19 novembro 2017

Das conversas de viagens

O Burnay de Meirelles ensinou-me numa ocasião, era uma dessas noites de fado vadio e degustações de whiskeys de estranhos rótulos, que não há melhor conversa que a conversa de viagens, basta que os conversadores sejam pessoas de bem, que escutem com atenção o viajante que lhes fala de terras que até podem não ser muito estranhas nem muito longe, que o escutador feche os olhos e se deleite com o que está a ouvir, interrompendo só para acrescentar um pormenor que estabeleça uma ponte para uma nova história, este novo contador falará do que viu, as histórias falarão de pessoas mais do que lugares, e esses, os lugares, que sejam de lugares que mais ninguém viu, afinal as histórias dos lugares que toda a gente conhece já todos as conhecemos, mas, resumindo, o que de mais valor me ensinou o Burnay de Meirelles foi recomendar-me que nunca, por motivo algum, qualquer que seja o pretexto, converse sobre viagens com aqueles que são apenas turistas.

(baseado numa coisa que a Palmier nos disse um destes dias)

10 comentários:

  1. Anónimo20.11.17

    O tamanho de letra agrada-me.

    ResponderEliminar
  2. Cláudia Filipa20.11.17

    Embora não concorde com o Burnay de Meirelles quando ele diz que não há melhor conversa que a conversa de viagens, acontece-me uma coisa sempre que ouço um viajante, mesmo viajante, fico contagiada de vontade de viajar, e com a sensação de estar a perder muito se não o fizer.
    Costuma dizer uma amiga que adoro, que viajava muito e, agora, por circunstâncias várias, não tem podido, que é das melhores coisas que se leva desta vida, e que adora ouvir um viajante, que é a forma que agora tem de também viajar.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo21.11.17

    Fala, fala e não diz nada.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo21.11.17

    Grande Palmier. A categoria da bofetada com luva de pelica.
    RN

    ResponderEliminar
  5. Anónimo25.11.17

    Cá pra mim, já ninguém se lembra do que a Palmier vos disse um destes dias, mas é. Daí, a pouca afluência ao post...não será Tio Pipoco?
    Não fique desmotivado, porque a culpa não é sua. Sequer do Burnay de Meirelles...Siga a dança e publique coisas de valor, ande lá...

    Sou eu; aquela amiga do coração, mas preguiçosa!...Detesto abrir a conta!!

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde, meu caro.

    Passei para cumprimentar a minha anónima amiga que-se-atrapalha-com-o-corrector-ortográfico. E o meu caro também, como é óbvio.

    Somos todos turistas. Somos todos pára-quedistas. Somos todos amadores vogando ventos de casualidade. Quase tão certo como sermos todos contribuintes.

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo25.11.17

      Oh, onónimo... até me deixa enternecida. Muito grata.
      Sim, porque só posso ser eu a tal amiga anónima que-se-atrapalha-com-o-corrector-ortográfico. :)

      Abraço.

      Eliminar
  7. Anónimo26.11.17

    Lamento “Oh anónima” mas sou eu, que o trato carinhosamente (tosse) por Zé Ninguém, o pseudo-intelectual, e o corrector é automático. Já tratei do seu presente de Natal, é uma coleção (piscadela de olho) que pode usar na lareira. Certa de que vai apreciar deveras, desejo-lhe um bom Domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo26.11.17

      Ahhhh, essa piscadela d'olho na "coleção" só vem corroborar que sou eu a tal anónima deliciosa...:) numa ocasião até escrevi colecção com um cê e dois cês de cedilha, mas isso não foi atrapalhação com o corrector ortográfico, foi mesmo atrapalhação minha, com ou sem o dito.
      Bom Domingo. ;)

      Eliminar
  8. Anónimo27.11.17

    Estás pessoas têm correctores muito afinafinhos, o meu é selvagem e indomável. E escolhe a palavra como lhe dá na real gana, automático mas cheio de personalidade.

    ResponderEliminar