17 fevereiro 2011

Pipoqueano legado para um processo evolutivo na blogosfera (Tomo 2)

Se imaginarmos o tempo de vida de um blog como uma curva de Gauss, distribuição normal, isso, aquele gráfico que parece um sininho, a tendência será comentarmos os blogs mais visitados, aqueles que estão no topo da curva. Ora esta estratégia é completamente errada, o que devemos fazer é apontar para os blogs de início de curva, os newcomers, os que têm ideias realmente diferentes, os que, mais tarde ou mais cedo estarão no cimo da curva e, nessa altura, lembrar-se-ão dos que os liam quando mais ninguém os lia, criando-se assim um verdadeiro win-win.


Comentar os blogs que estão neste momento no topo da curva pode ser interessante se tivermos um blog de curta duração, como este, sempre com a certeza de que, estando no cimo da curva, o que vai acontecer a seguir é o ocaso.

(uma possibilidade alternativa é comentar os blogs que realmente gostamos)

9 comentários:

  1. Anónimo17.2.11

    Definhando...

    ResponderEliminar
  2. (desde o primiro dia, anónima...)
    (foda-se, agora respondo a anónimas)

    ResponderEliminar
  3. o seu próximo vai ser melhor.

    a outra opção é nem comentarmos...

    ResponderEliminar
  4. Eu vou pela possibilidade alternativa e comentar os blogues que eu gosto :)

    ResponderEliminar
  5. Anónimo17.2.11

    sabe que mais?
    não percebo as pessoas que não compreendem o seu sentido de humor!

    ResponderEliminar
  6. As possibilidades alternativas são sempre as melhores ;)

    ResponderEliminar
  7. anónima benfiquista18.2.11

    Só para avisar que o Pipoco disse um palavrão!!!
    Ah e tal, pois! Eu que sou anónima, a mim nunca respondeu a nada!

    ResponderEliminar
  8. Caro Pipoco,
    Mal lhe pergunte, que variável tem no eixo das ordenadas? Visitas? Comentários? Vontade de escrever uns posts janotas? E porquê uma distribuição simétrica e unimodal?
    De qualquer modo, gostei da ideia. Gostei da adaptação da teoria do ciclo de vida do produto.
    Já agora, tive um professor de estatística que apresentou a Normal como sendo o elefante escondido no chapéu. Nunca mais o esqueci.

    ResponderEliminar