29 julho 2012

Pipoco Mais Salgado foi a um casamento Rubenpatrickiano e sobreviveu

A coisa percebia-se logo ao início, ele eram elas com piercings no nariz, ele eram eles com o nó da gravata em cima do terceiro botão da camisa desapertada, ele eram as criancinhas com fatos brancos e pulseiras de ouro por cima das mangas, ele eram os homens de patilha larga e fio dourado com crucifixo. A música de entrada da noiva foi uma coisa da Celine Dion, pelo menos eu creio que era Celine Dion, e a noiva entrou enquanto eu pensava no Titanic, que não é coisa boa para se pensar num dia como este, a coisa acabou com o Alegria e eu achei que estava tudo muito bem, música de circo não estava mal pensado, depois serviram-me coisas para beber e a melhor oferta era Martini em copo de plástico, recusei, enquanto pensava nos bons tempos em que o meu cantil com Old Bushmills nunca me deixava ficar mal, depois os homens, todos de igual, com gravatas cor de rosa demasiado curtas, cumprimentavam-se e diziam todos a mesma coisa, "Então - inserir nome do abraçado, que variava entre Adérito, Sertório e Antenor - comequeé?", e o Adérito, Sertório ou Antenor responde sempre que "Tá-se", enquanto as mulheres tentavam equilibrar-se em saltos altos, com aquela linguagem corporal que os homens terão lá para as dez da noite, a avaliar pelos brindes com Long John que vão fazendo, caramba, nem sabia que ainda há Long John no mercado, e ainda nem sequer almoçámos, há homens que jogam às cartas na mesa, enquanto aguardam que se monte a mesa dos presuntos e do camarão, sei que a mesa dos queijos estará vazia e dou graças por isso, a rapariga de voz esganiçada que toca órgão electrónico canta que "o melhor dia para casar é 31 de Julho porque a seguir entra a gosto", é um hit nisto dos casamentos marca Rubenpatrickiana, fico até às três da manhã, não sei bem porquê, talvez seja porque gosto da pinta dos noivos, gente de bem, se será por querer ficar para ver até que ponto a coisa pode ser uma experiência kitsch, reparo que estou sempre atrasado no que respeita a despir peças de roupa, já me tinham avisado ao almoço que eu era o único que mantinha o casaco vestido, avisam-me agora que sou o único a manter a gravata, tento resistir a que a irmã do noivo me tire a gravata, "com este calor, senhores...", ela acaba por ganhar e eu, sem saber como nem porquê, dou por mim sem gravata a dançar o Apita o Comboio enquanto penso que estou aqui, aposto que a seguir estarei a cantar a plenos pulmões "de quem será o pai da criança" quando podia estar em Alvalade na apresentação da equipa a gritar a plenos pulmões que "o Sporting é o nosso grande amor".

15 comentários:

  1. Estive num há umas semanas, que foi exactamente igual... e também me lembro de o meu marido ser o único de casaco e parecia coisa de outro mundo!! Eehheh E as mulheres também se movimentavam nos saltos como se estivessem com os copos! E as gravatas, as gravatas andavam atadas à testa, quais índios!
    É como eu sempre digo: nos casamentos e na ida à praia, é que salta à vista o bom gosto e boas maneiras!!
    Ah e os rituais?!?! Rituais com luzes e espectáculo para tudo, só faltavam os cavalos e anões!!
    Hilariante.

    ResponderEliminar
  2. Se não podes vencê-los...

    ResponderEliminar
  3. Ui!!!!

    E de que cor eram as matriculas das viaturas à porta?

    ResponderEliminar
  4. Obrigada sr.pipoco por me arrancar um sorriso logo de manhã.
    Imperdoável o pequeno pormenor, dos tais sapatos de saltos altos em que as senhoras tentam equilibrar-se, que rapidamente são substituídos por umas alpercatas ou uns quaisquer chinelitos trazidos na bolsa, junto aos tupperwares que entretanto servirão para levar no final do evento, alguns croquetes e fatias de carne assada e bolo de noiva transpirado que pede deseperadamente, tirem-me daqui.

    ResponderEliminar
  5. Madalena29.7.12

    E em que marca de carro se fez transportar?
    E espero que o tenha deixado aparcado em lugar de destaque, senão nem repararam no casaco e na bonita combinação gravata/camisa.
    :)

    ResponderEliminar
  6. Anónimo29.7.12

    ahahah
    maravilhoso!

    M

    ResponderEliminar
  7. Gostas pouco gostas de casamentos Rubenpatrickianos... ;)

    ResponderEliminar
  8. E as senhoras que decidem encarnar a savana e aparecem, qual dona Dolores, com vestidos leopardo acompanhadas dos maridos que trajam um fato preto com camisa preta? Isso Pipoco, é que passa o limite da experiência casamenteira Rubenpatrickiana.

    ResponderEliminar
  9. Pipoco, isto é só um blog não é verdade?

    ResponderEliminar
  10. Escrevi ontem no fb do blog vinda de um casamento: Seriously guys: dont you ever but ever take your blazer off. A suit is a suit right??!? Just sayin...

    Espero que ninguém fique ofendido!

    ResponderEliminar
  11. Falta o bater dos pratos!!

    ResponderEliminar
  12. Era começar a gritar pelo Sporting lá no "copo d'água'!! Também fica sempre bem, um duelo de cânticos futebolísticos num casamento!

    ResponderEliminar
  13. Anónimo31.7.12

    Por acaso a D. Dolores, até ia toda lindona, com o cabelo mais curto e o fato macaco (era as mães e a filha ...)

    ResponderEliminar
  14. Anónimo31.7.12

    Já fui a um casamento em que na porta do salão havia um painel que dizia: PROIBIDO BATER COM OS TALHERES NO PRATOS

    Outro: um convidado foi pedir satisfações a outro convidado porque levava uma prenda na mão e não um cheque.

    Para não ter surpresas não vou a casamentos.

    ResponderEliminar