14 julho 2015

Coisas que eu sei e que não interessam para nada

As garrafas de Cartuxa pesam mais do que as outras, os cães pretos são os mais leais, a minha fila de trânsito anda sempre mais devagar, a pessoa à minha frente na caixa do supermercado vai reclamar porque não foi considerado o desconto que ela diz existir (e que a intervenção do responsável de loja vai esclarecer que só se aplicava ao frasco azul turquesa e não ao frasco azul esmeralda, e aquele é azul esmeralda, evidentemente, com o consequente pedido de troca e posterior constatação que não existe já nenhum frasco azul turquesa pelo que terá que se fazer o respectivo desconto, o que implica chamar-se "o responsável", a quem se repetirá toda a história e "o responsável" mandará verificar se não existe em armazém nenhum frasco azul turquesa, que obviamente não existe), os Xutos acabam sempre com "A Minha Casinha" e os Muse com "Knights of Cydonia", a pessoa ao meu lado no cinema receberá sempre uma chamada que atenderá em voz baixa a dizer "agora não posso atender, estou no cinema, mas diz...".

26 comentários:

  1. Constança Sotto Mayor14.7.15

    Coisas que eu sei e que não servem para nada: o Tio não faz revisão de texto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que faço! À medida que me vão dizendo o que não está bem...

      Eliminar
    2. Constança Sotto Mayor14.7.15

      Terá que fazer novamente...

      Eliminar
    3. É um processo iterativo, que promove a partilha de saberes entre quem escreve e quem lê.

      (recuso-me a usar qualquer tipo de corrector ortográfico e depois dá nisto)

      Eliminar
    4. Constança Sotto Mayor14.7.15

      "iterativamente" lhe digo que talvez devesse repensar isso de se recusar a usar corrector...

      Eliminar
    5. Já está, revi tudo. Coloquei as palavras que faltavam e mudei letras de lugar, eliminei vírgulas e acrescentei pontos. Creio que já está uma coisa que se leia.

      Eliminar
    6. Percebo-o tão bem, Pipoco (excepto aquilo dos Xutos, penso que o primeiro e último concerto deles que vi terá sido numa Semana Académica de Lisboa, talvez um Arraial do IST, já não me lembro, no século passado), mas normalmente a confusão nas caixas de supermercado é com os iogurtes verdes, "se são só os líquidos ou os de colher também".
      Até na questão da revisão de textos temos a mesma postura. Pior, no meu caso alastra-se aos comentários que deixo (acho que não sou só eu, falhou ali um n).

      Constança, é terá de...

      Eliminar
    7. Constança Sotto Mayor14.7.15

      Lindo menino.

      Eliminar
    8. (olhe que não, olhe que não...)

      Eliminar
  2. faz parte de uma percentagem considerável que confunde o azul com o verde? que bunitinho... não é a esmeralda que é verde? :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E confundo o azul escuro com o preto.

      (nem imagina o que isso me faz passar quando emparelho as peúgas)

      Eliminar
    2. Pipoco, deixe-me só ir buscar a kodak, que este é um momento para mais tarde recordar:
      Loooooooooooooooonnnnnnnnnnnnnnnnnnnnggggggggggggg Siiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiighhhhhhhh (isto sou eu a suspirar).
      Até emparelha as próprias meias, pode pedir-se mais, senhores?

      Eliminar
    3. Mas caro Pipoco, não tinha comprado as peúgas todas iguais há tempos? Eu li isso. E gostei, bolas.

      Eliminar
    4. Minha querida Susana, que tem uma memória demasiado prodigiosa...

      Eliminar
  3. Bom, já que se fala em revisão do texto, e apesar de ser da publicação anterior, poderia alterar o título "Não me perguntem com sei eu destas coisas"...

    ResponderEliminar
  4. E há um artigo trocado na frase dos cães pretos. Com a idade, não vem só o astigmatismo, vem também a dislexia. Aproveite bem a adoração de todo esse público feminino enquanto dura, que a partir daqui é tudo a descer (digo eu, que não tenho setenta anos de blogs, mas tenho de outras coisas).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (sabe lá, isto da adoração é um incómodo, não queira tamanha maçada para si...)

      Eliminar
    2. ... diz quem fala de barriga cheia, caro PMS, os restantes de nós só podemos sonhar com maçadas tamanhas. Bom blog, by the way.

      Eliminar
    3. Está o meu caro com toda a razão no que diz. Da barriga cheia e do bom blog...

      Eliminar
  5. Coisas que eu sei e que por acaso interessam, posso dizer? Vou dizer:
    A garrafa do Mateus Rosé é baixa e gorda, não é? Mais que as outras quase todas. Assim, quem a arrumar em expositores de cafés, restaurantes e sítios onde há pessoas a ver, decide, sem saber que está a ser manipulado na decisão, pô-la bem à frente das outras. (o vinho, isso, tanto faz)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mateus não é bem vinho, Susana. É uma espécie de refresco, isso sim.

      Eliminar
  6. No cofcof Doce sigo sempre a primeira parte de uma heurística que ouvi num qualquer filme, cujo nome se oculta nos recessos desta pobre mente:

    "nunca entres em filas com velhotes ou crianças. prefere sempre filas de japoneses"

    ResponderEliminar
  7. A propósito dos Muse, há pelo menos um concerto onde o "Knights of Cydonia" foi o tema de abertura, logo depois de uma introdução com a Dança dos Cavaleiros do Prokofiev... o que resulta em qualquer coisa de épico! Álbum HAARP, gravado ao vivo em Wembley. Mas confirmo, em todos os concertos que vi ao vivo (um), foi com essa que terminaram ;)

    ResponderEliminar
  8. Catarina16.7.15

    É (quase) tudo verdade, os Muse também terminam com a Starlight ou survival na 2nd law tour. =)

    ResponderEliminar