13 março 2015

Este blogue faz hoje anos

Cinco anos. Ou quatro, no princípio era uma aposta que durou um ano, depois finou-se por outro ano e cá vamos no terceiro ano da segunda vida.

Há dias em que me fica curto, há dias em que me assenta melhor, outros dias há em que me parece fora de moda, há dias em que me ajuda a passar o tempo, há dias em que me parece uma perda de tempo. Olho para trás, para o que escrevi antes, e parece-me que este blogue é um imenso e único post, escrito de maneira diferente, mas sempre o mesmo.

Tirando um ou dois episódios, têm sido dias bons, continuo a gostar da magia de poder haver quem me faz reflectir e nem sequer nos conhecemos, continuo a espantar-me com o rumo que as coisas podem levar, só porque alguém mostra um ponto de vista diferente, continua a divertir-me que o rumo seja exactamente aquele que eu lhe dou.

Já gostei menos deste blogue.

27 comentários:

  1. Que bom gostar do seu blogue. Eu também gosto. E até gosto muito.

    Parabéns por tudo, Pipoco Mais Salgado.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo13.3.15

    Muitos parabéns. Nunca comentei, mas estas leituras já me fizeram rir, pensar mais a sério e até discordar do que aqui foi escrito, mas sente-se saudades quando se ausenta da sua escrita. Que venham muitos e bons anos.
    H.

    ResponderEliminar
  3. Muitos parabéns. Um virtual brinde com um Barca Velha de '85.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portanto mestre de cerimónias já temos. Onde é a festa? Será que cabemos todos no Meo Arena?

      Eliminar
  4. Continue por cá, gostamos muito de o ler, muitas felicidades!

    ResponderEliminar
  5. Cláudia13.3.15

    Eu vinha esfuziante, toda contente dar-lhe os parabéns, mas depois li isto, "... há dias em que me parece uma perda de tempo..." e mesmo que o que vem a seguir atenue, já não consegui desconcentrar-me desta frase. São aquelas coisas que vocês homens dizem, que depois por muito que tentem emendar já não produz o mesmo efeito...isto no próximo post já me passou.

    ResponderEliminar
  6. Então não eram setenta anos? Já não percebo nada... (Parabéns!)

    ResponderEliminar
  7. Ainda bem que se sente bem com o blog. Muita gente sente. Até quem se sente mal, se sente bem em aqui passar.
    Eu leio sempre, comento de vez em quando e gosto daqui. Espero que continue por muito mais tempo, com ou sem hiatos.
    Abraço de parabéns.

    ResponderEliminar
  8. Permita-me dar-lhe os parbén com um poema. E fique por aí. Nós agradecemos.

    "A palavra impossível


    Deram-me o silêncio para eu guardar dentro de mim
    A vida que não se troca por palavras.
    Deram-mo para eu guardar dentro de mim
    As vozes que só em mim são verdadeiras.
    Deram-mo para eu guardar dentro de mim
    A impossível palavra da verdade.

    Deram-me o silêncio como uma palavra impossível,
    Nua e clara como o fulgor duma lâmina invencível,
    Para eu guardar dentro de mim,
    Para eu ignorar dentro de mim
    A única palavra sem disfarce -
    A Palavra que nunca se profere. "

    Adolfo Casais Monteiro

    ResponderEliminar
  9. Anónimo13.3.15

    Parsabéns tio! "Conheço-o" ha cerca de meio ano, acho-lhe graça e tambem me diverte, obrigada. :)
    Gosto quando escreve coisas "serias", com uma "pitada" de "veneno" que nos provoca e nos faz pensar .. e reagir.
    Continue assim.:) :)
    Virgínia Wolf (VW)

    ResponderEliminar
  10. Na peugada da Domadora de, aqui fica o meu agradecimento.

    Março voltou, esta
    ácida loucura de pássaros
    está outra vez à nossa porta,
    o ar

    de vidro vai direito ao coração.
    Também elas cantam, as montanhas:
    somente nenhum de nós
    as ouve, distraídos

    com o monótono silabar do vento
    ou doutros peregrinos.
    Já sabeis como temos ainda restos
    de pudor.

    e pelo mundo
    uma enorme, enorme indiferença.

    Eugénio de Andrade

    (fiz anos ontem e também quero parabéns, ora!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parabéns, Sine die! Muitas felicidades e boa saúde, é o que desejo. :)

      Eliminar
    2. Retribuo os votos, Susana. Obrigada.


      https://www.youtube.com/watch?v=SmHgg8xo13Y

      Eliminar
    3. Caramba, isso é que foi pontaria. "La Traviata" é apenas a "minha ópera", a de sempre, a favorita. Muito obrigada.

      Eliminar
  11. Happy Birthday to you,
    Happy Birthday to you,
    Happy Birthday Mr. Pipoco,
    Happy Birthday to you.

    Ass. Marilyn Uva Monroe Passa

    ResponderEliminar
  12. às vezes chique, outras casual
    às vezes real, outras virtual
    às vezes salgado, outras doce
    às vezes frio, outras quente
    às vezes polémico, outras consensual
    às vezes arrogante, outras conciliador
    às vezes pipoco romântico, outras ruben desencantado
    às vezes com pergunta, outras sem resposta
    às vezes verde, outras azul
    às vezes tinto, outras branco
    às vezes à janela, outras a abrir a porta
    às vezes eterno, outras mortal
    às vezes anfitrião, outras visita
    às vezes isto dos blogues, outras isto das mulheres
    às vezes pi-pouco, outras de chorar por mais

    Obrigada




    ResponderEliminar
  13. Parabéns. Felicidades. E que as coisas continuem a ser como são.

    ResponderEliminar
  14. Anónimo13.3.15

    Tio pipoco, estive a ler o seu primeiro post e não lhe vou dar os parabéns e nem aos seus amigos. É o dia de menor importância. Todos os outros que se seguiram até hoje, esses são e estão de parabéns. E venha de lá um smile :) Se vale "post", smile é já ali ao lado.

    ResponderEliminar
  15. Abraço meu caro.
    (apesar de não haver bolo)

    ResponderEliminar
  16. Posto isto... deverei cantar uma serenata?



    ResponderEliminar
  17. Muito obrigado a todos. Sois tão bonitos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, ora, isso é o que o professor Marcelo diz dos livros antes de arrumá-los na lareira.

      Eliminar
  18. Anónimo13.3.15

    Parabéns, mas que belíssima ideia essa aposta!
    Grande abraço.
    Salazar

    ResponderEliminar
  19. Muitos parabéns, Dom Pipoco.
    Cá estaremos daqui a mais 50 anos...

    ResponderEliminar
  20. Anónimo14.3.15

    Meu bom e velho amigo Pipoco,

    Fosse eu sua amiga de berço e ter-lhe-ia oferecido uns botões de punho com o brasão da sua família em relevo filigrana, nos quilates que o sr. ourives me recomendasse, mas quis o destino que assim não fosse e sou apenas sua amiga de café com açúcar, pecado que não se permite a qualquer um, ainda que tudo isto não passe de um faz de conta.
    O que venho aqui dizer-lhe não irá acrescentar grande coisa na sua felicidade, mas sempre dará para eu, embevecida, chamar as colegas do call-center (as ordens de compra da sua empresa não param, tem sido uma correria toda a semana), e lhes poder dizer, vêem (suas mulas de um raio! comentários misóginos, nunca os verbalizo, mas ocorrem, confesso), sou amicíssima do Pipoco Mais Salgado!
    Não sei se já lhe contei esta história, perdoe-me se me repito, mas já dizia a velhinha Professora Amélia, repetir para lembrar, que a memória não é de fiar. Encontrei-o por acaso, talvez já nos tivéssemos cruzado na Ópera, no Teatro, na Missa, ou em qualquer outro local distinto, que nós, distintas figuras da sociedade, frequentamos, mas a verdade é que foi na internet, auto-estrada democrática, que me cruzei com o seu espaço. Posso até contar-lhe um segredo, só depois de conhecer o seu, fui ver como era o da Mais doce, que convenhamos, é enjoativo. A rapariga devia aprender um pouco mais com as americanas, que, há anos, têm o formato bem oleado.
    O que me encantou no seu blog, para continuar, até hoje, a lê-lo? Não me lembro. Mil perdões, um raio na minha cabeça já, mas não me lembro. Mas conheço-me, só volto onde há prosa da boa e/ou onde me fazem rir. Tratando-se o seu blog de um lugar de ironias, críticas e sátira social, nem sempre entendida (ou pretendida, suspeito que às vezes até o meu amigo é apanhado na curva, como diz o povo da Dr.ª Varela) tenho a certeza de que me ri. Aposto. Foi também no seu blog que descobri prosa da boa (mesmo muito boa), falo da Cuca e de Mãe Preocupada. E também aqui que descobri a imparável e maravilhosa Palmier, por causa de quem, tantas vezes já chorei a rir, uma das melhores, e no meu caso, das mais raras, sensações do mundo.
    Nem sempre estou de acordo consigo, mas partilhamos a cor do coração, e isso atenua qualquer incómodo que uma ou outra palavra, às vezes, nos possa causar. Aliás, maior do que o incómodo das palavras é o desconforto de alguns silêncios, portanto, venham as palavras, esses cristais, punhais, incêndios e orvalhos que tais. Faço votos que continue por cá, enquanto lhe apetecer, direito consagrado na Constituição Blogosférica, que seja muito feliz, junto de quem ama, e que o ácido úrico, proveniente de quilos de carabineiros grelhados, na costa alentejana, nas próximas análises, não o assuste como da última vez. (Este tipo de comentários leva os (os? quem quero eu enganar? 1% de leiotres não me deveria obrigar a manter a escrita masculinizada! Raios!) leitores a abanar suavemente com a cabeça, pensando que somos amigos chegados, outros dirão logo, em voz alta, Mais uma a pôr-se em bicos de pés!, mas a verdade, amigo Pipoco, é que fica a dúvida, e nisto da Blogosfera, enquanto houver dúvidas, há interesse.)
    Não me alongo mais (se o comentário não couber inteiro na caixa de texto, corto os pulsos com fio de pesca ou aplico todas as minhas poupanças em fundos de investimento do Novo Banco!), daqui a um ano, volto cá para reformular os desejos, quiçá, nessa altura, não lhe ofereço também os tão desejados botões dourados.

    Grata pela atenção dispensada,



    Parabéns.

    ResponderEliminar
  21. Abençoado Museu do Arroz!!
    Happy B-day!

    ResponderEliminar