08 abril 2015

Simplificando

Se percebi bem, J. Rentes de Carvalho dizia ontem na RTP2 que vive na ilusão de ser aquilo que desejava ser.

Fiquei a pensar nisto, primeiro na felicidade de que é ser aquilo que desejamos ser. Depois, muito mais divertido, assumir que pode não passar de uma ilusão isso de nos parecer que somos aquilo que desejamos ser.

11 comentários:

  1. A mim o que me deixou a pensar foi quando logo no inicio do documentário o Mestre Rentes de Carvalho seguro e de sorriso no rosto soltou : " as pessoas não sabem, mas a tolerância é uma forma de indiferença.»

    ResponderEliminar
  2. Anónimo8.4.15

    Tio, não tenha medo de voar mas tenha cuidado com esses prados da mente que florescem junto ao abismo.

    ResponderEliminar
  3. Cláudia8.4.15

    Bolas!... nó cego...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo8.4.15

    JRC dá as chaves de discernimento para distinguir uma e outra: ilusão e ser.

    MH

    ResponderEliminar
  5. Irei ver a entrevista, mas parece uma tautologia de alguém atento às neuro ciências.

    Toda a limitada percepção é integrada no modelo mental que temos do mundo, actualizado e composto a cada momento, a cada pensamento estruturas reorganizando-se.
    Óbvia ilusão em relação à realidade objectiva, se é que tal coisa existe, embora me pareça de algum sentido que de facto exista algures, quanto mais não seja a um nível informacional.

    Vamos ver, vamos ver. Até para tentar redimir a minha própria ilusão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia8.4.15

      E depois de ler este seu comentário, apeteceu-me acrescentar, que para além disso, (e se achar completamente desadequado e disparatado, paciência :) já está), mas, dizia eu, para além disso, apeteceu-me acrescentar esta frase que li de Borges e que também acho muito, muito interessante: "somos todos semelhantes à imagem que os outros têm de nós". E também acho que, tirando as matemáticas, não há "realidade objectiva", que não tenha a sua quota de subjectividade.

      Eliminar
    2. JRC é um excelente escritor, e um castiço que trata a ironia com uma intimidade invejável. ainda não encontrei a entrevista no RTP play mas recordo um outro local, não há muito tempo, pelo próprio, naquela atraente bonomia que tantas vezes o caracteriza:

      a possibilidade de dar a ilusão da verdade é comum tanto ao vigarista como ao escritor

      Eliminar
  6. Um grande senhor esse que sabe o que diz sempre!

    ResponderEliminar
  7. Anónimo8.4.15

    Caravaggio não diria melhor

    ResponderEliminar