16 janeiro 2015

Que faria eu, Lourenço, se fosse comigo?

Meu caro Loureço, faz bem em perguntar, embora a minha especialidade seja "senhora velhinha, com ar desorientado, dirige-se a mim em terminal de aeroporto", não é menos verdade que o quadro "mulher bem parecida, na casa dos trinta anos, aborda-me nos corredores de uma grande empresa, dois minutos antes de uma reunião" me é familiar, isto, é claro, sem a componente "a falar ao telefone", as mulheres desta tipologia, em me avistando, focam-se imediatamente, concedendo-me atenção indisputada, imagino eu que desligam abruptamente a chamada, simulando falta de rede (é comum as mulheres terem falta de rede), eventualmente justificando "Vou desligar, não vais acreditar mas o Engenheiro Pipoco está no meu campo de visão", deixando a interlocutora num misto de inveja e incredulidade.

Nestas ocasiões, meu caro Lourenço, é seguir o procedimento. Sendo mulher bem apessoada e na casa dos trinta (será sempre preferível que este "na casa dos trinta" signifique "no limite superior do conceito "casa dos trinta"") - espero que ninguém repare no conceito "dupla aspa final seguido de parêntesis) - conhecemos, de certeza absoluta. Se, pelo contrário, estivermos a falar de género masculino, mulher mal apessoada ou fora do limite vinte e nove a quarenta e um anos, o procedimento é claro e implica responder "desculpe, creio estar confundida, estou certo de não nos conhecermos", isto dito com sorriso amável mas firme, estugando o passo, prestando atenção à secretária de óculos de massa preta, rabo de cavalo e saia preta Versace, nos dá as últimas indicações sobre o personagem com quem vamos reunir.

A segunda parte do procedimento, havendo motivo de conversa (ou seja, cumprindo-se "mulher bem apessoada e na casa dos trinta"), é manifestar entusiasmo contido pelo encontro, escolhendo perguntas abertas que nos possam ajudar a reconhecer a pessoa (nos caso de a conhecermos efectivamente) ou de estabelecermos pontes (no caso de não a conhecermos de todo). Por exemplo "Como estão as coisas por lá?" pode dar-nos uma pista imediata e precisa ao que quer que seja "lá", estatisticamente ela responderá "lá no ginásio ou lá na "nome de empresa"?". "Como está o Zé?" (há sempre um Zé na história) pode indicar-nos que o Zé se revelou má gente e que o caminho está desimpedido, e assim sucessivamente.

Seja como for, não recomendo o procedimento de introduzir conversa, confiando no pressuposto de uma mulher se confundir e passar para ela o ónus de identificar de onde nos conhece a nós e, no entretanto, fascinar-se e acabar por nos conhecer mesmo. Não resulta. A sério. Não me pergunte como posso ser tão categórico, mas não resulta.

(diz-me o Ruben Patrick que uma célebre artista dizia "Nunca esqueço uma cara, principalmente se já me sentei em cima dela")

11 comentários:

  1. Cheios de sorte, que eu sou só um íman para maluquinhos.

    ResponderEliminar
  2. O problema dos homens: acreditarem na aplicação de teoria complexa para o que pode ser simples.

    (é que dá tempo de crescerem um bocado as unhas à secretária dos óculos de massa, etc)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo consigo, Susana. :)

      Eliminar
    2. Anónimo16.1.15

      Cuja saia Versace, por muito Versace que tenha sido, já está um trapinho de tanto uso. Há quanto tempo a gente já conhece essa saia e esses óculos ?

      Eliminar
  3. Anónimo16.1.15

    Ó Tio Eng, ou Eng. tio?, já aconteceu comigo virem ter comigo, meter conversa larga e eu não conseguir reconhecer...:( Ás tantas não aguentei e disse: "Não estou a associar ao projecto que lhe fizemos" (a julgar que era um cliente). E ele responder: Ó VW fomos colegas nas ESBAP, lembras-te? ... e eu fiquei tão mal...
    VW

    ResponderEliminar
  4. Cláudia16.1.15

    Ah! então foi isso...
    Estava eu a falar "ao telefone", quando reparo num senhor que vinha lá na vida dele, mas que foi abrandando o passo, até ficar assim mais ou menos a um metro de mim, ficou ali parado a olhar para um lado e para o outro e a mexer em qualquer coisa e de vez em quando lançava-me assim um olhar fugidio, disse à pessoa com quem estava a falar, que já lhe ligava, porque estava ali um senhor que parecia querer dirigir-se a mim por algum motivo, não me lembrava dele, mas talvez me conhecesse ou quisesse alguma informação, desliguei o telefone e quase imediatamente a seguir, o senhor perguntou: então, há quanto tempo! como estão as coisas por lá?... desculpe, não estou a perceber, por lá onde?... por lá, com o Zé....o senhor deve estar a confundir-me com alguém, não sei de que Zé está a falar. Ele ficou muito atrapalhado, não me soube identificar a que Zé se referia, desejámos uma boa tarde um ao outro, eu retomei a chamada, ele seguiu lá para a vida dele.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo16.1.15

    eheheheheheh !!!! A Cláudia fez-me rir . É que aquela do "como estão as coisas por lá ? " e "como está o Zé ?" já me tinha posto a rir sozinha, pelo inesperado da tolice ( cuidado Lourenço ), mas agora interpretado por si, com o reconhecido humor que tem , foi mesmo um delírio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia17.1.15

      Ainda bem que se riu Anónima. Pessoas simpáticas, que não têm problemas em elogiar os outros, merecem ter motivos para rir várias vezes ao dia.

      Eliminar
  6. ora, ora, "por lá" está sempre tudo bem.

    prudência Ruben. acautela a tua sobrevivência. não dês grande importância às suras do Tio Eng. os grandes profetas não deixam escritos.

    ResponderEliminar