09 setembro 2013

No meu paraíso...

... há um livro novo de Eça a cada três meses, Saramago, Garcia Marquez, Roth e Hemingway escrevem um livro por ano, há pistas vermelhas infinitas com neve acabada de cair e com Mozart, Cohen ou Aznavour nos ouvidos. No meu paraíso escolhe-se primeiro o vinho e depois a comida que combinará com aquele vinho, ninguém tem Facebook nem Nespresso nem Bimby e ninguém começa as frases com "então é assim..." nem diz "tipo" nem "bocadinho". No meu paraíso, as mulheres não pintam as unhas de cores diferentes nem têm pulseiras nos tornozelos nem têm maus dentes e os homens  não usam pulseiras nem camisas de manga curta com gravata, nem têm sapatos mal engraxados. No meu paraíso as pessoas chegam a horas e sabem que o café não precisa de açucar.

26 comentários:

  1. Então é assim, acho o seu paraíso um bocadinho, tipo, impossível.

    ResponderEliminar
  2. Então é assim um paraíso um bocadinho a mandar para, assim, tipo utopia, não é? ... Que enjoo de cinzentisse...

    ( como se fosse possível alguém não saber que o café NÃO precisa de açúcar !)

    ResponderEliminar
  3. Então é assim...tipo...um bocadinho utópico.

    ResponderEliminar
  4. Então é assim. Para tornar esse paraíso tão convencional tipo seca enfadonho, num outro de maior agradabilidade para os meus humildes prazeres, os homens podem ao menos estarem com o cabelo meio despenteado? E posso trocar o Aznavour pela Nana Mouskouri?

    ResponderEliminar
  5. Vivo no seu paraíso e só agora dei conta...
    Fiquei mais feliz, claro.

    ResponderEliminar
  6. Ai um Eça a cada 3 meses! Do que o caro Pipoco se foi lembrar... Agora todos os meus sonhos parecem insignificantes ao pé de esse...
    Enfim.
    Agora até nem me posso queixar: ando a ler Dickens como se não houvesse amanhã. O pior é que, tal como me aconteceu com Eça, a fonte há-de esgotar-se...

    http://quando-me-encontrares.blogspot.pt/2013/07/it-was-best-of-times-it-was-worst-of.html

    ResponderEliminar
  7. Fónix! Que chato de galocha. No meu mundo quando estou fantástica oiço ac/dc e quando preciso de ficar relaxada oiço qualquer cena clássica, tipo... sei lá... Mozart? E tem Radler, aquela bebida que os homens acham nojenta e que os snob chiques ignoram. E o café só existe em gelados e bolos. As mulheres só pintam as unhas de encarnado e nude e os homens andam sempre de jeans e uns polos de bom toque porque é assim que ficam catitas. O Facebook, no meu mundo está prestes a ser banido, só ainda não o foi porque sou eu que mando e preciso imenso dele para manter perto os inimigos e vasculhar a vida de cada um. A comida sou eu que escolho e o vinho tanto se me faz, porque estrago-o sempre com gasosa. Ah... no meu mundo sou feliz. É feliz no seu, caro Pipoco?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo9.9.13

      Dom Pipoco não é feliz (http://pipocomaissalgado.blogspot.pt/2013/04/da-felicidade-e-outras-barbaridades.html).
      AnaB

      Eliminar
    2. Sabe porquê, AnaB? É que para sermos felizes temos de ser também infelizes. Uma coisa sem a outra não existe... É como o Pipoco, percebe? Ele sem o Ruben não existe. Precisa saber o que é mau para poder mostrar o que é bom, e vice versa (no conceito dele, claro está, que isto de bom e mau tem muito que se lhe diga.)

      Eliminar
    3. Claro que sim! Sir Francis Drake era um Real pirata! E aposto que tal como eu( e a Cuca), não sabia o que era Radler!

      Eliminar
    4. Mas sabem o que é Henri Jayer Richebourg Grand Cru, decerto, por isso não precisam saber mais nada! Radler é coisa de mulher com fraco gosto por bebidas, segundo dizem e, obviamente, não é bebida de homem que seja Homem!

      Eliminar
    5. Mas V. Exas. só bebem Bacardi, não é?

      Eliminar
    6. Está bem que " A pirate's life for me" e uma garrafa de rum rimam perfeitamente, mas Bacardi ? Porque não Ron Zacapa?

      Eliminar
    7. Só porque segundo a Euromonitor Internacional (Clube dos Milionários) Bacardi está no top ten das marcas de rum mais vendidas. Óbvio que não quer dizer que seja o melhor, mas como também não sei se V.Exas. pertencem à elite dos que só do melhor bebem, generalizei. Claro que eu continuo a gostar de Radler, apesar de beber essencialmente água. Faz-me bem, a água. Deviam experimentar!
      Aposto que conhece tão bem o Ron Zacapa como eu o Henri Jayer Richebourg Grand Cru. Porém, Bacardi todos conhecem, não é verdade? Nem que seja da prateleira do supermercado (do Corte Inglés, evidentemente).

      Eliminar
    8. O SuperCor tem uma excelente selecção de rum cubano. Eu que pouco bebo, pelo-me por bons mojitos e refrescantes Cuba Libtrs

      ( normalmente com Bacardi 8 anos)

      (piscar de olho)

      Eliminar
  8. Faz você muito bem, Dom Pipoco, em ter um paraíso só para si. Em calhando conseguir aquela proeza dos livros seja solidário e partilhe. Ando tão precisada de um Eça!

    ResponderEliminar
  9. Anónimo9.9.13

    No mundo real, lá para os 8, o mais tardar 9 anos, descobrimos que o Pai natal não existe...

    ResponderEliminar
  10. Anónimo9.9.13

    Paraíso é o sítio onde Roth não escreveu nenhum livro...

    Ana

    ResponderEliminar
  11. parece-me uma boa visão do paraíso :)

    ResponderEliminar
  12. Chegam a horas? (ahahahah, tipo, choro a rir!)

    ResponderEliminar
  13. E já agora, as pessoas também não dizem "um beijinho grande" nem os jornalistas da rádio dizem "kilómetros hora" quando se querem referir a uma velocidade e saltam a palavra "por" que sem ela já não é velocidade nenhuma, e nem dizem "munheres" em vez de "mulheres". Mas sobretudo, nunca mais ninguém exteriorizar a sua agressividade natural quando vai ao volante da sua máquina.
    Ufa, obrigada pela oportunidade.

    ResponderEliminar
  14. No meu ninguém diz " tudo bem?" com sotaque brasileiro.

    ResponderEliminar
  15. Isso seria o meu paraíso também em grande parte... Mas deixava o Garcia Márquez para o teu paraíso, no meu não faz falta.

    ResponderEliminar
  16. acrescentaria:e as pessoas não diriam "então vá" no final de cada frase em firma de despedida

    ResponderEliminar