02 agosto 2017

Recados para uma montanha que vai ficar com Pipoco alguns dias em agosto


  • Pipoco não come dessas barritas de fruta concentrada que dão um boost de energia, diz que lhe ficam a trabalhar no estômago. Providencia amoras nas altitudes até mil metros e ele há-de arranjar-se com nozes e amêndoas quando o levares acima dos dois mil metros.
  • Pipoco é obcecado com o peso que leva às costas, sempre foi assim e não está a melhorar com a idade. Por isso Pipoco estará quase sempre em autonomia, sê gentil com os horários dos pontos em que se poderá comprar presunto pata negra e vinho de Bordéus durante o trilho.
  • Pipoco está mesmo a precisar destes dias de paz. Apesar de ter decidido levar um Nokia desses que só fazem e recebem chamadas, providencia que não haja rede em nenhum ponto do percurso.
  • Pipoco não é adepto de bebidas isotónicas e só leva dois litros de água, por isso faz com que surjam pontos de água potável a cada quatro horas de caminho.
  • Faz com que os abrigos de montanha sejam acolhedores e com gente interessante com quem se possa falar um par de horas quando o sol cair. Se não for pedir muito, providencia gente que não ressone nem maluquinhos da escalada que se levantam às quatro da manhã.
  • Faz com que não chova nem faça muito calor. Um tempo de céu encoberto com esporádicas abertas e uma temperatura entre os vinte e os vinte e dois graus Celsius estará muito bem.
  • Trata de que não haja gente muito faladora durante o percurso, que seja só daqueles que dizem "hello", perguntam de onde somos, digam que já estiveram um par de vezes no Algarve e sigam o seu caminho.
  • Elimina do percurso os caminhantes que desatem a falar do Cristiano Ronaldo quando vêem a pequena bandeira portuguesa da mochila.
  • No final dos dias de montanha, que o hotel tenha rigorosamente tudo aquilo que anuncia. Incluindo as massagens e o chuletón de buey.

13 comentários:

  1. nã parece complicado, a aranha que vai ficar com a pirata é muito mais exigente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. deixa lá, Manel. isto é gente que não lê blogs como os nossos.

      Eliminar
    2. Flor, já vi, já vi...

      (está bastante razoável)

      Eliminar
  2. Adorei o texto do Farinha e o seu. O dele precisava de viralizar, sim, a ver se volta o bom senso.

    ResponderEliminar
  3. ...eu pitosga que sou, fico[me] pelos abraços[risos]
    Beijo doce

    ResponderEliminar
  4. Dá muito jeito ter um Pipoco.

    ResponderEliminar
  5. E que Deus lhe providencie companhia quente nas noites frias, não tanta que lhe prejudique a estafada coluna, e que um arcanjo desça dos Céus e lhe oriente a mão sempre que tire retratos.

    Abraço meu caro. É cá dos meus. Em tempo quente procuramos climas frios.

    ResponderEliminar
  6. eu tirava a bandeirinha... é que não se escapa a uma conversinha sobre o CR7 ou umatretaqualquerdefutebol... :(

    ResponderEliminar
  7. Se tiver uma árvore bonita no hotel, com um pássaro a cantar pela manhã, já terá muito mais do que aquilo que muitos querem ter, mas isto será apenas uma opinião de quem utiliza o que sente, com as palavras escritas de forma simples.

    ResponderEliminar
  8. Ou então um abraço, que era a alternativa que a carta à avó apresentava para várias situações. Na volta é só de um bom abraço que o Pipoco precisa. Que o encontre no topo da montanha (se o for encontrando na subida e, já agora, na descida, tanto melhor.

    ResponderEliminar
  9. Anónimo2.8.17

    Já se tornou viral. Até a minha filha que está de esperanças já me disse que tenho que imprimir a carta e colar no frigorífico. Logo eu que não sei o que é quinoa :)

    ResponderEliminar
  10. Mas o seu recomendatório é muito melhor que o do Paulo Farinha. (Que teria graça se não fosse tão exagerado)

    ResponderEliminar
  11. Meu caro, se puder peça à montanha para baixar uns 4/5 graus que, com a caminhada e a altitude 17/18 graus serão bem simpáticos para o ajudar nas deambulações e rentabilizar essa água. Não queremos que lhe surja pela frente um indivíduo estilo Kilian Jornet da Brandoa a impingir-lhe sais e electrólitos essenciais ao trilho em alta montanha. Se assim for, sorria, acene e procure uma boa sopa num refúgio próximo. Essa gente não consegue estar parada muito tempo e certamente irá tirar mais satisfação do convívio com uma boa sopa.

    ResponderEliminar