14 setembro 2014

E, no entanto...

Não escrevo sobre a beleza que existe num pequeno-almoço de domingo porque os meus pequenos-almoços são sempre iguais, com tudo aquilo que mereço, sempre frugais e tranquilos. Não escrevo sobre a algazarra que fazem os meus vizinhos de cima porque não tenho vizinhos de cima, nem de baixo, nem de lado. Não escrevo sobre como vai a minha dieta porque "a minha dieta" é um conceito que desconheço. Não escrevo sobre os pequenos nadas que os meus filhos dizem ou fazem porque, quando leio sobre os pequenos nadas dos filhos dos outros fico sempre com a sensação de vergonha alheia, a coisa pode ter muito impacto lá na família, mas contada a terceiros fica constrangedora. Não escrevo sobre como o meu chefe é incompetente e mal-formado porque eu sou o meu chefe e os meus chefes são competentes e mais capazes do que eu. Não escrevo sobre como seria a minha casa de sonho porque já vivo na minha casa de sonho. Não escrevo sobre como o meu trabalho é mal pago e pouco estimulante porque o meu trabalho é aquele que eu escolhi, para o qual me preparei e dá-se o caso de não ser mal pago. Não escrevo sobre quão tontinha é a minha mulher porque a minha mulher é infinitamente menos tonta do que eu, para além de muito mais bonita. Não escrevo sobre programas de televisão porque, tirando os jogos da bola e um ou outro filme que ninguém vê, não vejo televisão.

Sobra pouca coisa, bem sei.

25 comentários:

  1. Anónimo14.9.14

    Gostei.
    Sou sua fã e desse modo de vida.
    (quem disse que por detrás de um grande homem, está uma grande mulher estava certo...)

    ResponderEliminar
  2. Aquela do Ciclope que curte milhões a Hiena14.9.14

    Hiena. Escreva sobre a Hiena. Publique fotos da Hiena.

    A Hiena e o Tufão (https://www.facebook.com/tufao.da.raquel?fref=ts) foram ao zoo.

    A Hiena e o Tufão no Alvalade XXI.

    A Hiena e o Tufão explicam ao Manolo como dar puns socialmente.

    Topas, Mai Salgado? :D

    ResponderEliminar
  3. Que post tão bom! Ainda estou a sorrir... :-)

    ResponderEliminar
  4. Anónimo14.9.14

    finalmente, o "Pipoco" que conheço.



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo14.9.14

      ahahahahhahah! olhe que não, olhe que não ;)

      Eliminar
  5. Permita-me estimado PMS mas este post encerra em si uma falácia das antigas... Por cada ponto há o mesmo número de abordagens sobre as quais o caro PMS poderia discorrer. Por exemplo, em não querendo falar dos seus superiores falaria dos que lhe estão hierarquicamente abaixo, em não querendo falar da incompetência dos que trabalham consigo falaria da sua competência. Em nao querendo falar dos vizinhos de cima (baixo) falaria dos que moram na primeira habitação à sua esquerda (direita, resp.). Em não querendo falar de como o incomodam, falaria de como lhe são indiferentes ou de como têm boas relações... Em nada o seu estilo de vida lhe reduz as possibilidades de escrita, pelo que lhe "sobra" exatamente o mesmo que a qualquer outro blogo-mortal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas, cara NM, nesse caso não me seria possível escrever este post. O que seria uma pena...

      Eliminar
    2. Por outro lado, e a parte boa, é que tal quantidade de frivolidades alheias permite a este seu espaço brilhar mais alto, qual Polaris da blogosfera. {E agora... Mostro que isto foi uma graça como?}

      Eliminar
    3. Anónimo16.9.14

      Ai Pipoco, a fazer enfiar carapuças desde sei-lá-quando.

      Eliminar
    4. Anónimo16.9.14

      É isso, quando se juntam todas à volta "do tanque" a falar mal das outras não há mal nenhum. Mas quando falam de nós...aí a conversa já cheira mal.

      Eliminar
  6. Mas gosta imenso, não sei se por falta de tema, de escrever sobre os outros que falam sobre estes temas. As mulheres dos outros, os filhos dos outros, os chefes dos outros. Faz muito lembrar o tal do Godinho de Matos que entrava mudo e saia calado, mas fartava-se de faturar à conta deles todos. Sonso. A minha avó velhinha deixou-me uma frase muito sábia, e que era esta: o calado vence tudo, mas são os que falam que deixam marca e fazem história. Nem que seja a historia da dieta ou a historia do pum malcriado. Estavamos bem feitos se não houvesse quem contasse historias. Éramos uns anormais. Até porque aprendemos todos uns com os outros, mais não seja a estarmos calados sobre algumas historias. O Pipoco discorda, mas eu aqui no seu blog já aprendi coisas através das historias da sua vida. Qual é o tema? Sobra-lhe afinal, muita coisa.

    ResponderEliminar
  7. Ah... as saudades que eu já tinha de uma boa censura subliminar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, Palmier as situações com as suas crianças têm graça. Imensa graça. Mesmo muita graça. Acredite. Acredite mesmo.

      Eliminar
  8. ( zzzt. fricção ! sopro na estopa... Fogo !!)

    ResponderEliminar
  9. Just another day in paradise, também para nós, que tanto nos deliciamos com estas poucas coisas que lhe sobram para escrever.

    ResponderEliminar
  10. Anónimo14.9.14

    Compreendo. Eu também não esperava que o Belenenses fosse amansar o Leão.
    E um pouco mais até o domesticava.
    Corvo.

    ResponderEliminar
  11. Considero-me oficialmente aterrorizado. Observo a aproximação de um nirvana na bonomia da sua prosa, que, espero, não resulte de conversão religiosa ou clubística.

    Oscilei após o post de ontem, assustado e ambivalente:
    Terá o Tio enviado o pobre Ruben, esse mártir silencioso, para o levante, para se fazer homem, naquele ritual iniciático que em épocas mais civilizadas se concretizava em terras de lupanar, à custa de surpresa, assombro e consternação, por esta penosa ordem cronológica, metáfora da vida de adolescente?
    Não, meu tolo quiescente, o caro PMS está apenas a desabafar as mágoas do califado do Bruno de Carvalho, esse revolucionário do megafone, esse Marinho Pinto do futebol, ou então manifesta desilusão pelo atraso na entrega do seu novo automóvel teutónico, inexorável símbolo da potência viril nesta nossa pérfida imaginação masculina. O ó é assim, nunca me dá uma resposta directa, maldito salafrário.

    Estava errado em ambos os casos. O amigo Salgado atingiu a iluminação. Tal como Cygnus X1, deixa-nos agora abandonados, pequenos cisnes perdidos nesta ponderosa mundanidade que nos sobrecarrega os ombros, definidos pela ausência.

    Reparei então, novamente por sugestão do ó, esse perverso riso estridente que habita os meus fatigados ouvidos, que o nosso caro PMS apenas pretendeu provocar as suas leitoras (ah, como nosso Senhor se delicia com estas pequenas malícias entre as entediantes hossanas dos querubins) e confundir os seus pobres leitores. Quando se lida com fenómenos intencionais, com o fulgor do propósito, nunca se sabe qual o nível simbólico em que o nosso interlocutor cogita.

    Mil perdões, hoje estou inefavelmente chauvinista, aliterativo, anafórico ... e chato (como é hábito).

    Um destes dias o meu caro chega a casa e depara-se com um batalhão de damas arreliadas coadjuvado por aquelas nefastas criaturas auto intituladas 'jornalistas'. Pipoco sitiado no seu idílico enclave, rezará o rodapé enquanto passa a casa dos segredos apresentada por aquele hiper calórico cupcake (raios, tão próximo da singularidade ortográfica já nem sei se hifenizo ou não; talvez nunca tenha sabido, perturbador pensamento). Que acha que aconteceu minha senhora, pergunta a ávida jornalista à senhora reformada? O Senhor Doutor Pipoco sempre foi tão boa pessoa, sempre me cumprimentou logo de manhazinha, como está sra. dona, sempre me disse nestes últimos cinquenta anos e até o Ulisses me lançava um olhar lascivo. E como se sente minha senhora, insiste a jornalista. Acho mal. Há por aí tanto político malandro. Sabe minha menina, dantes a gente [depreende-se que se refere às mulheres] aguentava. Pois que aguentem que eu também aguentei muito do meu defunto marido, paz à sua alma.

    PS: Fale-nos dos seus filmes! Também tenho uma costela 'kinki' (quando me é permitido).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Genial Quiescente, o seu pedido será satisfeito. Bem o merece, meu caro.

      Eliminar
    2. Aquela do Ciclope que curte milhões a Hiena15.9.14

      Ainda bem que anda na senda da satisfação de pedidos...!

      Está na calha a criação de toda uma categoria, Anita Style, para a Pequena e Amorosa Hiena, Ulisses? Está, está, está?

      Pipoco Mai Lindo...! :D

      Eliminar
  12. só o facto de não te ligares a pequenos nadas é suficiente, a expressão pequenos nadas irrita-me profundamente. não são pequenos nadas se os qualificas como tal, dizendo ao mesmo tempo que mudam a tua vida, o teu humor, whatever.

    ResponderEliminar
  13. Cláudia15.9.14

    No meio disso tudo, só tenho pena que não veja televisão, pois eu, estou mortinha para que comece a casa dos segredos, fico acometida de tal curiosidade que não consigo resistir, deve ser a tal curiosidade mórbida e ainda para mais, sei que aquilo tem uma audiência enorme, um milhão e meio ou mais e eu tenho o azar, de não conhecer nem um, desses meus caros concidadãos e ainda tenho que ouvir frases a indagarem das qualidades enquanto seres humanos dos eventuais espectadores do programa e perguntam-me, não é Cláudia, o que é que achas?, certos que eu vou alinhar nos adjectivos pouco elogiosos e eu ali, caladinha, a disfarçar, com a cara da cor de um tomate maduro. Portanto, se durante um tempo desaparecerem daqui os meus comentários e o Pipoco cogitar sobre, porque terá desaparecido aquela Cláudia que dizia coisas tão acertadas, será que já não consigo cativar mulheres interessantes (eh!eh!eh!), não caro Pipoco, o problema não é o Pipoco, sou eu, que me terei mudado de armas e bagagens para o blog azul.
    Obrigada por me ter permitido desabafar, já tinha pensado pedir a um senhor padre que me ouvisse sobre isto em confissão, mas achei que não era caso para tanto.

    ResponderEliminar
  14. Anónimo15.9.14

    Há duas qualidades de portugueses.
    Os que vêem a "Casa dos Segredos", e os que Dizem que não vêem a "Casa dos Segredos"
    Corvo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia15.9.14

      :) Muito provavelmente caro Corvo, muito provavelmente.

      Eliminar