03 abril 2017

Post número dois do período cinzento

Por um intrincado processo de coisas variadas dou por mim a olhar para retratos famosos, tirados no preciso momento em que as coisas podiam ser assim ou de outra maneira qualquer e que, tendo sido assim, a vida do protagonista do retrato muda dramaticamente, Kennedy sorrindo e acenando trinta segundos antes do disparo, Luther King antes de subir ao púlpito onde viria a dizer que tem um sonho, Ricardo tirando as luvas antes do penalty, eu sorrindo no cimo da pista que me havia de levar o primeiro menisco, fico ali a pensar que, no momento de retrato o protagonista contava com um determinado rumo e afinal não, as coisas foram de maneira completamente diferente e afinal de contas não temos controlo nenhum, mais vale ficar em sossego e deixar que as coisas se passem como têm que se passar, afinal talvez a vida se resolva sozinha e eu é que sempre estive errado.

14 comentários:

  1. Nunca me esquecerei desse jogo, e terei sempre o Ricardo no coração, apesar de tudo o que se disse depois. (Ou a típica ingratidão lusa...)
    Fez sinal ao Beckham que ele ia falhar, e ele falhou; tirou as luvas e defendeu mais um; marcou o golo da vitória.
    Foi lindo.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo3.4.17

    o problema tio, é que a vida não se resolve sozinha, nós e que temos de ter as rédeas (ou achar que temos, ah ah).
    Agora quando estamos em baixo, dá jeito pensar: "quando te sentires pedido fecha os olhos e sorri, não tenhas medo da vida que a vida vive por si"...mas não é sempre...
    vw

    ResponderEliminar
  3. Não se resolve sozinha mas complica-se sozinha.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo3.4.17

    evite-se o retrato, portanto.

    ResponderEliminar
  5. é fazer o seu melhor e deixar que deus ou o universo cuidem do resto. É, acima de tudo, não se atemorizar com o que não controla, nem ter ataques de ansiedade, de pânico, de fúria ou de frustração. É aceitar que o ego não sabe tudo e ver o que está por detrás do desaire, e que vai além do ego, a tal coisa do propósito maior. é não deixar no fundo que o ego lhe tire o prazer e a beleza de se surpreender . Talvez, eventualmente, não querer sempre o protagonismo. deixando-se surpreender pela pureza da humildade. digo eu, que não percebo nada disso de viver.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lady Kina3.4.17

      e fazer aqueles cursos de coiso, que o ego não dita mas cobra.

      Eliminar
    2. Que cursos são esses? não me diga que é do meu que fala... Se for o caso, está explicada a azia.

      Eliminar
  6. Cláudia Filipa3.4.17

    Pegando no seu próprio exemplo, quem o lê já sabe que adora montanhas, neve, pistas, então, preferia ter ficado a olhar para tudo isso em retratos, nunca ter iniciado o percurso de um dos seus sonhos possíveis e nunca ter estado no cimo de uma pista a sorrir só para evitar o momento em que ficou sem o menisco? E antes dessa, no cimo de quantas pistas já tinha sorrido sem que nada tivesse corrido mal? Não valeu a pena?
    Às vezes, acho que é mesmo preciso ficar em sossego, o sossego também faz parte da vida, até para pensar melhor, mas, não me parece que a vida consiga resolver tudo sozinha sem a nossa colaboração.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo3.4.17

    Ter alguém doente. Sentimo-nos impotentes, sem sabermos o que fazer para resolver, nós os que resolvemos sempre tudo. O meu período cinzento passou, passa sempre. O seu também vai passar.

    ResponderEliminar
  8. Grandes verdades aqui foram espelhadas, D.Pipoco. Estou a gostar deste seu novo olhar sobre a vida, Contudo, não podemos deixar de viver e viver em pleno, mesmo sabendo que o passo seguinte pode ser completamente o oposto do que havíamos cuidadosamente delineado.

    Andou nas limpezas da Primavera? Que airoso está o seu cantinho...

    ResponderEliminar
  9. melhoras ao seu menisco...

    ResponderEliminar
  10. Mas afinal a que se deve este período cinzento? (não é ao Sporting, ou é?...)

    ResponderEliminar
  11. Alegre-se meu caro. Jesus é bem capaz de conseguir que o SLB perca outro campeonato. Será a terceira vez à conta dele.

    No resto é dar o peito às balas, sorriso fleumático na face.
    Afinal, como é usual dizer-se, não vamos sair disto vivos.
    À falta de subtileza que triunfe o glorioso excesso. Água mole em pedra dura... Era uma vez três pastorinhos... As gaivotas pousam sempre em terra... É necessário carregar o cérebro antes de disparar pela boca... Vai tudo correr pelo melhor, palavra de Presidente.

    ...maldita insónia.

    Isto tudo para disfarçar uma limpeza ali nos 'bons blogs', alijar carga, fazer a barba ao blog em três passos?
    Está na hora de rever A Vida de Brian.

    ResponderEliminar
  12. Anónimo4.4.17

    Boa noite, tio. O controlo é uma ilusão. Não se perde o controlo, o que se perde são as ilusões.

    ResponderEliminar