27 outubro 2015

Das torneiras de hotel

A prova provada de que o engenho humano evolui na direcção errada são as torneiras de duche de hotel. Um homem chega cansado da viagem, não quer mais que um duche de água morna, despe-se e fica ali, esmagado pela parafernália de opções, tentando saber para que serve tanto botão e tanta alavanca incrustada nas torneiras, tenta uma opção, jorra água demasiado quente da torneira ao nível do joelho, roda mais uma alavanca e sai água fria de um furo na parede, um homem enerva-se, está cansado e um banho de água fria não vem nada a calhar, ainda para mais um homem vê mal ao perto, as figuras e os números em letras pequenas esbatem-se, um homem vai por tentativa-erro, caramba, o mundo era tão mais fácil quando havia um chuveiro vinte centímetros acima da cabeça de um homem e duas torneiras, uma com pinta azul que normalmente fornecia água fria e outra com pinta encarnada que estatisticamente fornecia água quente.

19 comentários:

  1. Pois olhe, a mim, quem me tira a torneira misturadora, tira-me tudo. E pronto, em termos de evolução torneiral parei por aí.

    ResponderEliminar
  2. Lady Kina27.10.15

    ... quase uma dezena de linhas sob a imagem de um Pipoco cansado e despido à toa com as torneiras em um quarto de hotel... (este blogue já foi menos deprimente)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lady Kina27.10.15

      Não sei onde pretende chegar com isto, mas acredito que esteja ciente de que anda aos poucos a destruir toda uma imagem que lhe demorou mais de 70 anos a criar. É que hoje em dia a malta vem aqui e em vez de um Daniel Craig sempre desenvolto em missões bastante impossíveis ainda que ilusoriamente plausíveis, depara-se com um Pipoco que vai para maratonas de onde regressa todo roto só para poder piscar os olhos às velhinhas que aos pulinhos nas bermas dos caminhos lhe atiram beijocas repenicadas, e que depois vai para quartos de hotel onde, todo nu e sem óculos, desata a apalpar as paredes da casa de banho...

      Eliminar
    2. Anónimo27.10.15

      Deprimente? Puxe pela imaginação!

      Eliminar
    3. Eu só me interrogava sobre o desfecho do post. Seria ele uma elegia ao semicúpio? Até me arrepiei.

      Eliminar
    4. A Lady Kina tem razão.
      Anda a ver se lhe enviam mantinhas e assim?

      Eliminar
    5. Anónimo28.10.15

      É o puxar pela imaginação que torna a coisa deprimente.

      Eliminar
  3. Anónimo27.10.15

    O número de torneiras é equivalente ao número de estrelas do hotel. Experimente um daqueles para gente pobre e vai ver as facilidades que tem!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo27.10.15

    E recuando um pouco mais, no tempo que só havia uma torneira que jorrava água fria? Isso é que era!
    Pra próxima, vá para um hotel baratinho, vai ver que já não terá problemas desses. Terá outros, evidentemente.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo27.10.15

    Caro Pipoco,

    Acho que tenho parte da solução para o seu problema. Repare que, geralmente (já vi uma ou outra excepção), a torneira da água quente encontra-se à esquerda e a da água fria fica à direita. Assim não precisa de pôr óculos no duche. :)
    Quanto ao número de pares de torneiras e de saídas de água, padeço do mesmo problema, pelo que não o posso ajudar.

    Abraço!
    Filipa

    ResponderEliminar
  6. Anónimo27.10.15

    Lesa is more, eheh.

    ResponderEliminar
  7. Cláudia Filipa27.10.15

    Tal e qual. "O engenho humano" deveria evoluir no sentido de nos facilitar a vida e não o contrário. Acrescentar uma parafernália de desnecessidades ao que já nos facilita tanto a vida na sua simplicidade perfeita consegue ser irritante. Mas tem de estar-se sempre a inventar necessidades novas, coisas que não fazem verdadeiramente falta nenhuma mas têm de tornar-se imprescindíveis o mais rápido possível, afinal, há que manter as empresas que já existem, criar novas, manter postos de trabalho, criar novos, é assim que a coisa funciona, até precisarmos de um manual de instruções para tomar um duche que a genialidade do engenho humano já havia tornado tão prático, tão cómodo, tão simples, perfeito. Evolução na direção errada, sem dúvida, e parece imparável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia Filipa27.10.15

      Emenda: Tal qual

      Eliminar
    2. Confirmo. Tal qual! :)

      Eliminar
    3. Cláudia Filipa27.10.15

      Olha quem está aqui! um dos meus amores blogosféricos. Então está confirmado, Maria. :)

      (Boa noite, Pipoco)

      Eliminar
  8. Anónimo27.10.15

    Boa noite, tio.

    Estou em estado de choque, tal foi a surpresa. Já vi que a sua modesta habitação não se encontra equipada com um duche ou banheira de hidromassagem, com jactos de água a diversas pressões e temperaturas. Faz muito bem! Não queira nada dessas marisqueiras (desculpe. escapou-se-me) que avariam a toda a hora, são um ninho gigante de fungos e bactérias, que é preciso pagar horas a mais para manterem aquilo em condições, e nós, nós no final do dia, moídos e cansados, só queremos um duche ou banho de imersão de água quente, num sítio asseado, uma lareira, um livro e um cálice de tinto.

    E já agora, quando chega essa altura do dia, não nos telefonem, não mandem sms, snapchats e outras diabolices. A lareira é tão mais simpática só com lenha.

    ResponderEliminar
  9. Wow.
    Adoro a maneira como as pessoas já nem permitem ao pipoco estar cansado ao final do dia.
    Mandem abrir as garrafas de champagne quando assim a situação o pede, mas não censurem as mantinhas que às vezes fazem falta.

    ResponderEliminar
  10. Nisto das banhos só me apraz dizer que o que eu queria era uma banheira com pezinhos...

    ResponderEliminar
  11. Para o cansaço... ligar o descomplicador e valorizar as coisas simples...
    [e, realmente, mais vale não puxar pela imaginação para não sermos assolados com imagens como a que a Lady Kina descreveu...]

    ResponderEliminar