11 fevereiro 2015

Do post perfeito (II)

E sim, mesmo que não tenha o post perfeito, tenho os meus posts favoritos. O mais lido de sempre é o dos abraços, escrito para alguém a quem pedi uma palavra para um post. Alguns da série "os problemas das mulheres" são posts felizes, escritos com o objectivo de condensar uma ideia numa frase curta. Por outro lado, os posts em que mais me divirto são aqueles de misturar saberes e ficar à espera que alguém me venha informar, com candura, que a capital de França não é Bordéus. Claro que fazer de conta que chegava para J. Rentes de Carvalho foi delicioso, tão inesperado, tão cordial e tão generoso se revelou o escritor, que, ainda por cima, admiro.

Mas o post quase perfeito? Talvez este. Ou este.

22 comentários:

  1. O ideal, o arquétipo, do post perfeito, para mim, é o que encontro, por exemplo, numa foto de Cartier-Bresson: um momento. Encontro nos diários de Cioran, que ele nunca pensou publicar, encontro nos de Camus, naqueles que ele também nunca preparou para o prelo, encontro no Livro do Desassossego, encontro em dois ou três blogs que amo do coração, encontro aqui, claro que encontro aqui, nos posts que recordo passados meses (a morte do cão, por exemplo).
    A simplicidade é a derradeira sofisticação, dizia Leonardo. Poderia tê-lo dito acerca disto, dos blogs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo11.2.15

      Dois ou três blogs? Tem um coração grande, X.

      Eliminar
    2. Assumo, quanto a isso, a perspectiva de Candide: Remarquez bien que les nez ont été faits pour porter des lunettes. Suponho, portanto, que o coração terá o tamanho exacto para o espaço que lhe foi destinado.

      Eliminar
    3. Anónimo11.2.15

      xilre, seu sofisticado! :)

      Eliminar
  2. Então o post perfeito é coisa por partes?

    Talvez seja o inverso das séries infinitas. Aqui não é uma soma sem fim que resulta em algo finito, mas um agregado finito de posts que que caminha lenta e assimptoticamente na direcção da respectiva enteléquia do coiso que escreve, para quem seja dado a estes assuntos.

    São os retalhos que fazem a manta, e a manta é agradável para a maior parte das pessoas, em si própria retalho de uma outra muito mais vasta
    .
    As minhas desculpas, Williams Chase ao almoço resulta invariavelmente em filosofia barata e perdas de equilíbrio mental.

    ResponderEliminar
  3. Escreve sem medo, ouve sem escutar, olha se distracções, sente com o coração, embala com emoção, corre sem sair do lugar, abraça sem teres de tocar, viaja sem sair do sitio, resolve sem complicar, regressa sem pressa de chegar, depois sossega, respira fundo , tenta outra vez, quando fores capaz de o fazer sem dificuldade nenhuma terás escrito o post mais que perfeito!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo11.2.15

    Ambos, perfeitos.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo11.2.15

    Todos os postes são perfeitamente metrossexuais, à imagem do seu autor e do título do blog. Acho eu.

    ResponderEliminar
  6. Caro Pipoco, se os seus «posts» estivessem numa qualquer ementa, eu pediria, sem hesitações, o penúltimo porque a maior dificuldade, na escrita (como na vida), é a clareza, a simplicidade.

    ResponderEliminar
  7. Há muitos anos, numa manhã fria de sol e de muito trânsito em Lisboa, perto do Natal, o Pedro Ribeiro pôs a tocar, numa estação de rádio que não sei qual era, um dos clássicos de Natal, daqueles que toda a gente conhece. Então, para aliviar o stress do trânsito, decidiu pôr a malta a cantar e orquestrou: agora a segunda circular, todos, entra a A5, todos juntos, janelas abertas para fazer coro, agora os da Marginal, etc.... eu ia na Marginal e juro que entrei naquilo. Foi uma coisa bonita que uniu as pessoas. Sem ninguém ver ninguém.
    É o que sinto neste blogue salutar, une as pessoas sem as pessoas se verem. E os dois posts que enuncia são um bom exemplo disso, basta ler os comentários.

    ResponderEliminar
  8. eheheheh, os sapatos vão ficar a brilhar meu caro!

    ResponderEliminar
  9. Anónimo11.2.15

    Este, Tio Pipoco, este:
    http://pipocomaissalgado.blogspot.pt/2013/07/em-percebendo-isto-acabamos-por-gostar.html
    O post perfeito.

    ResponderEliminar
  10. Cláudia11.2.15

    E afinal, para além de posts, chamemos-lhes então quase perfeitos, também existem formas de interacção quase perfeitas, em forma de posts.

    ResponderEliminar
  11. Anónimo11.2.15

    Já fez o teste de personalidade MBTI? Ía jurar que é um ENTP.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia11.2.15

      Anónimo/a, fui ver o que era isso e fiz o teste, fiquei a saber que sou uma ISFP e não é que confere, tal e qual.

      Eliminar
    2. Anónimo12.2.15

      Sim, é muito interessante. Era engraçado sabermos o tipo de cada pessoa. Continuo curiosa com o do Pipoco. Tio faça lá o teste e diga-me.

      Eliminar
  12. A maior parte das coisas que uma pessoa escreve, muitas outras poderiam ter escrito. Pessoalmente, depois de ter pensado nisso, acho que são perfeitos todos os posts que nos deixam contentes por, contra todas as probabilidades, termos sido nós a escrevê-los e não outra pessoa qualquer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo11.2.15

      E de todos os da lista do tio, o seu é para mim o mais perfeito de todos. Perfeito Cuca.

      Eliminar
  13. Anónimo12.2.15

    Tio, amei o penultimo e a ultima frase do ultimo post. Obrigada por partilhas estas coisas boas,
    VW

    ResponderEliminar
  14. Miss X12.2.15

    Adoro os post's 'os problemas das mulheres'.

    ResponderEliminar
  15. O post dos Abraços será sempre O post. Aquele post que poderemos voltar uma e outra vez e sempre encontraremos nele uma das maiores verdades disto das relações entre duas pessoas.

    ResponderEliminar
  16. Gosto particularmente deste http://pipocomaissalgado.blogspot.pt/2012/05/carta-para-um-rapaz-que-esta-caminho-de.html?m=1

    ResponderEliminar