21 novembro 2013

O almoço com o Antunes de Burnay

E lá estava o Antunes de Burnay a sair da porta de desembarque, o ar cuidadosamente descuidado de sempre, quase sem bagagem, eterno viajante, glorioso contador de histórias. E falámos do tempo do Alfa Spider e das viagens na marginal com a capota levantada e a chuva a cair, falámos do ataque de pânico em plana via ferrata nos Alpes e dos jantares em Santiago e do glaciar que atravessámos com sapatos de ténis nos pés e da vez em que apostei que fazia uma coisa impossível e perdi e custou-me os olhos da cara a cerveja que tive que pagar na Suiça e da vez em que fomos expulsos da Turquia e da ida a Nova Iorque só para jantar e da imitação de motores de mota em Veneza e da fortuna que ganhámos no bingo de Sesimbra e da primeira vez que deixei de gostar de gin e de como fomos felizes na Bulgária só porque nesse dia podíamos pagar os melhores restaurantes porque custava o que tínhamos pago no dia antes por um pão na Áustria e da vez em acordámos às quatro da manhã para ver o nascer do sol nos Alpes. E falámos de nós agora, eu que estou como estou, organizado, metódico, ele que continua imprevisível, rebelde sem causa, generoso. E rimo-nos desta amizade improvável e do tanto que aprendemos um com o outro.

17 comentários:

  1. Alfa spider? Fraquinho, muito fraquinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Leididi, tínhamos vinte anos...
      (mais tarde tive um 156. A gasolina...)

      Eliminar
  2. Anónimo21.11.13

    E porquê uma amizade improvável ? pelo post parece-se muito com uma amizade entre iguais...
    Fez um pouco de nostalgia, um pouco de sorriso, e uma imensa vontade de ir encontrar um amigo a desembarcar para o espaço tempo de um almoço. Mas se o AB continua tão rebelde sem causa e viajante eterno ,por que não volta antes de passarem outros dez anos ?

    ResponderEliminar
  3. Este post é a prova de que a sua amizade improvável, é provada forte. Afinal o Pipoco é um nostálgico, um sentimental e sobretudo um amigo do seu amigo. Nem que todas as aventuras sejam fictícias e passadas em Fornos de Algodres....

    ResponderEliminar
  4. Anónimo21.11.13

    Lágrimas nos olhos e saudades da Bulgária.
    Sempre bom escolher os amigos.

    Ana

    ResponderEliminar
  5. Hoje venho aqui só para mandar um beijinho ao onónimo e ao Tio. Estou emocionalmente agastada com a minha viagem pelos blogues alheios (sim, andei a ler outras coisas que não as suas e arrependi-me) e descobri coisas que eu, ingenuamente, desconhecia que se podiam fazer com e nos blogues. Agora é que percebo o significado de não ter blogue por opção, ou ter blogue anonimamente. Então, decidi que vou dar as Palavras ao Vento e de seguida invento outra coisa qualquer. Mas vou continuar a seguir os meus amigos porque, lá está, uma pessoa habitua-se ao que é bom e depois é uma maçada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, um beijo também para a minha Palavras!
      E uma abraço ao amigo Salgado!

      Vamos acabar todos aqui a carpir com este post meu caro.

      Eliminar
  6. Anónimo21.11.13

    O viver multipolar entre o que se ama e o que nos comove, alimenta a vontade de sermos nós próprios.
    Sim, a amizade exige a cortesia e desvenda a eternidade ou o paraíso, como queira: o encontro, como dizia a primeira Doutora da Igreja.

    Quanto à aristocracia, caro e querido Salgado, se é realmente o que promete o nome do seu amigo, ou seja, o domínio dos melhores, ela é a expressão mais adequada da desiguladade entre os homens, porque conduz à assimilação dos conteúdos da sabedoria e da justiça, que são valores interiores próprios da ordem aristocrática no sentido puro, e que nunca podem ter como expressão exterior a ostentação dum pedante.

    E por causa da Bulgária, aqui vai um prenda. Para a Ana.

    http://www.youtube.com/watch?v=czFdTYXUXvo

    Maria Helena

    ResponderEliminar
  7. Fiquei a saber que tem um amigo com estilo blasé (cuidadosamente descuidado) e que o seu estilo é muito arrumadinho (vá-se lá saber o que é que isto quer dizer).

    ResponderEliminar
  8. Ena! Tantas milhas acumuladas.

    ResponderEliminar
  9. Fiquei aqui a imaginar essas recordações todas e o nascer do sol nos Alpes deve ser maravilhoso... mesmo na companhia de uma amizade improvável! Amizade improvável? Isso existe?

    ResponderEliminar
  10. Anónimo21.11.13

    E não parecem mesmo, O Mesmo ?
    Tem-me dado que pensar. Há ali naquele almoço un je ne sais pas quoi...

    ResponderEliminar
  11. Anónimo22.11.13

    Pensava eu que este almoço anunciado iria despertar mais comentários. Como a gente se engana.

    ResponderEliminar
  12. Anónimo22.11.13

    Querido Pipoco, porque se dá ao trabalho de ter tantos blogs??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22.11.13

      Sindrome(a) comum na blogo.

      Eliminar