26 janeiro 2014

E agora Pipoco escreve sobre Duxes e praxes, mas afinal não, escreve sobre outra coisa qualquer

E agora o Dux é malvado porque não fala, não quer falar, as pessoas a sofrer e o Dux sem falar, pobres pessoas, malvado Dux, era metê-lo na prisão e torturá-lo e arrancar-lhe os tomates e  bater-lhe muito até ele falar, porque, em falando o Dux, as pessoas sofriam menos.

E agora o Dux é uma vítima, pois se ele estava em choque quando o encontraram na praia, semi-afogado e a espumar pela boca, foi alguma coisa que correu mal, pobre Dux, o que deve ter sofrido aquele rapaz, ver os amigos a ser levados e ele ali, vai ter que carregar o trauma pela vida foram, é normal que não consiga falar.

E agora o Dux é malvado porque estava a praxar a rapaziada e foi longe demais na violência da coisa, e agora o Dux é bom porque estavam só a testar a qualidade das praxes, aquilo era só um retiro para meditar na categoria de praxes que os semi-Dux haviam de aplicar na caloirada do ano que vem.

E agora as praxes são boas porque integram muito e mostram a cidade aos caloiros e explicam onde se bebe barato e fica-se amigo para a vida do praxador e estão ali todos pelo convívio, mas afinal as praxes são humilhantes e só servem para que uns inúteis que nunca foram nada na vida dêem umas ordens.

E agora os dos blogs não gostam do Dux nem as praxes, mas percebem o sofrimento do Dux e as praxes até podem ter um fundo de coisa boa.

27 comentários:

  1. Precisamos de quem nos oriente o pensamento para o caminho da clarividência. qual é a posição do Professor Marcelo sobre esse assunto?

    ResponderEliminar
  2. Cá para mim acabava o mal pela raiz ...alguém me explica como se eu fosse muito esperta para que servem as praxes?..Eu sou do tempo que isso não fazia cá falta mas pronto se me explicarem as vantagens nunca digo não à modernidade...;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As praxes servem para as caloiras conseguirem a atenção dos quintanistas. E isso é de indiscutível utilidade.

      Eliminar
  3. e a tua posição em relação ao assunto, qual é?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isa, o truque deste blog é eu guardar as minhas opiniões para mim...

      Eliminar
    2. Anónimo27.1.14

      Opiniões baseadas em...?

      Eliminar
  4. Como já foi dito e redito, quando 6 não querem, 1 nada pode fazer.
    Há por aí entidades reguladoras de tudo mais um par de botas e já que as universidades não querem saber, o ministério , se regular bem, pois que regule as praxes.
    Falo como mãe de 2 praxadas que também praxaram. Pode ser um regabofe de endurance que ajuda á integração, sem ser traumático nem trágico

    ResponderEliminar
  5. Anónimo26.1.14

    Podia ter guardado também este post só para si. Se pretende saber o que pensam os que o lêem sobre o assunto...é estúpido. Se isto é uma parte do que pensa acerca do assunto...é estúpido.

    ResponderEliminar
  6. E, em resumo, é exactamente o que está aqui escrito!

    ResponderEliminar
  7. Ora, portanto e de facto (de uma assentada só, relembrando ao "de facto" que quem reinava antes era o "portanto" - ah que já me estou a perder, retomando).

    Sabe,caríssimo Pipoco, com este tão simples post faz-nos constatar que a sociedade (?!!) portuguesa não é mais do que uma mulher em alturas de pré e pós TPM. Ora gosto de ti, ora já não gosto. Ora traz-me aí um chocolate e faz um cházinho quente. Ah que isto não era nada disso que que queria. Ah já passou. Já gosto. Já te quero. Vamos fazer as pazes? ;)

    ResponderEliminar
  8. Concordo meu caro. Falta disciplina de opinião.
    Também tu, Pipoco?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. onóniminhozinho, como é que consegue escrever em itálico na caixa de comentários? É só isso que quero saber. Isso e em bold.

      Eliminar
    2. Aqui está cara Palavras:
      <i>PMS</i>
      resulta em:
      PMS

      Para bold é só substituir os "i" por "b".

      Eliminar
    3. Obrigada. Muito obrigada!
      Estou cada vez mais devota ao meu onónimo.
      É disto que gosto. Pessoas que me acrescentam.

      Eliminar
  9. Anónimo27.1.14

    Como é possível falar de um assunto sobre o qual se sabe quase nada?
    Catarina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo27.1.14

      Se não se fala, é que não se saberá nada.
      Muito ou pouco, falar é importante.E levantam-se hipóteses, e criam-se problemas e isso faz avançar.

      Eliminar
    2. Anónimo27.1.14

      Típico de quem não tem nada de interessante e produtivo para fazer...

      Eliminar
    3. Anónimo27.1.14

      Interessante e produtivo são coisas diferentes. Mas às vezes é típico associá-las. Votos de um bom dia.

      Eliminar
    4. Anónimo28.1.14

      Há cada vez menos interesse em produzir... Do que a malta gosta é de histerismos colectivos, de crucificar, talvez para exorcisar a raiva de ser desinteressante, produzir sentenças alheias e ser desagradável.

      Eliminar
  10. Anónimo27.1.14

    Eu só vinha aqui ver a bola, pelos vistos não houve bola, parece que o Sporting não jogou, de maneiras que ficamos assim.
    P

    ResponderEliminar
  11. Anónimo27.1.14

    O sporting foi comido de cebolada.Agora bem pode o BC indignar-se à vontade que há coisas que nunca mudam.

    ResponderEliminar
  12. Não sabem de nada, só sabem que são contra.

    ResponderEliminar
  13. A esquizofrenia do português que nunca sabe se ama, se odeia, se quer, se não quer, vão sem mim que eu vou lá ter.

    ResponderEliminar
  14. Tudo o que ali está em cima pode ser verdade, na exata medida em que invoca opiniões diferentes, do povo, de um todo, e não de uma pessoa em particular com 50 opiniões sobre o mesmo tema. Cada cabeça sua setença. Já se pensássemos todos da mesma maneira ... credo!
    O grande problema é quando a mesma pessoa consegue ter opiniões diversas sobre o mesmo tema, conforme lhe bate o vento, e na verdade isso é que mete medo.

    ResponderEliminar