05 outubro 2014

Quase a maçar-me tanto quanto as dos blogues das criancinhas com lacinhos na cabecinha...

...sempre limpinhas e amiguinhas das irmãzinhas, surge,  numa escalada vertiginosa, a categoria dos blogs do querer bem para estar bem, desses que nos dizem que, se as papas de rúcula são boas para a nossa digestão, logo os nossos pulmões funcionam melhor, logo as "nossas pessoas" ficam mais bonitas e, naturalmente, a paz no mundo surge enfim, corolário das papas de rúcula comidas com regularidade.

Eu, que sei bastante de felicidade, apesar de já ter visto o Sporting perder uma final europeia em casa, sei que os momentos de felicidade aparecem sempre a seguir ao caos e nunca a seguir às cozinhas arrumadas, aparecem sempre a seguir à vida virada do avesso e nunca depois da tranquilidade de um pequeno almoço tomado tranquilamente com "as nossas pessoas", aparece sempre a seguir aos momentos em que nos entretivemos a esforçar-nos mesmo a sério em vez de olharmos à volta e pensarmos que está tudo num equilíbrio cósmico.

A verdade é que não basta uma cozinha branca, alfazema ao sair da porta, um cão cor de mel e um pequeno almoço com frutas acabadas de colher. A felicidade é outra coisa.

25 comentários:

  1. Felicidade é uma cozinha preta, a cheirar ao cão que comeu o pequeno almoço...
    às vezes.

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que li isto, no momento em que tinha decidido lavar a louça! Não o fiz, mas não deixei de o citar lá no Mergulhos, caso a memória me falhe com o ondular do tempo.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo5.10.14

    Elas sabem que a felicidade é outra coisa. Mas é o que há, é o que têm para mostrar aos outros.

    ResponderEliminar
  4. Felicidade são 15 minutos de silêncio absoluto.

    ResponderEliminar
  5. Teresa6.10.14

    Muito bom!! Só não gostei de relembrar a derrota do SCP!!! Tanta bugiganga na mesa, qualquer dia com o sono ainda partem um dente!!

    ResponderEliminar
  6. A felicidade até poderá não ser isso, mas há-de ser outro cliché semelhante.

    ResponderEliminar
  7. "sei que os momentos de felicidade aparecem sempre a seguir ao caos e nunca a seguir às cozinhas arrumadas"

    Vê-se bem que nunca entrou na minha cozinha num domingo à noite. Depois de a minha rica santinha passar lá por casa (é hoje!, é hoje!), e por fim ao caos, aquilo que sinto é muito próximo de um intenso momento de felicidade.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo6.10.14

    E eu que seria tão feliz se tivesse "alfazema ao sair da porta". :)
    MAL

    ResponderEliminar
  9. A vida enjoa quando é assim tão cheia de pormenorzinhos perfeitos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo6.10.14

      Enjoa? Só se for a si.

      Eliminar
    2. Anónimo6.10.14

      Adoro pormenores perfeitos na minha vida colorida.

      Eliminar
    3. Anónimo6.10.14

      Invejosa dos pormenores perfeitos dos outros!

      Eliminar
    4. Anónimo7.10.14

      Quem me dera! Quem me dera!
      A ser verdade tanto encanto (e energia!), sou uma infeliz!
      (a anónima da gata ali abaixo)

      Eliminar
  10. É outra coisa, sim. Sem dúvida.

    ResponderEliminar
  11. se este blog fosse americano, só faltava a cerca branca para juntar ao cenário da lavanda, perdão, alfazema, e a definição de felicidade acontecia.

    ResponderEliminar
  12. Anónimo6.10.14

    Alfazema não, que me dá dor de cabeça! Mas uma cozinha arrumada, não por mim, mas para mim, oh que felicidade!

    ResponderEliminar
  13. Pipocante Azevedo Delirante6.10.14

    A Felicidade compra-se, vende-se, e troca-se.

    ResponderEliminar
  14. Anónimo6.10.14

    Quase a acreditar que és o Deus... das moscas. Mas ainda assim, um Deus.

    ResponderEliminar
  15. Anónimo6.10.14

    Há pessoas que de uma vida que também tem chatices sabem valorizar coisas simples e serem felizes com isso. Alguém leu o seu post e respondeu-lhe que apesar de nem tudo ser cor de rosa, opta por ser feliz, sem a arrogância insuportável e pseudo-tudo que abunda por aqui.

    ResponderEliminar
  16. Por acaso é a D. Felicidade que me mantem a casa e a cozinha arrumada, só não me põe alfazema ao sair da porta (seja lá o que isso for!)...

    ResponderEliminar
  17. Corvo6.10.14

    Também acho que a felicidade é outra coisa, ou deve ser porque não sei qual o seu significado, mas sou e sempre fui imensamente feliz. E feliz sobremaneira porque nunca abdiquei de nada para a saborear. Devo ser o símbolo de injustiça da existência humana. Nunca apliquei o minimo esforço para a procurar, nunca fiz o menor esforço para a conhecer, só pensava em sobreviver o dia até ao seguinte, estava-me completamente nas tintas para o que me rodeava, o dia seguinte provavelmente seria melhor do que o presente, e tudo me saía bem. E continua.
    Deve ser isso a felicidade. Acordar. Pelo menos quando acordo a respirar, tomo o meu café, fumo o meu cigarro e digo à minha princesa que está bonita de arrasar, sou o homem mais feliz à face do mundo, e arredores.
    Ou então sou eu que por norma nunca compliquei o que é naturalmente fácil.
    Corvo

    ResponderEliminar
  18. A felicidade lá em casa é uma cozinha acabada de aspirar há 10 minutos cheia de migalhas de bolachas e de pão acabado de trazer da rua que as pequenas de 15 meses esmigalham por todo o lado, nódoas constantes nas calças de fato de treino... e um cheiro que não se pode a fraldas porque o querido papá disse que ia ele despejar o lixo LOLOL...e ouvir a pequena de 4 anos a dizer que pivete assim que abrimos a porta... isto é que é felicidade LOLOL, casa limpa? 5 minutos no final de limpar.. e que belos 5 minutos aquilo dura :)

    ResponderEliminar
  19. Cláudia6.10.14

    Tenho esta ideia, provavelmente errada, que a maioria das pessoas está mais próxima da infelicidade do que da felicidade e depois penso sempre que o principal motivo para isso acontecer, é o facto de andarem a seguir fórmulas de felicidade inventadas por outros.

    ResponderEliminar
  20. O ser infeliz tem conjuntura alta e uma campanha de imagem muito forte. A ideia de infelicidade é desesperada, extrema, um tsunami que arrasta, uma via única. A infelicidade anula a escolha, desresponsabiliza e por isso é confortável. A infelicidade torna-se uma segunda pele, como o sofá e os chinelos. Há quem seja viciado no “coitadinho”, no tom expiatório da vítima. Incapaz de se desintoxicar, há quem se esqueça de viver. Ficando à espera de uma deusa celebrada e muito esquiva chamada alegria. É tramada a solidão dos infelizes.

    ResponderEliminar
  21. Anónimo7.10.14

    Oh, carambas, e eu que acabei de invejar a casa branca e arrumada e a mesa posta para o café da manhã, após ter amaldiçoado o momento em que entornei a água da gata?
    Entrar em blogs assim é verdadeiro desconsolo para quem, como eu, sempre se julgou limpa e aprumada e adora uma casa cheirosa.

    ResponderEliminar