23 janeiro 2017

Hygge

O Hygge é a coisa do momento, as minhas fontes dizem-me que é uma daqueles conceitos não tem tradução, nesse particular é parecido com a saudade, mas houve quem investigasse porque raio é que os dinamarqueses, com aquelas poucas horas de sol, com aquela cerveja Carlsberg e com aquele frio de rachar, ainda assim eram um povo feliz, ora acontece que afinal é porque se dedicam a apreciar as pequenas coisas da vida, ele é o barulho da chuva, ele é andar descalço na areia, ele é sentir o ar frio na cara, ele é ficar feliz por sobreviver a mais um dia, enfim, coisa que um qualquer sem-abrigo de Lisboa tem acesso fácil, só que não sabe que a coisa se chama Hygge porque nunca lhe ocorreu ler o tal livro, estou bem capaz de fazer um post sobre isso do Hygge, em modo tuga, é isso ou ler mais meia página de Ulysses, sim abandonei a tradução e voltei ao original, as nossas bestas negras têm muitas maneiras de ser abordadas.

8 comentários:

  1. Cláudia Filipa23.1.17

    (faça lá esse post do Hygge em modo tuga, palpita-me que fazer o bem a quem o lê deve ser extremamente Hygge, tem toda uma vida para essa meia página e isso do Hygge como diz "é a coisa do momento" é escrever agora enquanto ainda está quente)

    ResponderEliminar
  2. Agora fez-me soltar uma gargalhada. Muito eu gosto quando escreve assim, a fingir que não é nada consigo, que não é de cá, como se diz lá na minha terra: "veio ver a bola e ficou por cá", ou seja, a fazer-se de desentendido...
    Se esse tal sentimento Hygge é assim tão próprio do povo dinamarquês, se eles são felizes com as pequenas coisas da vida, vivem cheinhos de aconchego, conforto e bem-estar, não sei porque razão fazem parte dos países onde o índice de suicídios é mais elevado.
    Pois, morre-se de tristeza e de saudade, se calhar, de hygge também.

    Faça lá o post tuga a falar do huga...Vou adorar ler!

    ( o «Ulysses» pode esperar )

    ResponderEliminar
  3. Na simplicidade está sempre o melhor.

    ResponderEliminar
  4. Lady Kina23.1.17

    "Seguindo o pensamento de Meik Wiking, bastam os dedos de uma mão para elencar as melhores maneiras de ser hygge." - Compreendo e concordo plenamente (enough tuga for u?).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A única relação que vejo entre isso do hygge e os dedos, é a potencialidade do uso do dedo do meio, especialmente pelos tais sem abrigo, para expressar a metafísica opinião sobre o próprio do isso do hygge.

      Eliminar
  5. há alguma palavra que expresse com simplicidade a sensação esquizo-compulsiva de necessidade de pegar numa caçadeira, uma farta cartucheira, um boné de safari, entrar nas redações dos pasquins cá do burgo e fazer um arraial?
    é que "serviço público" são a porra de duas palavras...

    ResponderEliminar
  6. Adoro as pequenas coisas da vida. Mas só quando já tenho todas as grandes!

    ResponderEliminar
  7. Gosto muito desta ironia sem medos :D

    ResponderEliminar