22 julho 2015

Só mais um post fofinho e vou à minha vida

Estava aqui a ler a Dias Cães, que me contava qual tinha sido a coisa mais bonita que tinha feito por ela e eu, que sou uma pessoa influenciável, fiquei aqui a matutar sobre qual teria sido a coisa mais bonita que fiz por mim, tive que decidir que a coisa mais bonita que fiz por mim não foi a coisa mais importante que fiz por mim e, mais difícil, tive que tirar de cena coisas bonitas que fiz por mim mas por intermédio de terceiros, das coisas mais bonitas que fiz por mim, muitas foram porque a intenção primeira era fazer coisas bonitas a outros que não a mim, só que as coisas são como são, quando fazemos coisas bonitas pelos outros, para os outros, acaba sempre, mas sempre, por ser a nós quem acontece uma coisa superlativamente bonita.

A coisa mais bonita que fiz por mim foi dizer "não" pela primeira vez. Um homem sensível, como é o meu caso, evita dizer que não, que não quer, que não é assim, que o outro não está certo. Tentamos negociar, evitar a afronta, acredita-se que um "não" pode magoar as pessoas, que será mais avisado aguardar melhor ocasião, que não nos queremos aborrecer por tão pouco. E, evitando dizer que não, um homem aprende a contornar a resolução das questões, agarra-se à crença de que o tempo acaba por resolver a maior parte das coisas. E não é assim, lembro-me bem que quando decidi que não queria ser operado ao menisco aprendi a andar de forma que não me doesse o joelho. E de facto o joelho deixou de doer, o problema é que me passou a doer o corpo todo. Todo não, o joelho, esse não doía.

Um homem vicia-se desde o primeiro não. Primeiro ficamos ali a apreciar o efeito, o desconcerto do outro,  o pasmo, nós próprios à espera da reacção que nunca chega a surgir, um "não" bem sustentado nunca tem grandes efeitos colaterais, um homem percebe que pouca energias, a si e aos outros, fica com mais tempo para o que interessa.

7 comentários:

  1. Cláudia Filipa22.7.15

    E hoje chego aqui mais do que atrasada. Já está aqui um problema, pelos vistos, de algumas mulheres e dois posts fofinhos de seguida e mais uma série de comentários novos, que são mais uma coisa de valor. E é giro constatar que várias pessoas descobriram a sua fofice no post anterior. Eu não, que já o acho fofinho há algum tempo, um fofinho do caraças (o caraças é para contrabalançar o excesso de lamechice).
    Dizem que existe um momento específico que nos faz apaixonar por alguém, que se pensarmos sobre isso, descobrimos esse momento de antes e depois, pois eu assumo a inteira responsabilidade de dizer, que também existe um momento específico em que descobrimos que uma determinada pessoa, é um fofinho do caraças e bem que podem vir todos os problemas do meu género, parar a praça pública, bem que posso ler todos os posts mauzões, que não há nada a fazer, para mim o PMS é um fofinho do caraças. O momento específico, cá desta minha certeza, claro que guardo para mim.
    Se achar que isto é demasiado mau para a sua reputação, autorizo-o a dizer, não façam caso, vê-se logo que é uma tonta e pode acrescentar aquilo dos suspiros e tudo que parece que é coisa que dá muito resultado.
    Saio daqui e vou a casa da Susana, outra fofinha do caraças, já percebi que lá deve estar mais um dos seus imperdíveis posts. A coisa mais bonita que a Dias Cães fez por ela, já tinha lido. E sabe o que lhe digo PMS, isto dos blogs, consegue mesmo ser uma coisa muito bonita. Durante a próxima semana, vou estar de férias, sem internet e sei que vou sentir falta "das minhas pessoas dos blogs".
    Espero que este comentário, seja suficientemente fofinho.

    ResponderEliminar
  2. Talvez esta tenha sido, também, a coisa mais bonita que já fiz por mim. Nunca tinha pensado nisso.

    ResponderEliminar
  3. Só pode estar a gozar comigo?
    A sério que no dia em que eu meto pilas voadoras é que se lembra de meter um link para o Dias Cães?
    Que linda reputação que levo daqui.
    Lá se vai a fofice toda.
    (Mas tem razão nisso do não, lá isso tem.)

    ResponderEliminar
  4. E este post deixou-me em modo introspectivo...
    [e não sabendo ainda qual a coisa mais bonita que já fiz por mim, acabo por me aperceber que hoje fiz a coisa mais bonita que já fez por si, constatando como isso foi uma coisa tão bonita que fiz por mim...]

    ResponderEliminar
  5. Ora, ora, para mim foram os psicotrópicos e a psicoterapia em vez das férias.
    Um homem novo por assim dizer.

    ResponderEliminar
  6. E os gatinhos bebés? Pfff... vim ao engano.

    ResponderEliminar