19 outubro 2013

Estou aqui a tomar o primeiro café do dia...

...e pergunto-me porque será que as senhoras velhinhas nas mesas à minha volta falam com uma voz tão fininha quando falam com os netos bebés.

23 comentários:

  1. Anónimo19.10.13

    É hoje a ocorrência no Colombo ?
    As jovens mães e as avós velhinhas fazem sempre essas vozes fininhas.....é uma praga num fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. OCorvo19.10.13

    Provavelmente para o caro Pipoco nao as ouvir pedir a Deus, que quando crescerem não se pareçam nada com este senhor da mesa ao lado.

    ResponderEliminar
  3. Sir, é regra de etiqueta na Versailles, com certeza. voz fininha e dedinho esticado, enquanto se fala mal das noras, dos maridos e das amigas. o falatório é geral às senhoras velhinhas, a voz fininha, aos locais seleccionados que o Sir frequenta. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo19.10.13

      Dedinho esticado da Versalhes é que nunca vi .

      Eliminar
    2. devo ter entrado na happy hour, quando permitem ao povo que veja (e aprenda) como se comporta a nata da sociedade lisbonense. possivelmente, eu própria devo ter esticado o dedinho e bebericado o cházinho em pequeninissimos goles, acreditando estar a fazer a coisa em condições.

      Eliminar
  4. Eu cá questiono sempre, em pensamento, porque é que um homem que é homem usa expressões acabadas em inho/a. Ex: beijinho, peixinho grelhado, senhoras velhinhas. Palavra que me faz impressão.
    Ruben Patrick, se passares por aqui, aprende: Nunca, mas nunca uses esses nhonhós. Até podes chegar ao cúmulo de usar sapato vela,mas inhos e inhas não, por favor!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OCorvo19.10.13

      Lá está! Eu pecador me confesso.
      É bem verdade. A gente ouve os bons conselhos dos anciãos, não lhe prestamos atenção nem lhes damos cartão porque são uns ultrapassados e depois dá nisto. Anda-se uma vida por este vale de sofrimento aos caprichos de uns ventos laterais, tombando dali, equlibrando-se daqui, imergindo além, emergindo para cá e quando se pensa que tudo se sabe; pasme mundo! Somos uns eternos ignorantes.
      Eu por mim, tá feito! Palavras como:
      Carinho, sozinho, vizinho, moinho, remoinho, caminho, adivinho, azevinho, golfinho, padrinho, sobrinho e outras de igual e terrificante teor...pois sim, tá quieto moço!
      Ao longe! Distância! Vade-retro, Satanás! Vade-retro!

      Eliminar
    2. Substitua carinho por ternura; sozinho por só; vizinho por gajo-que-mora-ao-pé-de-mim; moinho por aquela casa que tem uma mó; e por aí fora. Sim? São de evitar as palavras que acabam em inho/a como eu já referi. Mas só para evitar. As outras, as que são apenas diminutivos não são para usar, de todo, caso o interlocutor seja macho. Percebeu, OCorvinho? Coisinha fofinha...

      Eliminar
    3. Anónimo19.10.13

      Muito bom :-)

      Eliminar
    4. OCorvo19.10.13

      Que pena. Logo agora que eu preparava uma sentida homenagem escrita na mais bela e cuidada prosa-lírica ao Aníbal, a fim de, ainda que só parcialmente, compensar em parte a sua justa indignação por, vítima inocente de gente moradora verdadeiramente desumana, sanguinária, atroz e impiedosa que sem quaisquer resquícios de remorso tiveram o desplante de o votarem à expulsão, com requintes de malvadez, da casa dos segredos, logo agora, dizia; é que a palavras se foi lembrar de pecados velhos e veio com a vergonha que é para o seu ignaro utilizador, o inho.
      Seria mais ao menos assim:

      A maquinação humana, essa loba voraz e assassina, trouxe-o de volta nos seus passos arrancando-o do céu para onde voluntária e desinteressadamente se metera, para, e sem que ele tivesse a ver com isso, o lançar para dentro das chamas eternas do Inferno.
      A sua vida nunca mais seria como dantes, a motivação perdera-se e o desânimo instalara-se. Ah! As indeléveis sensações dos convincentes socos, as inefáveis chapadas persuasivas, a delicadeza das K@r@lh@d@s aconselhadoras, a doçura das ameaças moderadoras, a plenitude de uma dicção cuidada e prendada. Tudo se fora, perdera, se esvaíra na voragem impiedosa da incompreensão humana.
      A sua vida assemelhava-se agora a um quadro vazio, cinzento, paisagem estéril, deserta e nua, natureza morta esbatida a esfuminho.

      Seria, disse eu porque não pode ser nada devido ao maldito esfum...inho.

      Eliminar
    5. O Aníbal, senhores, o Aníbal! Que poço de sabedoria!

      Eliminar
    6. Anónimo20.10.13

      Muito bom. Fiquei fã deste blog e dos comentadores que são o máximo. :-)
      Quem é este Corvo?

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Porque, efectivamente, os bebés e sobretudo os recém-nascidos são mais sensíveis a sons agudos. Os cientistas chamam motherese a essa forma de falar. Claro que as avós e as mães o fazem empricamente e nada preocupadas com o que a ciência possa ou não defender. O que é considerado errado, desaconselhado pelos médicos, não é falar num tom mais agudo, é utilizar palavras incorrectamente pronunciadas, de forma "abebezada" ou "amimalhada".
    Mas isto o Pipoco sabe, este post é, como a maioria, um exercício de retórica. Ainda assim, não resisti e comentei.

    ResponderEliminar
  7. Está sempre rodeado de "senhoras velhinhas". Ele é na praia, ele é nas esplanadas, ele é nos cafés... tem a certeza que não é o Goucha?! O Goucha com um toque mais salgado.

    Rodeado de "senhoras velhinhas". Ups! Vou ali verificar umas coisas...

    ResponderEliminar
  8. ah, agora foi o avô que tem si a articular. olhe que passa a obviamente errónea ideia, a assustadora possibilidade, de tomar o café num asilo (e o chá? onde será?! oh, pérfida imaginação). não estivesse já comprometido, também procuraria uma velhinha na prospectiva da pensão de sobrevivência. logo eu, passarinho de tão aprazível chilrear...
    o meu padrinho está cada vez mais ininteligível! que será de nós, Palavras? espero que não leve esse seu ufanado Aníbal à cerimónia.
    uma muito boa e longa noite para toda a gente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. onóniminho, como está? Assustado com o nosso OCorvinho, não é verdade? Acho que são efeitos do fim da semana.. (Quem é o Aníbal de que ele tanto fala e de quem tem tão más recordações. Já percebi que não é o nosso PR, esse maravilhoso.) Fico triste por constatar que o meu onónimo é um passarinho. Sempre um imaginei um passarão. Enfim, a vida é assim e a culpa é sempre nossa que não deveriamos criar expectativas. Partilho os meus votos de uma noite maravilhosa para todos. Desta vossa, Palavrinhas.

      Eliminar
    2. este assunto dos inhos está descontrolado. um autêntico rizoma lançado sobre este nosso colectivo através de um elanguescente mediador, disperso na brisa do mar...

      peço a paciência e a sabedoria da minha noiva para desfazer esta ilusão tantas vezes inoculada por companheiras demasiado gentis e agradadas pela extorsão do meu pobre pecúlio. queria eu, narciso, perguntar enquanto ainda vejo a lousa, perguntar às damas se de facto o tamanho interessa, se um ão é decididamente melhor que um inho. enfim, se tenho andado enganado todos estes anos...

      isto para resolver aqui uma disputa com alguma urgência neste serão tão agradavelmente agitado. obrigados....

      Eliminar
    3. Nem paciente nem sábia, coisas da minha tenra idade. E sim, o tamanho importa ou não estivesse eu tão aborrecida por só haver um par daqueles sapatos tão lindos que eu queria para mim e os mesmos serem um 36 quando eu calço um imponente 38!

      Eliminar
    4. compreendo, já menos aflito. ferramenta adequada à tarefa. o excesso também pode ser pernicioso. um pouco como usar um martelo pneumático para fixar um quadro à parede.
      ah, minha Bela Palavras...

      Eliminar
  9. Adoro os seus comentadores. São os melhores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem se dá ao trabalho de comentar é quem faz este blog. É um privilégio que tenho. Por mim, limito-me a ficar aqui caladinho.

      Eliminar
  10. Eu ia explicar mas a mirone já o fez. Sem tirar nem pôr.

    ResponderEliminar