28 junho 2017

A sul (IV)

O melhor destes dias de sul é a sequência de acontecimentos, abrir as portas da praia e ainda não são sete da manhã, correr na linha de água, comprar os jornais, intercalar as leituras dos livros que escolhi por companhia com mergulhos de mar, almoçar com amigos que chegam de outros suis e que regressam aos seus poisos no final do dia, jantar fora deste sul com amigos que não são os do almoço, parar no Guarita Terrace para um último gin tónico antes do regresso a casa e amanhã será igual.

Costumo fartar-me disto por volta do final do quarto dia.

6 comentários:

  1. Anónimo28.6.17

    Então, está na hora de regressar à base, Tio Pipoco.Realmente essa rotina é mesmo uma pasmaceira. nem sei como suporta esse enfadonho sul, durante quatro dias.

    sou a Katryna, lembra-se de mim?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo28.6.17

      ...essa toda. Conhece outra?...

      Eliminar
  2. :D adoro a conclusão

    ResponderEliminar
  3. Aí está. Sempre suspeitei que o meu caro seria turista profissional antes da reforma (pensei estar a projectar), grande oligarca aqui do pequeno burgo, ou o Blofeld do 007.

    Sendo extremamente raro, penso ter acertado nas três suposições.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo3.7.17

    E o que verdadeiramente interessa é... Quais são os livrinhos que lhe fazem companhia?

    ResponderEliminar