13 outubro 2016

Post do Prémio Nobel da Literatural daqui a dez anos

Dylan recebeu-o mas Brel e Bowie não. Piaf não recebeu e isso foi a coisa certa mas Roberto Carlos recebeu-o e isso foi a coisa errada. Dos últimos dez, só Cohen e Aznavour se aproveitam.

Resumindo, este ano talvez seja Bob Marley. Ou Lloyd Cole.

(Jorge Palma? Não brinquem com coisas sérias...)

35 comentários:

  1. O Cohen está bem!
    Para o ano vai ganhar um autor de banda desenhada.

    ResponderEliminar
  2. Tio, The times they are a-changin'...

    ResponderEliminar
  3. Cláudia Filipa13.10.16

    Mas, se à arte de criar e compor textos, juntarmos a arte de criar emoções, devo dizer-lhe que não achei errado o momento em que ouvi anunciar o nome, Roberto Carlos, não há ninguém no mundo das artes que me tenha posto a chorar tão rápida e copiosamente como o Roberto Carlos a cantar as baleias, e isto é verdade, era eu uma criança a primeira vez que ouvi e o trabalho que tiveram a tentar convencer-me que, no fim, ia ficar tudo bem para as baleias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Cláudia...
      Isso é que não!!!

      Eliminar
    2. Lady Kina14.10.16

      ahahahahahahahahahahahahahah


      pá, andais a mangar ca tropa masé! tudo a enganar a mouca!


      ahahahahahahahahahahahah

      Eliminar
    3. Cláudia Filipa14.10.16

      Cuca, era uma criança, estou perdoada?

      Eliminar
  4. Cláudia Filipa13.10.16

    (Pipoco, Jorge Palma, para mim é coisa séria, também por adorar Jorge Palma e quase toda a gente gosta de Jorge Palma, mas, um dia destes, se não tiver nada melhor para fazer e não se importar de satisfazer este meu pedido, gostava de ler a sua opinião sobre Lobo Antunes enquanto escritor de livros, diga-me o que o encanta na escrita de Lobo Antunes, é que, Lobo Antunes, também é coisa séria no que toca à quantidade de gente que me diz e que leio dizer que gosta do Lobo Antunes nas entrevistas que dá, que gosta da sua vertente de textos pequenos, mas que não consegue ler um livro dele, desistem nas primeiras páginas.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lady Kina14.10.16

      Gargalhada quando li o entre parênteses :D

      (Cláudia Filipa, já ali vou responder-lhe a um comentário em outro post que só agora li. para já só adianto que conheço muita gente que acha o Jorge Palma espantosamente ridículo tão ao mais do que eu, portanto, não tem nada a ver com querer ser diferente ou pensar ser esta percepção condizente com uma postura, como disse?, "contestatária". mas já lá vou. também já consegui terminar vários livros do Lobo Antunes, embora ainda não tenha sido capaz de realizar tarefa idêntica com Saramago, facto que muito me envergonha enquanto "esquerdalha"...)

      Eliminar
    2. Cláudia, fica aqui a minha sugestão a quem
      Nunca leu Lobo Antunes ou Começou ler e desistiu, comece outra vez, agora com as Cartas de Guerra. Vão conhecer melhor um escritor fantástico e com um sentido de humor muito próprio de refinado. Depois de "ver" como funciona e pensa, é impossível não costar de todos os outros livros.

      Eliminar
    3. Cláudia Filipa14.10.16

      Lady Kina, eu gosto de Jorge Palma que tem letras que acho mesmo qualquer coisa de jeito e isso de "espantosamente ridículo" em relação ao Jorge Palma, considero uma blasfémia.
      Agora vou dizer-lhe o que verdadeiramente me encanita neste prémio Nobel da literatura. Dylan é-me indiferente e claro que isto é irrelevante, o que já não me parece irrelevante é a diferença entre um letrista e um poeta quando está em causa um prémio de literatura, digo eu que não percebo nada disto, parece-me que, um letrista põe as letras ao serviço da música, ou seja, a personagem principal é a música, um poeta pode ser considerado cantável e tantos já lhes cantaram poemas, mas um poeta certamente não terá como objetivo o potencial musicável/cantável do que escreve, o encaixe das palavras na música. Não que um letrista não seja também um escritor, afinal, é a própria definição de literatura que permite esta interpretação extensiva, mas, lá está, mesmo a chamar-lhe literatura é literatura indissociada da música e foi esse conjunto, penso eu claro, que fez Bob Dylan ser Bob Dylan, ora se o que está em causa é o Nobel da literatura, mas que raio, não havia ninguém, neste momento, que não dividisse o protagonismo da literatura com a música que o merecesse? Acha, sinceramente, que foi mesmo só a literatura a estar aqui em causa? A mim não me parece.

      Olá Mirone, obrigada pela tua sugestão, ainda não li as Cartas de Guerra (só digo coisas sobre o Lobo Antunes se o Pipoco fizer o post (piscadela de olho))

      Eliminar
    4. Conte com o post, Cláudia Filipa...

      (vou ter que ler Lobo Antunes no fim de semana, está visto...)

      Eliminar
    5. Cláudia Filipa14.10.16

      Quer ver, quer ver o revirar de olhos das pessoas, é por eu vir dizer pelanãoseiquantagésimavez que gosto muito de si.

      (sortudo, pelo menos tem o fim de semana, e graça, também tem graça...)

      Eliminar
    6. Lady Kina14.10.16

      Cláudia, tenho esta impressão: as decisões sobre a atribuição de prémios em concursos a este nível, e não só a este, têm a ver com muitos factores que ultrapassam e desvirtuam por ventura, até, aquilo que o concurso apresenta por objectivo. Sobre isto somos capazes de estar de acordo, aliás, remete-nos para aquela outra nossa anterior conversa sobre o quanto me estou aspergindo para Óscares e assim. Também não costumo comentar prémios nobel, por vários motivos, de entre os quais destaco a tal tendência para o borrifo. Só ousei indagar a indignação que se generalizou em relação ao Bob, e perguntava se as pessoas estavam arreliadas por acharem existir poetas mais merecedores ou se, independentemente do seu talento, estavam antes chocadas por o Bob "ser" um cantor, um músico, "letrista" como lhe chama, e não "um escritor", não um poeta (com recurso a argumentos bastante enviesados sobre, por exemplo, consumos mais ou menos abusivos que o autor terá feito de certas e determinadas substâncias. Aliás, o mundo está careca de saber que literatura e drogas são assim como os antípodas..., enfim). Ora aqui somos capazes de não chegar a um consenso, talvez faça sim uma interpretação inclusiva e genérica da literatura. O assunto é inesgotável, naturalmente, interessantíssimo, como todos os outros aqui em redor. Afinal estamos a tentar referir-nos a conceitos de extrema complexidade, mas sou uma pessoa preguiçosa. Dei para alguns peditórios e olhe, no final, era tudo mentira...

      Quanto ao Jorge Palma... eu cá acho que dava um mote inesgotável para criar um blogue daqueles humorísticos, como se diz, sarcásticos e irónicos...

      (ainda anda para aí um comentário da Cláudia a que queria responder e ainda não deu, apre. bom fim-de-semana, se não for antes)

      Eliminar
  5. Cláudia Filipa13.10.16

    (ainda cá não está o outro comentário mas esqueci-me de acrescentar: o que o encanta ou o que não o encanta)

    ResponderEliminar
  6. Como diz a filha de uma amiga: as pessoas excitam se imenso. Para alem de palma, 9ouvi gente a misturar dylan com sergio godinho e pedro abrunhosa, mais ou menos como vexa. Fez aqui mencionando roberto carlos, quanta heresia...

    ResponderEliminar
  7. onónimo14.10.16

    Gerações inteiras de escritores negligenciados, das páginas de obituários dos jornais, passando pela criatividade das secções de astrologia, a atitude free form fighting dos telejornais, o conforto que JRS proporciona nas frias noites de inverno, as letras do Zé Cid, as pessoas que escrevem textos para as pessoas que entregam discursos aos políticos, que tanto nos animam, enfim, o jovem revoltado que, ainda vesgo da noitada, escreve frases revolucionárias pela cidade sem distinguir bem paredes, twitter, portas e janelas das fachadas até passar pela esquadra da PSP, o senhor engenheiro que escreve no livro de obra que o tijolo é todo para tirar c......, Sei Lá! abriu-se um novo mundo de possibilidades, no qual um Wallace, um Pynchon e um DeLillo talvez tenham hipóteses contra um Kadare e um Murakami numa mesa de snooker.
    Poças, está tudo perdido, e o ó até aprecia #The times they are a-changin'...

    ResponderEliminar
  8. Ora, ora, caro colega... Haverá letristas tão bons e até, quiçá, melhores que Dylan, pois claro que sim e nenhuma eleição está livre de contestação. Mas nenhum deles está acima mencionado. Isto assim é só desconversar... Um poeta bom é bom. Cantarem-se-lhe os poemas só devia servir para valorizar o seu trabalho, nunca para o inverso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo14.10.16

      Os poemas são bons, muito bons mesmo, porque os cantam. Abstraia-se da música e leia-os. Depois venha cá contar se aquilo é material para Nobel.

      Eliminar
    2. Para começar não concebo essa possibilidade de um "poema ser bom, muito bom mesmo" só porque é cantado, que se for "lido" deixa de prestar. Um poema ou é bom ou não é bom. E o Dylan é um bom poeta. Um poeta que canta.

      Depois, terá de convir que isso de "material para Nobel" é uma avaliação completamente subjectiva. Às tantas seria mais sensato assumir que os da Academia estudaram a fundo a obra de Dylan e que não tomaram esta decisão de ânimo leve porque gostam de bater na coxa ao ritmo do Mr Tambourine Man.

      Mas no fundo a mim só me custa que a maior parte da malta que anda por aí a bradar aos céus esta decisão não conheça uma única letra de Dylan e que o homem seja julgado porque é americano, famoso e, ainda por cima, canta os poemas que escreve. Se os mesmo poemas pertencessem a um qualquer poeta japonês mudo estava tudo na paz do Senhor...

      Eliminar
    3. NM, não costuma ter comentários tão pouco sustentados...

      (vou escrever um post só para si)

      Eliminar
    4. (Oh, glória!)

      Eliminar
    5. Nê, não quero estragar este teu momento de glória, mas concordo com o anónimo. Tu sabes que eu gosto e Nob Dylan, gosto mesmo muito, inclusivamente até partilhei no meu blog algumas músicas dele que durante uns tempos andaram a tocar em loop no meu carro, mas digo-te com toda a sinceridade, a obra de Dylan, na minha modesta opinião de quem de música percebe tanto como de literatura, ou seja, apenas na ótica do utilizador, vale como binómio letra/melodia. Faz lá o exercício que o anónimo te propôs... O homem tem milhares de poemas, não posso dizer que os conheço todos, mas já ouvi, seguramente, todos os seus álbuns, mas em consciência não encontro ali material para Nobel da literatura.

      Eliminar
    6. Ahahahahahahahahahah "estragar este teu momento de glória"... Caraças, Mi, não te perdoo!!
      Pronto, é a tua opinião. Que vale o que vale. Tal como a minha (que nem a tenho, limito-me a não discordar a priori). Tal como, até, a dos da Academia. Agora, falar na obra literária do Dylan e meter ao barulho Bob Marley, Roberto Carlos, Jorge Palma ou Cristiano Ronaldo... Pá... É desconversar!

      Eliminar
    7. Anónimo14.10.16

      Quando a própria Secretária da Academia sugere um álbum do laureado não há muito mais a dizer.

      Eliminar
    8. onónimo14.10.16

      ... não...

      já conhecia diversas só de ouvido

      segui a sugestão da NM e memorizei agora mesmo a letra The times are a-changin', até cantarolei duas vezes (um dos gatos ficou a olhar com um ar estranho)

      e, não tendo memorizado qualquer livro de Saramago, só por exemplo, continua a parecer que não. embora reconheça que Saramago cantado não vá tão bem. talvez a Banda do Casaco...

      Eliminar
    9. Oi? Como disse? Seguiu a sugestão da NM e memorizou uma letra?! Ahahahahahahahahahah eu sugeri que memorizassem uma letra?!

      (estão mortinhos por um blogo-arraial, não é? Eu até compreendo, que só o criador sabe o quanto gosto de um e hoje até é sexta e tal. Mas lamento estar aqui a pôr entraves, mas a existir festa não vai ser à custa de porem palavras na minha boca...)

      Eliminar
    10. Provavelmente anónimo (desculpe não o tinha visto), a tal da secretária não sugeriu o álbum para se atentar nos acordes, mas sim nos poemas... Digo eu, que hoje estou com notórias dificuldades de comunicação.

      Eliminar
    11. onónimo14.10.16

      :DDDDD

      Tem razão cara NM.

      (provocação infinitesimal, nada mais. tenho em tanta consideração isto do nobel quanto a onu ou a selecção portuguesa de futebol)

      Eliminar
    12. Ah, bolas!... Que susto!

      Eliminar
  9. Pipocante Irrelevante Delirante14.10.16

    Um admirável mundo novo. Pior ou melhor... apenas diferente.
    Depois disto

    http://blog.oxforddictionaries.com/2015/11/word-of-the-year-2015-emoji/

    ainda se surpreendem?

    ResponderEliminar
  10. Uma coisa é certa: Concordem ou não, o Prémio está atribuído e - como bem lá diz o povo: "Guardado está o bocado para quem o há-de comer".
    Com tanto alarido chego à conclusão que também saiu a ganhar quem andava no chove e não molha sem saber o que publicar e agora caiu-lhe, de bandeja, um manancial que até dá gosto ver tanto comentário, ler tanta opinião, uns que sim outros que não.
    Tenho por hábito dar apenas uma só vez para o mesmo peditório e para este já dei. Isto, agora, é somente um aparte, tipo: Ai, o povo não tem pão? Olhem... comam brioches.

    Maria

    ( Peço desculpa por mais este aparte, mas é só para dizer que dos escritos sobre o winner Bob Dylan, o que mais me encheu a alma, foi isto: http://maepreocupada.blogspot.pt/2016/10/bob-dylan-e-um-beijo.html )

    ResponderEliminar
  11. Anónimo14.10.16

    É só para avisar que os Nobel não são dados a mortos, veja lá isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se mascare de Anónimo, Tio Pipoco. É assim que a sua caixa de comentários fica a abarrotar.
      Au revoir

      Maria

      Eliminar
    2. onónimo16.10.16

      esse relambório todo só para afirmar que deveríamos estar aqui a escrever coisas de relevo sobre a Síria? ou também já deu para esse 'peditório'? isto é a blogo minha cara, não é um telejornal com carácter.

      Eliminar