderEliminar
  10. Não comprou um cão da raça da moda, cama e manta xpto, não lhe ensinou boas maneiras nem caiu na tentação de lhe comprar uma coleira de marca e presentes de Natal? Sim, isso é ser snob-chique.

    ResponderEliminar
  11. verdade. Quando fomos buscar os nossos, o que veio foi sempre aquele que nos escolheu sem nos deixar outra hipótese.

    ResponderEliminar
  12. Mente perversa a minha!
    Subentendi algo completamente diferente neste seu texto. Mas isto sou só eu, que por vezes tenho dos mais variados delírios.

    ResponderEliminar
  13. Aquela que ainda quer saber a marca do ciclope30.10.12

    Meu! Abordas o ciclope, e não dizes de que marca é? Cumué, man?

    ResponderEliminar
  14. muita querido este post... é de uma perversidade que ultrapassa os delírios... imagino-me a viver com alguém como tu, dentro desta caixinha de comentários, unidos através dos algoritmos extra-sensoriais extra-texto. vinculados pelo belo gesto, belo texto, xpto-snob-chic, very hot pop. adorei o ponto final, o espaço entre linhas, cada vírgula e aquela que ainda quer saber a marca do ciclope. cumué, man?

    ResponderEliminar
  15. Anónimo31.10.12

    és muito sensivel e patife hahahaha! "uindo"

    ResponderEliminar