21 abril 2015

Não sei precisar o exacto momento em que isto começou a descambar

Já ninguém atende a maioria dos números de telefone de que me lembro, já ninguém usa o Lotus 123, o Jordão já não joga à bola, a Seagull já não existe, Saramago nunca mais escreveu, o concerto de Alvalade do Bowie já foi há vinte e cinco anos, o 205 GTi já não me parece aquela máquina, já inventaram melhor que o Jet Set Willy, ter gostado de Paul Auster parece quase impossível, ser amigo da Guida Gorda para entrar no Frágil já não é tudo o que desejo, o comboio já não é  a melhor forma de chegar a Paris.

A Carrie já fez cinquenta anos.

26 comentários:

  1. Não fique triste Pipoco, vai ver que daqui a nada adaptam outro romance da MRP ao cinema e nunca mais se lembra da Carrie (ou então lembra, com muita saudade).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lady Kina21.4.15

      Mas quais Carrie? A Princesa Leya já tem 59 e A Estranha ainda não fez 50.

      Eliminar
    2. A do Sexo e a Cidade, Kina, a Carrie Bradshaw (SJP)

      Eliminar
    3. Lady Kina21.4.15

      Oh! Se tivesses dito logo que era a senhora com cara de cavalo (já que a Teresa Guilherme não podia ser).

      Eliminar
  2. Está quase a fazer 20 anos que acabei a faculdade, a Guida Gorda é presidente da Junta de baixo, o Incógnito ainda existe (mas tenho vergonha de lá ir), preciso de retocar as raízes todos os meses, tenho cinco pares de all star converse e ainda uso camisas de algodão ou flanela aos quadrados, não sei se a Tia Alice ainda é conhecida pelos pontapés, a Europa e o mundo está mais p€rto mas tenho o tempo que queria para lá ir, ainda acho que o Jet Set Willy dava quinze a zero ao Candy Crush, este Natal voltam o Chewie o Han Solo, "e se todo o mundo é composto de mudança, troquemos-lhe as voltas que ainda o dia é uma criança."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, a Tia Alice já faleceu.

      Eliminar
  3. Ah, a vida triste daquela tecla "/". Deve ser como a do Ringo, que agora já só é notícia porque chegou finalmente ao "Hall of Fame".

    ResponderEliminar
  4. A Carrie já fez cinquenta anos - uma senhora não tem idade ;) e continua bastante interessante.
    De repente existe internet...estamos todos ligados. Até existem blogues!
    Alvalade...a tradição já não é o que era.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo21.4.15

    O Zé Maria já ninguém fala dele, O Salgado ficou com os milhões, a Bárbara com os filhos e as nódoas negras, A Fanny tem mamas novas, o Bruno de Carvalho perdeu a voz e a do cabelo estranho parece que aderiu a um descapotável de dois lugares de um cavalo

    ResponderEliminar
  6. A Seagull, devemos ter-nos cruzado muitas vezes.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo21.4.15

    C'um catano, o concerto do Bowie já foi há 25 anos?! :/

    ResponderEliminar
  8. E eu pergunto-me quantos anos terá, nascemos certamente na mesma década, já o ano... Ainda hoje me lembro da desilusão que foi o concerto de Bowie, depois de uns Stones alucinantes em Alvalade, as expetativas eram muito altas. Bowie sem voz, a ter de se ir embora, concerto mínimo, enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia21.4.15

      Isa, vou partilhar uma ideia cá minha consigo e com todas as pessoas que vão ler. Sempre que aqui leio comentários em que as pessoas manifestam curiosidade relativamente à idade do Pipoco eu penso, ora, então, 46 ou 47 anos, quase de certeza, mas se tivesse que apostar, apostava 46, convencida que acertava. Pronto, já partilhei, pode ser que esta palermice faça alguém sorrir, ou porque acertei mesmo, ou porque estou completamente enganada.

      Eliminar
    2. Cara Cláudia, é sabido que o Pipoco é imortal.

      Eliminar
    3. Cláudia21.4.15

      Não parónimo (inconfundível, não importa o nome escolhido). Pipoco, como qualquer um de nós só é imortal a cada ano que passa que se aguenta sem falecer. É aí que reside a piada e que me faz sempre rir quando leio alguns comentários indignados por não terem percebido o óbvio. Pipoco, terá novamente pedido na passagem de 2014 para 2015 a imortalidade, eu também parónimo, falecer já, não me dava jeito nenhum. Todos os que tiverem a sorte de festejar a próxima passagem de ano, foram imortais em 2015, tão simples como isto, ou não tão simples assim.

      Eliminar
  9. E eu, que passei 81 (oitenta e um) anos à procura do Monstro do Loch Ness no lago errado?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lady Kina21.4.15

      Ahahahahahahahahahah!

      Eliminar
  10. Anónimo21.4.15

    Isso é tudo muito bonito, que é, down memory lane e tal. Mas por favor, não se refiram ao Seagull como a Seagull. É horrível e desvirtua a cena toda.

    ResponderEliminar
  11. Começou tudo com a primavera árabe.

    E com diz a minha Avó com 85 anos, ah meu filhinho a gente vai no autocarro e já não conhece ninguém.

    ResponderEliminar
  12. Anónimo21.4.15

    Não está fácil, caro amigo, não está. Serve-me mais um copo.

    ResponderEliminar
  13. Anónimo21.4.15

    Sabe Tio, a idade não perdoa! :)
    Não desanime, nem "se" permita ter "crises" desse género.Aproveite mas é.:)
    Beba uns copos e faça umas caminhadas, vai ver que passa. Fique bem. :)
    VW

    ResponderEliminar
  14. Eu sei exatamente qual foi o momento em que começou a descambar. Foi a estreia do Pulp Fiction!

    ResponderEliminar
  15. Anónimo21.4.15

    Comecemos por uma ponta, tio:

    - ninguém atende os números de telefone de que se recorda porque obviamente não tem o meu;

    - muita gente usa o lótus como símbolo de 1,2,3 meditação, yoga, transcendência, nirvana, shangri-la ou sei lá (até o tio já andou nessas andanças pelo que sei);

    - o Jordão já não joga à bola porque está muito ocupado a atravessar uma série de territórios em que se desenrolam perigosos jogos de poder;

    - Saramago nunca mais escreveu porque nos legou a vez de escrever sobre Saramago;

    - 205 e 25 e outros números e há 230 anos atrás a gasolina era outra e era fundada a casa de um famoso nome do mundo do champagne, enquanto que a 21 morriam 1,900;

    - uma das modas agora é o revival de old school gaming;

    - talvez tenha deixado de gostar de Paul Auster porque lhe lembra Austeridade;

    - todas as guidas que conheço são magras e já não é preciso entrar no Frágil porque tudo e todos o somos;

    - o comboio continua a ser o único meio de transporte civilizado daqui a Paris ou outro lugar qualquer;

    - a Carrie nunca será minha vizinha por mais tempo que passe mas eu queria muito que ela fosse minha amiga, porque uma amiga como a Carrie saberia compreender-me;

    - o preciso momento em que isto tudo começou a descambar foi quando o tio se lembrou de atravessar o deserto de Nimedones a pé a caminho de Tanganica, mandando para as urtigas as formas rápidas de viajar.

    Não digo que não ouçam Pink Floyd e Scorpions mas procurem as novidades fora dos sítios em que as esfregam debaixo do vosso/nosso nariz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo21.4.15

      "ninguém atende o telefone porque não tem o meu" OUCH!
      Ó menina, deve ser engano! Não, não tem importância, ora essa... Há tantos que o confundem com o Ruben.

      Eliminar