09 abril 2015

Parábola dos galos do lago Tanganica

Existia junto às margens do Lago Tanganica, Ruben Patrick, um agricultor que resolveu que estava na altura de trocar o velho galo por outro mais novo (dá-me um segundo, chamarei o velho Fagundes para que te sirva um Cutty Sark novo, eu fico-me por este Nikka From the Barrel), o novo galo havia de dar conta das galinhas, o Lago Tanganica é conhecido pela qualidade das suas galinhas, Ruben Patrick, não há muita gente a saber deste segredo, toma nota, e o velho galo, sabedor de que as galinhas haviam de preferir a novidade, pediu ao novo galo que lhe deixasse ao menos uma galinha, e o galo novo, impante, negou-lhe o pedido, estava ali para tomar conta de todas as galinhas, que não valia a pena insistir, e o galo velho pediu ao menos uma oportunidade, haviam de fazer uma corrida à volta do galinheiro e, se ganhasse, havia de ficar com a tal galinha, e, já agora, era justo que o galo velho tivesse uma ligeira vantagem, uns metros de vantagem que lhe dessem a ilusão da vitória e o galo novo, soberbo, acedeu e lá se combinou a corrida, o galo novo a correr a toda a velocidade atrás do galo velho, que fugia espavorido e com grande algazarra.

E o agricultor, Ruben Patrick, incomodado com o barulho, ao ver a cena, pegou no seu velho arcabuz e disparou sobre o galo novo, acabando com ele e lamentando ser o quinto galo com preferências sexuais alternativas que comprava.

32 comentários:

  1. Lady Kina9.4.15

    "preferências sexuais alternativas"????????????????? oumaigód

    ResponderEliminar
  2. Ó Pipoco, responda-me se puder e/ou souber. Como é que se vê isso das preferências sexuais de um galo?
    É que o meu pai arranjou um galinheiro para as netas andarem entretidas quando lá vão a casa, é capaz de querer saber.
    E daí não, deixe estar, não se mace. Tenho sérias dúvidas que a orientação sexual do galo influenciasse a decisão do meu pai.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lady Kina9.4.15

      Mirone, não vês que o agricultor foi dar com o galo novo a correr esbaforido atrás(!) do galo velho... claro que aquilo foi tudo manha do velhote, mas enfim, se calhar até gosta do "andamento" de tanto galo novo por ali, sei lá eu! Já desisti de perceber as pessoas, incluindo as galináceas.

      Eliminar
    2. Kina, até aí já eu cheguei. Pois que o velho agricultor se precipitou, enganado pelo que os olhos lhe mostravam. A minha pergunta é outra, como é que se vê a orientação sexual de um galo? É um daqueles lindos, de penugem exuberante, de quem as galinhas andam sempre de roda? É aquele que põe ordem no galinheiro, que decide quem primeiro come e a que horas deve o agricultor acordar? É o que sem grande alarido vai fazendo o que um galo tem de fazer para que os ovos sirvam para algo mais que omeletes?

      Eliminar
    3. Lady Kina9.4.15

      Mirone, tu às vezes exasperas uma lesma! Ó mulher, em primeiros,a orientação sexual não se vê, e em segundos, tendo em conta a bonita parábola do nosso anfitrião, a orientação "alternativa" avalia-se pela posição investida do galo, pelo menos no que toca à daquele que corre no encalço da traseira do que vai à frente... que até prova em contrário se presume "inocente"... Olha, rai's'parta as tuas dúvidas masé!

      Eliminar
    4. Anónimo9.4.15

      :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDD
      É como aquela anedota:
      Estavam dois galos de orientação sexual alternativa a conversar.
      - Ó querido, já não me procuras...
      - Pois não. Tu também não te escondes.

      Para um galo correr no encalço de outro é preciso que esse outro corra à sua frente.

      Eliminar
    5. Ah, bom, não se vê... É uma questão de fé, de acreditarmos ou não.
      Podias ter dito logo.

      Eliminar
  3. Anónimo9.4.15

    hahahahahahahaha

    ResponderEliminar
  4. tartarugas, lebres, galos, flamingos, peixes...
    Anda muito david attenborough ou então Jean de La Fontaine.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo9.4.15

      Ou arca de Noé...

      Eliminar
  5. Anónimo9.4.15

    Caro Rúben Patrick, aprenda com o seu Tio. O cerne da questão está na moral da história: Nunca, mas nunca subestime a sabedoria dos mais velhos. :)
    VW

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo9.4.15

      Não Ruben, a moral da história não é essa, é esta:
      Arranja quem faça por ti aquilo que não consegues.

      Eliminar
  6. Anónimo9.4.15

    http://memeguy.com/photos/images/in-cock-nito-sfw-29029.jpg

    ResponderEliminar
  7. Cláudia9.4.15

    Ufa!... Pipoco, deixa-me pôr nome aos galos?. Sabe que cheguei a pensar que o Ruben Patrick, depois de tanto tempo a ser instruído por si, tinha-se rebelado e pegando em todos os saberes adquiridos, fazia-lhe agora frente em desabrido desafio, seria caso para dizer, que Pipoco tinha criado um monstro. Afinal, menos mal, Ruben permanece aí a seu lado.
    Quanto ao galo novo, mesmo depois de morto, continua a ter uma acérrima defensora, já eu, ando a saracotear-me por tudo quanto é capoeira, bem sei, bem sei, mereço acabar numa canja, mas antes, deixe-me dizer estas ultimas palavras: para mim, galo há só um, é quem o Pipoco sabe e mais nenhum!
    (Isto é divertido)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei de quem fala Pipoco.
      O galo novo não se põe assim na sua mira. É que nem lá perto. Tem um Lamborghini. E lá nos terrenos agrícolas aquele Lamborghini é capaz de lhe dar um avanço. Mas isto sou eu a dizer, que até achava que as galinhas do Tanganica eram peixes balão, mas afinal eram só galinhas.
      A minha única dúvida é quem será a tal 'unica galinha' que estava no acordo.
      Clau, desconfias de alguém?

      Eliminar
    2. Lady Kina9.4.15

      Ehlá, só espero que não seja eu, é que à conta do meu bigode...

      Eliminar
    3. Anónimo9.4.15

      Cláudia, proponho que avances com o movimento #jesuisteampipoco.

      Tens o perfil de uma líder e é na horas difíceis que temos de mostrar de que lado estamos.

      Eliminar
    4. Cláudia9.4.15

      Uva, é por isto que gosto de ti, mesmo sem te conhecer, e nem me interessa que isto seja lamechas, estou-me nas tintas. Falas de coisas sérias, mas quando é para brincar também sabes brincar, não dás importância a coisas que não têm importância, sabes que uma brincadeira é só isso mesmo, uma brincadeira, não és nada subserviente, mas também nunca és indelicada, fazes disto, o que é bom que isto seja, uma coisa saudável, porque para guerras já bastam as que temos que travar fora daqui. Isto é o que eu sei, quanto a essa tal galinha que estava no acordo não sei de nada, mas deve ser valiosa. Ai Uva que eles descobriram uma galinha que põe ovos de ouro e por isso é que é esta confusão toda.

      Eliminar
    5. Uvinha, estás a querer dizer que afinal é tudo ciúme? Então mas o galo velho não sabe que a(s) galinha(s) jamais o abandonaria(m)? A(s) galinha(s) não merecia(m) tanta desconsideração com tamanha falta de confiança.

      Eliminar
    6. Cláudia9.4.15

      Mirone, conto com a sua boa vontade e influência junto do galo novo, seja solidaria com outra "galinha" por favor, se eu me apetecer, depois daquele primeiro comentário que aqui fiz, ir meter o nariz em galinheiro alheio, promete que não deixa que me torçam o pescoço? vá lá. Tem razão Mirone, não há motivo para ciúmes, las galinhas não são mobiles, mas aquilo não são ciúmes, são coisas só lá deles, dos galos, as galinhas são só danos colaterais.

      (Anónimo, um abraço pela gracinha, vá)

      Eliminar
    7. Mirone, estou em crer que isto é luta de galos do campo, mas um dos galos está a leste e ainda não percebeu que tem uma arma apontada ao rabo. O novo galo está a dar, ou a tomar, conta das galinhas todas do galo velho, e o Lago Tanganica antes conhecido por ter só piranhas, hahahahaha, agora é reconhecido pelo Grande Flamingo pela qualidade das suas galinhas.
      Isto é volte face incrível!

      Clau, eu não me posso encontrar contigo nestas caixas que fico com duas rosetas enormes na cara, envergonhada como uma criança pelos teus elogios tão queridos.
      Eu sei quem é a galinha. Põe uns ovinhos que são uma beleza, assim a modos que parecidos com os teus quando estás inspiradex nisto dos blogs.
      Hahahahaha Abraço a todos.

      Eliminar
    8. Claudia, influência junto do galo novo? Eu?
      Esttás a brincar, certo? Acreditas mesmo que tens ali quem te torça o pescoço? Com que galos te dás, Cláudia?
      Se eu fosse um galo velho também te escolheria ;)

      Eliminar
  8. Smart ass, quase literalmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo9.4.15

      Afinal o galo velho não passa de um flamingo (e o galo novo um peixe colorido).

      Eliminar
  9. Lady Kina9.4.15

    Não esquecer o canto do cisne do galo, que mesmo antes de falecer cacareja: "querias tu ser um terço da bicha que eu sou!"

    https://www.youtube.com/watch?v=swgJSxgQovM

    ResponderEliminar
  10. Anónimo9.4.15

    Passa-se a "Idade do Armário " e eis senão quando chega-se à "Idade da Capoeira"
    eheheh a anedota do anónimo fez -me rir com prazer , tão oportuna e fresca nestes pântanos parabólicos.

    ResponderEliminar
  11. Creio que vale a pena deixar o poema de Ferreira Gullar (Galo galo)


    O galo
    no saguão quieto.

    Galo galo
    de alarmante crista, guerreiro,
    medieval.

    De córneo bico e
    esporões, armado
    contra a morte,
    passeia.

    Mede os passos. Pára.
    Inclina a cabeça coroada
    dentro do silêncio:
    — que faço entre coisas ?
    — de que me defendo ?

    Anda

    No saguão.
    O cimento esquece
    o seu último passo.

    Galo: as penas que
    florescem da carne silenciosa
    e o duro bico e as unhas e o olho
    sem amor. Grave
    solidez.
    Em que se apóia
    tal arquitetura ?

    Saberá que, no centro
    de seu corpo, um grito
    se elabora ?

    Como, porém, conter,
    uma vez concluído,
    o canto obrigatório ?

    Eis que bate as asas, vai
    morrer, encurva o vertiginoso pescoço
    donde o canto rubro escoa

    Mas a pedra, a tarde,
    o próprio feroz galo
    subsistem ao grito.

    Vê-se: o canto é inútil.

    O galo permanece — apesar
    de todo o seu porte marcial —
    só, desamparado,
    num saguão do mundo.
    Pobre ave guerreira!

    Outro grito cresce
    agora no sigilo
    de seu corpo; grito
    que, sem essas penas
    e esporões e crista
    e sobretudo sem esse olhar
    de ódio,
    não seria tão rouco
    e sangrento

    Grito, fruto obscuro
    e extremo dessa árvore: galo.
    Mas que, fora dele,
    é mero complemento de auroras.

    ResponderEliminar
  12. um Cutty Sark novo
    hilariante, mas cedo ou tarde terá de avançar na instrução do pobre Ruben

    incrédulo, não vejo Mulheres ofendidas com a sugestão de um harém de galinhas que rapidamente se enamoram pelo vigor e pela novidade, sem nada terem a contrapor?

    há aqui uma daquelas cadeias não lineares de posts? "roteiros" do eremitério, à semelhança do nosso presidente? de qualquer modo está excelente.

    (o mais prudente é não fazer algazarra para evitar o bacamarte)

    ResponderEliminar
  13. Anónimo9.4.15

    Ai Tio, memórias! A minha avó contava uma história quase assim, mas não no lago Tanganica. Também não era bem, bem exactamente por causa de deixar uma galinha ao galo mais velho. As galinhas eram dele. Era mesmo coisa de galos, de galo para galo, porque o galo novo tem de ser mais vistoso.

    E vai daí o galo velho convence o galo novo a cantar a horas impróprias com o devido elogio à voz, vigor, timbre, e acordando o fazendeiro até ao limite da paciência após uma série de noites mal dormidas.

    A minha avó contava esta história muito melhor.

    ResponderEliminar
  14. Na minha ignorância ia perguntar onde fica este Lago Tanganica, estava curiosa com o cenário da história e deslumbrada com a capacidade criativa do Pipoco, mas antes fui pesquisar e espanto. O lago Tanganica ali, ao virar da esquina.

    ResponderEliminar