16 julho 2018

A vida, tal e qual ela é

Precisasse eu de provas de que os homens mudam e era ver-me ontem por volta das quatro da tarde na Comporta, alheio à final, sem uma cerveja na mão, sem uma algazarra de amigos à volta, sem querer saber de uma final do campeonato do mundo, eu numa rotina que consistia em trinta páginas de leitura, quinze minutos de mergulho, dez minutos de sol, em loop, o mundo a vibrar com a fotogenia da presidente da Croácia com o penalty inventado, com o frango do guarda-redes, eu no meu mundo, até o telemóvel ficou em casa, se posso ignorar uma final do campeonato do mundo, então posso tudo, e afinal uma final do campeonato do mundo não é nada que não se possa ver num condensado de cinco minutos no telejornal da uma da manhã.

1 comentário:

  1. Raios e coriscos, meu caro. Só após 79 anos disto é que chega a essa conclusão?!

    Mais um bocadinho e está a dizer-nos que a sitcom Ronaldo não lhe interessa.
    Poças...

    As graças que dou, não sei bem a quem, a mim próprio - diria cr7™ -, por ter abandonado política, religião e futebol antes do final da adolescência...

    ResponderEliminar