09 dezembro 2016

Ipsis verbis (ou o plágio, capítulo primeiro, adivinhe quem apeteceu a Pipoco plagiar hoje)

Imagine o distinto e atento público que sou confrontado com uma situação deveras embaraçosa e que alguém que prefiro não identificar, podia ser a Rita das fotocópias mas não é, não vale a pena especularem, podiam arrancar-me o fígado que não me arrancariam um nome, acontece que fígado só se tem um, se fossem os rins ainda podia ser mas o fígado faz-me muita faltinha, de maneiras que não digam a ninguém mas trata-se da Dona Odete das limpezas, não, essa é a da secretaria geral e é a Doutora Odete, a que está no centro do furacão é a Dona Odete das limpezas, sim essa, a dos óculos muito graduados, ora sucede que me vieram informar que a Dona Odete tem uma página bastante alternativa, nem pensem que vou dizer que o endereço é bizarriasdaodetecomcobras.com, vejam a página e aquilatem os conteúdos, nomeadamente o link que está no canto inferior direito, quase não se vê mas é o caminho para as situações mais alternativas, o resto é para meninos, e depois vinde cá dizer-me se é de dar um toque à Dona Odete sobre o perigo que pode ser para a vida dela a rapaziada saber assim das coisas a frio, sem um aquecimentozinho nem nada, ou se é melhor deixar correr o marfim, ide e vinde cá dizer-me que eu estou meio atordoado e nem estou em mim, com a breca, uma pessoa que parece que nem batata sabe dizer duas vezes seguidas e vai-se a ver e afinal é danada.

10 comentários:

  1. Chega aqui uma pessoa munida das melhores intenções ( apesar das más línguas) e com que se depara? Nada mais nada menos do que 2 posts, dois, sobre plágios.
    No primeiro, diz Don Pipoco, muito contrariado, que alguém lhe plagiou as letras(?). Que letras? As de câmbio, as dos poemas inexistentes neste blog; as das cantigas da rua ou as do abecedário? Vogais ou consoantes? Consoante o texto, não percebi foi nada, e constato - pela quantidade de comentários - que o resto do pessoal também não.

    Neste post diz que já descobriu a autora do furto, mas nem que lhe arranquem as entranhas, revela o nome. Paradoxalmente, acaba por se descair com duas Odetes. Só que uma é Dona, a outra não.

    Não percebi nada, mas sei que eu não fui...ou fui?

    (agora resolveram culpar-me de tudo o que de ruim acontece nos blogues...)

    ResponderEliminar
  2. Oh, diacho!! Li isto tão na diagonal, que só agora reparo haver um endereço que deixou o Tio atordoado. Outro dilema: vejo ou não vejo?,- grande questão. Apre! Este blog anda a dar-me cabo dos neurónios.

    ResponderEliminar
  3. Cláudia Filipa9.12.16

    Deixei o comentário a sério no original, aqui (depois de rir) e uma vez que "a temática" é o plágio, vou plagiar-me a mim própria e vou deixar-lhe a última coisa que escrevi no comentário a sério, acho que conjuga bem com o seu post: "Não são os abelhudos, os diz que disse, que devem passar pelo constrangimento da sua abelhudice?"

    ResponderEliminar
  4. Lady Kina9.12.16

    Eu cá acho que ao Pipoco hoje apeteceu plagiar os inplagiáveis, que, como se sabe, são todos muito idênticos entre si...

    ResponderEliminar
  5. Lady Kina9.12.16

    Já agora: diga-me que não perdeu a oportunidade para aconselhar o seu informador a enfiar este mesmo tipo de informação, em próximas ocasiões, em algum buraco que não os ouvidos dos outros, nomeadamente os seus, sendo que até dispensa saber qual o eleito, que a si não costuma tirar o sono o lugar onde cada um enfia aquilo que é lá com ele. (não sei se dá para perceber-se a ideia)

    ResponderEliminar
  6. alguém que faculte o link aos desalinhados, em fazendo a gentileza.

    ResponderEliminar
  7. Este plágio 'tá muito bojudo.

    (nada bojudo e bastante esbelto está este comentário da Lady Kina, já agora)

    ResponderEliminar
  8. bizarriasdaodetecomcobras.com?!

    Ahahahaahhaahhahahahhahahhahhahhahahhahhahahhahhahhahahhahahaha

    (que maldade, Pipoco! Uma pessoa preocupada com a vida da Dona Odete e das suas cobras e depois é isto)

    ResponderEliminar
  9. O Problema, como é usual, é o coeficiente de sustentação para o ângulo de ataque específico. Ontogenia e filogenia presas por essa delicada baraça.

    Afinal o que toda a gente pretende é ver o raio o filme, preferencialmente em modo gonzo.

    ResponderEliminar