27 julho 2017

#parecesosvelhotes

Lembro-me bem de ver jogar Ricardo Carvalho nas suas últimas épocas de jogador da bola e fascinar-me com a pouca energia que punha nas jogadas e, mesmo assim, a bola ir parar quase sempre ao local onde estava o Ricardo Carvalho, toda a gente a correr para o sítio onde achavam que o bola iria parar e ele a dar meia dúzia de passos para o lado certo e a bola a ir parar ali e não a outro sítio qualquer, ele a resolver as situações com dois toques simples, a descomplicar, e a bola, senhores, a bola a ir para sempre ao sítio onde ele já estava.

Sinto que estou a ficar uma espécie de Ricardo Carvalho e ainda estou a decidir se estou a gostar.

(dando continuidade a este post da Susana Rodrigues)

7 comentários:

  1. O Ricardo Carvalho é das melhores coisas do futebol nacional e mundial. Ao nível de um Gerard, uma das minhas grandes paixões futebolísticas que, por ser britânico e ter sempre aquele ar cool, me encanta ainda mais.

    ResponderEliminar
  2. Caro Pipoco, regozije-se por ao invés de se sentir um Ricardo Carvalho, não se sentir um Thomas, que estava sempre no sítio mais equidistante da bola.

    ResponderEliminar
  3. O problema nem será tanto envelhecer dentro de campo, como Ricardo Carvalho soube ir fazendo com mestria, indo buscar em inteligência o que já não conseguia em capacidade física.

    O problema, para quem seja ídolo dentro de determinadas quatro linhas é saber como viver quando estas se tornarem ténues e desaparecerem. Lembrei-me, a propósito disto, do temerário guarda-redes Chilavert, marcador de livres e penalties, único na sua posição a ter alcançado um hattrick e por aí em diante. Temperamental e desafiante durante toda a carreira, tive curiosidade em saber como desafiaria o status quo depois da sua carreira ter acabado.

    Fui procurá-lo e descobri que, ao invés de desafiar o status quo fora dos campos, optou por comer o status quo. E, certamente, com acompanhamentos pouco saudáveis.

    ResponderEliminar
  4. Cláudia Filipa27.7.17

    E as escolhas, tão boas, esta continuidade e o Ricardo Carvalho. Era isso era, parecia (e estava mesmo) estar sempre no sítio certo na altura certa e, por concordar tanto, vou apoderar-me desta frase da Isa: "O Ricardo Carvalho é das melhores coisas do futebol nacional e mundial." E quando lhe põem um microfone à frente, transmite tranquilidade, ponderação, razoabilidade, aquele tipo de pessoas que dão aquela sensação de, o que se lhes entregar, ficará em boas mãos.

    ResponderEliminar
  5. Essas férias estão assim tão complicadas?!

    Ia perguntar "quem diabo vem a ser o Ricardo Carvalho", mas as pessoas acabariam por pensar "olha, lá está o engraçadinho".
    Opto por ficar satisfeito. Por saber que poderia ficar a saber "quem diabo vem a ser o Ricardo Carvalho" se consultasse a web, e, no entanto, consigo resistir à tentação.

    ResponderEliminar
  6. Mas o Ricardo Carvalho é muito recente, caro Pipoco. Velhote velhote era lembrar-se do Mesarus (como eu). Não era?

    ResponderEliminar
  7. Lady Kina27.7.17

    Às tantas está a confundir o jogo da bola com o do bumerangue.

    ResponderEliminar