05 junho 2017

Da Feira do Livro

E lá estava ela, a autora do livro, com um olhar muito triste, sem ninguém que lhe estendesse um livro para assinar, ela havia de perguntar, sorrindo, qual é o seu nome? e havia de escrever "para fulano, com um abraço" e assinaria, aos outros autores ainda havia quem lhes fizesse companhia, talvez um amigo que por ali andasse, talvez um familiar que fosse dar apoio só para o autor não ficar triste por ninguém lhe estender um livro para autografar, mas ela nem isso, talvez viesse de longe e Lisboa ficasse fora de mão aos amigos e aos de família, e foi então que eu, à segunda vez que por ali passava, fiz o que tinha que ser feito, pedi o livro, paguei um valor demasiado alto para o livro que era, estendi-lhe o livro para a autora assinar, ela perguntou-me o nome, eu pedi-lhe que escrevesse "para um amigo dos blogs", ela não fez perguntas, eu sorri-lhe.

Ainda tenho o livro da Pipoca Mais Doce.

8 comentários:

  1. Anónimo5.6.17

    Brincalhão. A sujeita vende até as pipocas mais secas.

    ResponderEliminar
  2. ...o começo de uma bela amizade. Que lindo!

    ResponderEliminar
  3. Anónimo5.6.17

    com o jeito para o negócio que essa pipoca saltitante tem. até com o blog ganha para o milho, estou mesmo a imaginar a cena. publicidade entre pipocas, é o que é...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo5.6.17

    Que conteúdo de post tão, mas tão, mauzinho. Ir a Fátima ou a Santiago de Compostela não vos faz nadinha, pois não?

    ResponderEliminar
  5. Cláudia Filipa5.6.17

    Sim, é um brincalhão o Pipoco, mas não duvido, se as coisas se tivessem passado assim, passar-se-iam exactamente desta maneira. Tenho a certeza de que se me tivesse dado para escrever um livro, mas sem ter tido, antes, a capacidade da Pipoca Mais Doce, todo o trabalho e as dores que implicam ter conseguido transformar-me em marca, e toda triste estivesse na Feira do Livro sem ninguém a querer aquilo, nem sequer ninguém conhecido, por não ter tido coragem de contar aquela façanha a ninguém, se o Pipoco lá estivesse, acredito mesmo, haveria de reparar, haveria de pedir o livro e diria por exemplo, que anda sempre em busca de novos autores e eu haveria de escrever "um abraço ao meu primeiro e único leitor", é que ainda me lembro de uma comentadora que põe vírgulas onde lhe apetece e o mesmo faz ao velho novo acordo ortográfico, que é, muitas vezes, bem desastrada com as palavras, que nem sequer tem blog e bem se lembra de quem a acolheu sempre, na versão mais bonita do significado de acolher, e que a incentivou sempre a não parar de dizer coisas a escrever, e é por essas e outras, estes pequenos grandes pormenores, que agora diz ter a certeza de que se as coisas se tivessem passado assim, passar-se-iam exactamente desta maneira.

    ResponderEliminar
  6. Poças, meu caro, hoje o xarope levou uma pitada de malícia?

    ResponderEliminar
  7. Se lhe serve de consolo, isto não anda assim tão longe da verdade.
    Há uns três, quatro anos (mais? não sei) dei com a dita cuja na feira do livro, precisamente de braços cruzados, sozinha, à espera que alguém aparecesse para um autógrafo.
    A diferença é que não me pareceu triste. Pareceu-me só aziada.

    ResponderEliminar