02 novembro 2012

Ainda Skyfall

O que diferencia este Bond, o que deixa o género feminino em hiperventilação é que este Bond tem sentimentos, duvida das suas capacidades, enfim, é falível. E parece que isso é arrebatador, um homem  assumir das suas fragilidades e o convívio fácil com a sua falibilidade é coisa boa, torna-o um de nós, humano e sensível.

Ora dá-se o caso dea  mim me parecer que este convívio fácil com a normalidade, a consciência que afinal falhamos, todos falham, é uma belíssima desculpa para não nos superarmos, é o assumir que não podemos ser mais que os outros, que é normal não fazermos o que fazíamos, se antes falhávamos por falta de experiência, agora falhamos porque afinal não caminhamos para novos.

Um Bond tem que ser mais que os outros, tem que sobreviver à explosão de dez petroleiros, megulhar no fundo do mar e, regressado à tona, deve preocupar-se apenas em ajeitar o nó da gravata, não tem que pensar que desta vez quase lá ficava, que pode acontecer a qualquer um. A um Bond assim, sensível e pouco crente nas suas capacidades, acaba por lhe tremer a mão na hora de carregar no gatilho e a um homem a quem tremem as mãos na hora de decidir não deve merecer os nossos favores.

Que mundo é este onde os Bond tremem e se interrogam sobre se estão ou não a fazer a coisa certa, que mensagem podemos deixar às gerações seguintes quando Bond precisa de partilhar as suas origens e a fragilidade da sua condição de órfão (caramba, quando Bond se assemelha a Harry Potter alguma coisa não está certa) para justificar os seus medos?

13 comentários:

  1. Anónimo2.11.12

    Na mouche.

    Éme Ponto

    ResponderEliminar
  2. Tenho a solução:
    Tio Pipoco a Bond!
    (fica a proposta)

    ResponderEliminar
  3. Não entendo por que não têm os blogues o botãozinho do Like... Fica o Gosto, um pouco tímido e idiota, perdido na caixa de comentários.

    ResponderEliminar
  4. Ficaste mesmo desiludido com o filme... :|

    ResponderEliminar
  5. O aproximar inevitável da mortalidade afecta todos, mesmos os cínicos playboys double 00 ao serviço de Sua Magestade. Make them shaken but also stirrred....

    ResponderEliminar
  6. Não posso opinar. O Bond não é o meu género. Nem este nem o outro!

    ResponderEliminar
  7. Anónimo2.11.12

    " a mim me parecer"?! Pode parecer-lhe a terceiros? "a consciência que"?! "tem que" em vez de tem de?! Parece-me que tem de dar mais atenção ao que publica. Tem consciência de que é importante não cometer estas falhas?
    Marta

    ResponderEliminar
  8. Ainda não vi o filme. Mas grandíssimo artigo. O Bond tem de ser como o Rambo: podem estar a combater sozinhos contra 24 exércitos e saírem ilesos.

    ResponderEliminar
  9. Pelo que vejo és muito experiente em filmes do Bond!!!
    Donde virá a tua sabedoria??? Já paraste um pouco para pensar?
    Já indagaste se conseguirás manter-te fiel aos teus compromissos com a saga?
    Sim... porque é completamente diferente actuar do que estar confortavelmente sentado a olhar para o desenrolar da acção.

    ResponderEliminar
  10. Anónimo2.11.12

    Já eu apenas suspirei com paisagens. Ai Daniel! Ai Javier! Ai Ralph! Mas pronto, eu sou uma básica...
    sc

    ResponderEliminar
  11. Ainda não fui ver. O tipo parece-me um trolha....

    ResponderEliminar
  12. SKYFALL, o primeiro filme de James Bond que eu gostei. É certo que não vi todos. Nem 1/3 deles. Gostei do Sean C., mas não efectivamente do Bond. Com este, mais humanizado, igualmente com fatos de bom corte, simpatizei.
    Pode ser o 007, Bond, James Bond, mas não deixa de ser um agente secreto e esses nem sempre andam de fato de bom corte e fazem muitas 'maldades'. Sendo Bond, tem sempre mais hipóteses de sobrevivência, nunca morre já se vê, e continua impecável.

    ResponderEliminar
  13. Eu cá gostei, acho que é dos meus favoritos do Bond.

    ResponderEliminar