03 maio 2016

Dizei-me cá

Se não pendesse sobre a minha pessoa esta pressão tremenda de me obrigar a escrever a título gracioso um bom post por dia, se, de cada vez que aqui não escrevo, não tivesse defronte de mim a imagem do quadro do menino da lágrima e o menino é o leitor que, aqui chegado, se depara com o requentado post de ontem, se não me preocupasse em escancarar posts mesmo bons para que o brilho dos vossos comentários refulja, igualzinho ao que fez ontem o guarda-redes do Braga ao jogador não sei quê do Benfica para aquilo da taça lá deles, teria muito mais tempo para pensar em problemáticas realmente relevantes, nomeadamente sobre o facto de, chegado ao mês de Maio, eu ainda andar em círculos, cogitando sobre se este ano é que vou fazer o percurso que se iniciará algures na costa da Normandia, a zona do desembarque, e tem o seu terminus em Auschwitz ou, pelo contrário, é desta que desembarco na Cidade do Cabo e conduzo até ao Kruger ou ainda se resolvo de vez fazer uma outra viagem que me está atravessada desde po tempo em que não dispunha de recursos finaceiros para a fazer e consiste em fazer a Escócia de comboio, com paragens cirúrgicas para degustar os néctares das Higlands, preparados com a puríssima água da região, isto para além de, em me sobrando tempo, que sobraria, tratar de perceber porque é a Palmier Encoberto, que se vê à distância que é mulher de gostar do que é seu, apesar do seu pendor místico-irreverente, nunca mudar de relógio, está certo que é um Bulgari, mas nem um Bulgari se aguenta nas mais variadas situações antropologico-sazonais, é que até o próprio Ruben Patrick ostenta um Casio dourado ou um Swatch Casinha do Gil, conforme as ocasiões o aconselham.

11 comentários:

  1. Respostas
    1. (Sou a preferida. Nada a fazer...)

      Eliminar
  2. Anónimo3.5.16

    Muito bom!

    ResponderEliminar
  3. Ele há os power suits e o power watches. Noutras cerimónias as senhoras dispensam relógio. :DDDD

    ResponderEliminar
  4. Mau! Não comparar um Casio dourado a um Swatch Casinha do Gil. Casio é retro-hipster, Gil é bafiento.

    Reparou que tenho um Casio dourado?

    ResponderEliminar
  5. Essa viagem pela costa da Normandia e pelas vilas francesas com a ponte pegasus e afins também está no meu imaginário...
    As Hilands deve ser bom é para caminhadas e tirar fotografias com os olhos que ficam para uma vida, mas talvez de comboio seja melhor pois você é melhor conhecedor destas coisas das viagens.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo4.5.16

    tem piada tio, eu não desgosto de "posts requentados".
    Venham eles,
    vw

    ResponderEliminar
  7. Anónimo4.5.16

    Faça Capetown-Kruger, sem dúvida. Já lá vivi e passei muuuuito tempo a deambular pelo Kruger. È inesquecível, mágico! Sentia-me sempre num filme da National Geographic repleto de emoção e aventura. A sensação de andar à procura dos animais é arrepiante. Já agora, acrescente também Victoria Falls, na fronteira entre a Zâmbia e o Zimbabwe e para terminar, um mergulho na praia do Bazaruto em Moçambique.

    ResponderEliminar
  8. Huahuahua nao sei o q é melhor, se o casic dourado se o swatch casinha do gil. É por estas e por outras q olhe gosto de si, mantem a noção das coisas no ponto e n se deixa influenciar pelos ditames de nao sei q. #classico i lobe it

    ResponderEliminar
  9. Cláudia Filipa4.5.16

    Hoje, dia 4.5.16 às 20:18, encontro-me a comentar um post de ontem, é pois com os olhos marejados de lágrimas que lhe dirijo a escrita, Ex.mº Senhor gracioso (e pensar que há uns tempos abandonou-nos, talvez ponderando mesmo deixar-nos para sempre, completamente insensível às nossas lágrimas). Digo-lhe que não devia fazer tantas gaifonices com viagens, isso é bem capaz de contagiar, por exemplo, acho que contribuiu para a minha vontade de ir para Itália de mochila às costas ter ficado a tal ponto que, não é tarde nem é cedo, vou já lá estar durante a última semana deste maio quente, se não me der para falecer antes, obviamente.
    Primeiro que todas as outras hipóteses que mencionou, ainda para mais se é um desejo antigo, fazia essa da Escócia de comboio, deve valer mesmo a pena, são paisagens maravilhosas, desde que não se aproveite do facto de já estar na posse da tal app da Associação Nacional de Farmácias para achar que pode sujeitar o fígado a sevícias impunemente. Mas está aqui um comentário de um anónimo que torna aquela outra opção igualmente irresistível, mas mesmo assim mantenho, fazia primeiro a viagem que está "atravessada" há mais tempo.
    Espero que já esteja melhor da faringite.

    ResponderEliminar
  10. Anónimo5.5.16

    Vá para onde for, leve a Ferrante.

    PC

    ResponderEliminar