18 dezembro 2016

Post encomendado número 1

O início de "A vida de Brian", que é coisa para figurar ao nível dos melhores inícios de filmes, melhor que o início do "África minha", pior que o início do "Rei Leão", evidencia a falibilidade dos Reis Magos no que concerne a certezas sobre os meninos que devem receber prendas, foi por um bocadinho assim que Brian não se viu no lugar do Salvador, sabe-se lá o que faria, fomos salvos de uma espécie de Trump a mandar nos destinos do mundo, para além de se ter visto como o feliz possuidor de uma taça de incenso, um frasquinho de mirra e, lá está, um lingote de ouro, e o menino certo, o Messias, por pouco não se via desprovido do que é seu, sabe-se lá o que seria da redacção do Evangelho segundo Mateus se Belchior não tivesse dado pelo equívoco a tempo, a mensagem é que não é lá por se nascer em mau berço que não nos podem suceder coisas de valor, nem sempre somos nós e as nossas circunstâncias, basta que sejamos bons meninos e a vida se encarrega de nos levar ao colo, é ser humildes e saber curar desvalidos, não ceder às Marias Madalenas desta vida, ajudar os fariseus, que são má gente mas também sofrem como nós, em verdade vos digo que a vida não sorri apenas aos que encontram camas fofinhas em boas estalagens da Judeia, com leite de cabra quentinho e Aero-OM para as cólicas dos primeiros dias, não, em se pressentindo que ali está quem abrirá os mares, em se antevendo que temos diante de nós quem transformará água em vinho, logo surge o investidor que não se intimida com o período de retorno da start-up, é ver a UBER, que ainda não fez sorrir o accionista mas não há quem não lhe oferte o novo ouro, incenso e mirra, maneiras que é isto, tomai nota e escrevei na pedra esta lição de vida, esta boa-nova de que, lá por termos mau berço, não teremos a nossa dose de ouro incenso e mirra, é olhar para o nosso Cristiano e aquilatar.

19 comentários:

  1. Em boa hora vos digo:
    Pessoas dos blogues vindos das mais longínquas paragens, soberbos e humildes, ricos e pobres, sábios e ignorantes: Aqui está a parábola segundo São PMS, a prova provada de que para tudo nesta vida, é necessário haver motivação, carinho e muita, muita dedicação e boa vontade.
    Aprendei a ser bons meninos... O ouro, o incenso e mirra, jorrarão em suas vidas bafejando-os de tudo que há de melhor no mundo: Ter um PMS que sabe honrar a palavra dada.

    Venha a meus braços ou deixe-me ir aos seus...Enlacemo-nos num forte amplexo de verdadeira fraternidade.

    Bem-Haja, Senhor Don Pipoco!

    PS- Quando a comoção me passar virei reler e, se preciso for, acrescentar algo que julgue digno de sua mercê.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou cá por isto, Maria Antonieta. Pela fraternidade, por sermos todos amigos...

      Eliminar
  2. Lady Kina18.12.16

    Pipoco, isso foi o episódio piloto do Shark Tank, não foi? Qual das 3 propostas aceitou o Menino? Ou foram os pais a decidir?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A proposta fácil seria o ouro, representaria a injecção de capital, que tanto pode ser consumida na recuperação da dívida vencida a fornecedores como em CAPEX. Mas o incenso significa a fé, a crença num projecto, tanto pode ser um bem não tangível como goodwill para a marca. O Salvador escolheria incenso, estou certo.

      Eliminar
  3. Escavações recentes corroboram que o Y Combinator estava activo na Judeia há um par de décadas a mais que dois mil anos (Y, claro, de Yahweh). O crowdfunding só surgiria mais tarde, especializando-se nas áreas do peixe, do pão e do vinho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Xilre, e que dizer da nomeação do novo CEO pelo seu antecessor?

      Eliminar
    2. Só encontro paralelo na Enron, meu caro PMS: o beneplácito gritante do board (pareciam umas pombas, os directors, para dizer a verdade) perante tal nepotismo...

      Eliminar
  4. infiro que não se recorda do início da interpretação de Fincher do The girl with the dragon tattoo, que também teve o mérito de nunca mais me deixar ouvir o sail away sem sentir um calafrio na espinha, vulgo coluna vertebral.

    a narrativa ao estilo Forrest Gump só peca naquele tardio e desnecessário "nosso" cr7. contrasta com a lúcida sobriedade de Nasce selvagem dos Delfins.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seria uma boa análise, caro Onónimo, não fosse invocar um início que está ao nível de "Indiana Jones e o Templo Perdido".

      (mas isso sou eu que estou incomodado, acabamos de perder com a antiga equipa do Peseiro)

      Eliminar
  5. Tão querido... confesso que "dois ao nível de" seguidos quase me demoveram, mas a partir ali dos fariseus que são má gente voltou a convencer-me. Bem haja e um santo Natal para si, caríssimo.
    PS: outro dia vi um vídeo sobre a diferença entre a cabeça de um homem e de uma mulher e lembrei-me de si e da sua nota num comentário nesta nobre casa: estávamos a falar de ??, depois de todo um ensaio meu sobre sei lá o quê que agora não me lembro, em que associava umas coisas às outras, sem parar. Não sabia eu que o cérebro de um homem é constituído por caixas, todas separadas, e não há cá misturas de assuntos nem associações livres :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isa, já retirei o momento cacofónico, são as vicissitudes do directo.

      (acabou de me vestir de cor de rosa...)

      Eliminar
  6. Não li o post na totalidade porque parei mal li "a Vida de Brian". O que me traz aqui é tão somente partilhar a ideia de que o mundo não teria sido um mau lugar se não se tivesse dado pelo equívoco. A ideia da redenção se atingir por via do otimismo (always look at the bright side of life) ao invés do sofrimento (sofreu e foi crucificado para redenção dos nossos pecados) agrada-me sobremaneira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mirone, não li o comentário na totalidade porque parei mal li "Não". Mas sempre lhe quero dizer que o Old Bushmills de sessenta anos, garrafa magnum, está a preço que se pode pagar nas Bodegas Hermanos Nuñez, na Ortega y Gasset.

      Eliminar
  7. Quase nunca se lembram dos simples camelos, se não fossem eles a história ou este post nem existia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão, caro Poeta. A própria vaca foi de importância extrema, que Dezembro na Galileia sempre foi frescote.

      Eliminar
    2. Muita importância.

      Eliminar
  8. Admito que possa ser do vinho, mas não percebi bem. Afinal é para sermos bonzinhos ou não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mauzinhos cara Cuca! Parece que somos todos ateus, os mais odiados por qualquer religião. Só não nos dão a atenção do gume da cimitarra porque também não temos pátria.

      Eliminar
  9. E os 3 senhores chegaram lá com treino de geocaching, andaram que se desunharam para receberem uma pedra, lá para Belém não são grandes anfitriões, pois não?

    ResponderEliminar