15 novembro 2014

Lareira, jornais, chuva e chá

A Domadora de Camaleões perguntava se eu me lembrava da história da “bucket list” de uma jovem australiana que morreu de acidente aos 19 anos e não, eu não me lembrava e fui atrás da história, é escrever "Kaileigh Fryer" na barra debaixo das letras às cores que dizem Google, que aparecem quando escrevem goggle.com e agora já sei de que se trata, foi uma espécie de acção de solidariedade  póstuma em que as pessoas cumpriram a lista da jovem e ficaram contentes por tê-lo feito, e isso é que é importante, as pessoas ficarem contentes.

Das coisas que Kaileigh Fryer tinha na sua lista, já aprendi espanhol, já fiz meditação, já viajei com amigos só com uma mochila e uma viola, já andei por detrás de uma cascata, já ensinei, já dancei à chuva com alguém que amava, já dei sangue, já comi pizza em Itália, já escrevi um livro, já me levantei antes da seis durante duas semanas, já tive um "blind date", já fiz a diferença, já tomei café com alguém mais velho e pedi para que me contasse a sua vida, já fui mentor, já plantei uma árvore, já dormi ao relento com alguém que amava, já apanhei fruta das árvores, já organizei acções de solidariedade, já passei o natal com sem-abrigo e já visitei a Croácia. 

(e agora vou tratar da minha lista de coisas que quero fazer, que nunca tinha pensado no assunto e isto nunca se sabe)

11 comentários:

  1. Anónimo15.11.14

    Exceptuando uma ou duas tentativas de fim de ano, nunca fui de listas. Percebi cedo que a única coisa que desejo é o que menos posso controlar, a vida, saúde e bem-estar de todos os que amo e estimo. Mas hoje, há pouco mais de duas horas, sozinha no carro, falei em voz alta, repeti a frase várias vezes, não sei se numa prece, se em desespero, se de medo, se de dor, quero ser mãe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Terá sido em jeito de resolução. Quando dizemos o que queremos em voz alta, elas acontecem

      Eliminar
    2. Anónimo15.11.14

      A natureza teima em dizer-me o contrário, mas não podemos desistir dos sonhos, certo? especialmente quando temos tão poucos.

      Eliminar
  2. Dos sonhos nunca se desiste. Espero que a natureza, agora que a ouvir falar em voz alta, mude de ideias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo15.11.14

      Pipoco em modo querido. Parafraseando a arrumadinha: ainda bem!

      Eliminar
  3. É sem dúvida o post do ano, todos os parabéns.

    ResponderEliminar
  4. Eu tenho algumas coisas na minha lista - mesmo que essa lista não esteja materializada - e dá-me um grande gozo quando as risco!
    Quem sabe não vão passar para o papel...? A verdade é que ainda tenho tanta, mas tanta coisa para fazer... (e ainda bem!).

    ResponderEliminar
  5. Homem felizardo. Já eu nunca fui à Croácia.

    ResponderEliminar