02 agosto 2013

Zico-Mandela, o cão fofinho

As notícias de ontem diziam-me que o ex-Zico, o dócil e fofinho cãozinho que estraçalhou uma criança, fica à guarda da associação Animal. Foi rebaptizado de Mandela porque esteve preso, tal e qual como Mandela. Podia ter sido rebaptizado como Padre Frederico mas ficou Mandela o que também não está mal visto. Mandela, o cãozinho, vai ter agora, segundo a notícia do Público, tratamento especializado. Vai para um hospital fazer um "check-up" geral e segue para as mãos de um comportamentalista animal e um especialista em recuperação de animais agressores, o que, parecendo que não, é uma estragação de dinheiro, pois se o cãozinho não fez por mal, não se percebe para que serve o tal especialista em animais agressores.

Fui ver os estatutos da Associação Animal e diz lá que não recebem dinheiros públicos. Fiquei contente, não me estava mesmo nada a apetecer começar o fim de semana com este desconforto no estômago de ser eu que estava a pagar o tal "check-up" geral e o comportamentalista animal e o tal especialista em recuperação de animais agressores.

51 comentários:

  1. Finalmente, uma opinião com a qual concordo integralmente! Ontem, enquanto lia os comentários à notícia, pensei que apenas eu não entendia semelhante coisa e pensava que o Mandela (o verdadeiro) se soubesse a triste realidade, não tinha um ventilador que o salvasse!

    ResponderEliminar
  2. Deixa la, pagas o BPN, sao só uns trocos comparando com a recuperaçao de um animal, nao custa nada! Bom proveito!

    Ufff, desconforto so mesmo o Relvas ser nomeado para um cargo de comissario... Oh wait!

    ResponderEliminar
  3. Anónimo2.8.13

    Como é que era mesmo o nome da criança que Mandela, o cão, estraçalhou?

    AnaB

    ResponderEliminar
  4. Tal e qual.
    Não percebo o porquê de tanto alarido com algo tão simples de resolver.

    ResponderEliminar
  5. Tio Pipoco, estou grata por escrever este post.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. O comportamento dos animais espelha muito o do donos que têm. Esta raça de cães, particularmente mais agressiva ( porque todos os cães que não são transgénicos são no fundo selvagens) deveria estar interdita a pessoas com perfis psicológicos instáveis que vivem em espaços confinados.
    Dito isto, até concordo com o que escreveu.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo2.8.13

    Só não percebo porque raio de carga de água é que não o abateram imediatamente. desde que trabalhar bêbado aumenta a produtividade parece que o pais se enfrascou todo como se estivéssemos na queima das fitas de coimbra.....

    ResponderEliminar
  8. Anónimo2.8.13

    Pipoco, obrigada. Obrigada pelo que escreveu, revolvem-me, enojam-me certo tipo de textos. Tanta gente que confunde os direitos e os deveres, tanta gente que não sabe o que é a liberdade e como usá-la. Assusta-me deveras... Gente que por detrás de uma extra sensibilidade para com os animais, despreza e minimiza a vida humana e o respeito pelo próximo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo2.8.13

      Exactamente!

      Eliminar
    2. Anónimo29.8.13

      Exactamente pois, pelo que leio por aqui, os ditos humanos são despreziveis. Só se preocupam com o vosso umbigo.

      Se estivessem mais informados sobre o relatório da autópsia não estavam aqui a ter esta conversa.

      Além disso, se se preocupam tanto com a vida humana, porque não crucificam os adultos responsaveis pela criança que a deixaram às escuras numa cozinha com um cão de raça potencialmente perigosa? NEGLIGÊNCIA!!! Depois de terem conhecimento do relatório desta autópsia vêem que a morte da criança não passou de pura negligência dos adultos responsaveis e que o cão não teve nada a ver com o assunto. "Traumatismo cranio-encefálico sem marcas de mordedura" agora pensem!!

      Eliminar
  9. Entre esta noticia do Zico e a do funcionário bebâdo que obrigaram a readmitir porque o álcool até ajuda a esquecer as agruras da vida, acho que definitivamente entrou a silly season em Portugal. Vou começar a beber umas pinguitas não para ir trabalhar, mas para me esquecer que vivo em POrtugal com acéfalos destes.

    ResponderEliminar
  10. era um tema que daria pano para mangas, com muitos prós e muitos contras, mas certamente não aqui, numa pequena caixa de emails. acima de tudo que se tenha o bom senso (e não senso comum) de perceber que a responsabilidade sobre a criança é dos pais, e que os animais que são levados para casa e a forma como são tratados é da responsabilidade dos donos. matar o cão é uma solução. rápida e eficaz (não voltará garantidamente a morder). mas não altera nada na morte da criança, não corrige os comportamentos e permite um sentimento relativamente ao cão (entidade não responsável pelo seu comportamento) que o mesmo não merece: a vingança.

    enquanto dona de três rotts, todos abandonados e vindos de canis municipais, sei que me é exigida uma responsabilidade acrescida. para com os cães e para com as pessoas a quem permito a interacção com os cães. não faço da (minha) situação nenhum conto de fadas, embora seja (até ao momento) uma situação completamente «normal».

    não quero monopolizar a sua caixa, muito menos iniciar uma guerrilha de opiniões (opiniões são isso mesmo e nada mais, cada um tem a sua).


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nAnonima, este não é um post a opinar sobre se o animal deveria ter sido ou não abatido. Essa era a conversa há cinco meses, não agora.

      Este é um post em que um tipo se congratula por não ter que contribuir para pagar os honorários de um comportamentalista animal, seja lá isso o que for.

      Eliminar
    2. e saberá o Pipoco quantos cães são abatidos diariamente (e do seu bolso) e do valor de cada eutanásia? nós, contribuintes, pagamos tudo. até a malvadez de quem abandona os animais.

      Eliminar
    3. nAnonima, este é um post positivo. É um post em que me congratulo por não ter que subsidiar o tal comportamentalista animal. Escrevo já a seguir um post sobre o que me incomoda subsidiar, está bem?

      Eliminar
    4. tem razão, desculpe :) e agradeço-lhe que tenha falado nele.

      Eliminar
  11. Infelizmente, os cães não possuem blogs para exprimir a sua opinião. E, assim sendo, serão sempre o elo mais fraco.

    Chamar Mandela ao cão tem o seu quê de ridículo mas depois, entre defensores e críticos, 90% é fogo de artifício e pouco conhecimento de causa.
    Cada vez mais jogamos ao "telefone estragado" com os temas à nossa volta, começando pelos media e continuando depois pelo número crescente de produtores de conteúdos, nos quais nos incluímos.

    Temos direito a uma opinião obviamente, mas ela muitas vezes já assenta não na história original mas numa interpretação desviada da mesma, com factos pelo meio.

    É uma espécie de traço agressivo vigente no novo mundo-cão em que vivemos. Pena que não haja nenhuma instituição que nos adopte para nos recuperar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo2.8.13

      Caro Mak,
      Não quero que viva na ignorância de um assunto tão pertinente:
      http://videos.sapo.pt/Bp5K4oJKchejHv5KZcjO

      De nada, Caro,
      AnaB

      Eliminar
    2. Ora, ora, sendo isso uma série, o cão será quanto muito argumentista e actor, não blogger.

      E, a haver algum, certamente que é como as biografias de futebolistas. É sobre eles, mas foi um outro urso que escreveu.


      Ainda assim, agradeço a cortesia :)

      Eliminar
  12. Aconselho vivamente o filme "amores perros" a quem quiser discutir esta temática.

    ResponderEliminar
  13. Neste país as pessoas boazinhas ficam indignadas por causa de um cão com níveis de perigosidade não aconselhável, falam muito disso, sentem-se mal, e outra vez voltam a sentir-se indignadas, mas o silêncio em volta de uma criança que morreu, está demasiado alto para os meus ouvidos. Incomoda-me.

    Ou seja, a indignação é mais voltada para os canídeos, do que para um ser humano. Coitadinho do cãozinho que sem querer matou uma criança. Foi sem querer... Não teve culpa alguma de matar um bebé. Desculpemos o cãozinho portanto, e matemos já agora os donos, esses sim, os verdadeiros culpados da morte da criança. A criança já pagou pelo grande pecado de andar à noite sozinha em casa. Apetece escrever um palavrão, mas a malta sabe controlar a coisa.

    Olha, e em homenagem a um grande homem, Mandela, nada melhor que chamar ao cãozinho fofinho, isso mesmo... Mandela. Estou aqui lavada em lágrimas. Sou uma pessoa que se comove facilmente.

    Existe gente que deve andar a snifar substâncias perigosas, um dia destes atacam alguém mortalmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo2.8.13

      Tem toda a razão... gente estúpida, o que interessa é o "cãozinho",e não o bebé que morreu.

      Eliminar
    2. Maria Madeira, "Desculpemos o cãozinho portanto, e matemos já agora os donos, esses sim, os verdadeiros culpados da morte da criança. A criança já pagou pelo grande pecado de andar à noite sozinha em casa."


      MATEMOS, ENTÃO, SIM, OS DONOS! Porque se os donos não deixassem uma criança de DEZOITO MESES (oh wait... 1 ano e meio) SOZINHA ao pé de um cão com uma força monstruosa, NADA DISTO teria acontecido.

      Eliminar
  14. Anónimo2.8.13

    Palmas para si maria madeira!

    ResponderEliminar
  15. Anónimo2.8.13

    Já agora que o cãozinho é tão fofinho e não teve culpa nenhuma do que se passou (o coitadinho) um dia quando morrer (de morte natural, claro) podem mandar beatifica-lo.

    ResponderEliminar
  16. E já que estamos numa de atirar pedras, onde ficam os pais/familiares da criança que, num país em que cada vez menos crianças brincam na rua com medo que lhes possa acontecer qualquer coisa e em que os pais se preocupam cada vez mais com fenómenos de bullying, têm numa casa sem condições um cão de grande porte e sem qualquer medida de precaução/segurança sabendo que há crianças em casa?

    Creio que esta semana morreu algures um miúdo na sequência de uma brincadeira com uma arma carregada à solta em casa de familiares onde passava férias. É tão preocupante como a situação do cão, mas a indignação é sempre menor, não há cá bicharada para culpar/absolver, tirando os suspeitos do costume...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo2.8.13

      Caro Mak,

      Peço que me desculpe, mas parece-me que está a ser do contra por ser do contra. O puto que gosta de embirrar porque acordou em dia não...

      A questão aqui colocada não é se os pais devem ou não ser punidos; quer parecer-me que o que lhes aconteceu já é punição que chegue e julgo que todos concordamos em afirmar que isto é um muito infeliz acidente, que com certeza poderia ter sido evitado mas, lá está, somos todos humanos e passíveis de falhar em alguma altura da vida, com maiores ou menores consequências.

      Terá de concordar que não é lógico que coloquemos os cães ao nível das pessoas, por mais que gostemos deles; cães são cães, não são pessoas. São animais de companhia que deixam de o ser a partir do momento em que não são confiáveis. Sejamos pragmáticos e discutamos a questão como ela é.

      O que esta associação quis fazer é um acto claramente provocatório, alimentado pela comunicação social e por muitos que não têm mais que fazer. A mim parece-me óbvio tratar-se de um cão que absolutamente ninguém - no seu perfeito juízo - quererá ter em casa como animal de companhia (qualquer dia teremos pessoas como animais de companhia de cães). A absurdidade eleva-se ao expoente máximo quando ouvimos todos os disparates da terapia, da recuperação e tudo por aí fora, e chegamos ao ponto do inenarrável quando colocam a vida de um cão em pé de igualdade com a de uma criança. Esta é a questão que francamente mais me incomoda e que, julgo, será a que incomodará tantos outros. Não tanto saber se o cão foi abatido ou não foi abatido, se está no corredor da morte ou na ala de alta segurança, mas o facto de equiparmos-lhe a importância à criança que matou.

      Já em relação ao segundo caso que fala, francamente lamentável mas não admirável, não se espera menos que quem de direito seja punido pela sua responsabilidade no sucedido.

      Benedita

      Eliminar
    2. Benedita,o primeiro parágrafo do seu belíssimo comentário quase foi fatal para a sua publicação. Normalmente, quando um comentário começa como o seu, nua não leio o resto. Mak é um velho amigo desta casa e um dos mais notáveis bloggers que conheço. Veja lá isso.

      Eliminar
    3. Antes de mais, agradeço ao estimado Pipoco as palavras de referência, mas sem agravo a Benedita não só tem direito à sua opinião, como discordar a minha posição é um direito que lhe assiste.

      A única coisa a que posso torcer o nariz é, possivelmente, a avaliação sumária da minha posição em termos de personalidade mas, ainda assim, prefiro que me considerem um puto a, por exemplo, um velho empedernido (e estou de facto mais próximo da primeira parte da equação).

      O papel da associação aqui é o que menos me interessa, porque funciona na esfera privada dos que para ela contribuem. Se vamos falar de aproveitamento mediático, então a questão já é outra e deveríamos debater, desde o primeiro momento a forma como as notícias são divulgadas e como vão moldando a opinião pública.

      Se vamos falar de comportamento animal, isso seria outra logística porque, nos casos de animais que vivem e são educados com humanos, o seu comportamento é em grande parte determinado pelo comportamento dos mesmos. É possível recuperar alguns animais, claro que sim, mas a nossa percepção de que isso é possível nem sempre é a maior (e sim, há casos em que isso é muito complicado). Mas é como pensar que toda a gente que já foi parar à prisão quando sai continua a ser um criminoso e vai voltar ao mesmo.

      Mas, se querermos focar-nos na tragédia, que obviamente não deixa de o ser, então é preciso racionalizar tudo (e não lhe vou perguntar se tem animais ou não, etc, porque isso é personalizar a questão). A criança foi morta, isso é o pior de tudo sem dúvida, mas que factos conduziram a isso? O cão atacou ou teve uma reacção instintiva? (comportamentos reflexos são coisas que até humanos têm, com os piores resultados) - A família tomou todas as precauções para evitar que isso acontecesse? Em que condições é o cão vivia na casa? E por aí em diante.

      No meio do fumo todo que o mediatismo gera, o mesmo aproveitamento que refere relativamente à posição da associação, é o mesmo aproveitamento que se faz da "perigosidade" de certas raças de cães. E ambos podem ser condenáveis.

      A situação da arma, serve apenas para um exemplo comparativo sobre o mau julgamento e a falta de capacidade de certas pessoas na sua relação com objectos/animais que podem gerar situações perigosas para terceiros, infelizmente nestes casos crianças.

      É preciso juntar mais culpados, processar familiares e por aí em diante? Isso já são contas de outro rosário, porque são pessoas vs pessoas e normalmente isso não ajuda nada. Mas, com um algum lirismo é certo, da mesma forma que ninguém culpabiliza a arma ao extremo, não percebo tirando com um certo extremismo como é que o abatimento do cão, por si só, trará paz de espírito ou desculpabilizará o que quer que seja.

      As crianças são de facto o mais importante e a seguir são aqueles que as rodeiam. Centrar a coisa no cão, quer como anjo, quer como demónio é esquecer o foco da tragédia.

      Eliminar
  17. Anónimo2.8.13

    Triste, triste, triste, foi eu por motivos de saída do país com urgência, procurei onde deixar a minha rotweiller com 10 anos, meiga, educada e treinada, que nunca fez mal a ninguém. Mandei email's para dezenas de associações, liguei para mais de 10 associações de animais,liguei para veterinários municipais, e a resposta que obtive foi sempre a mesma:

    - Estamos proibidos de aceitar animais potencialmente perigosos.

    Acho que devia ter mandado a cadela atacar alguém, talvez assim não tivesse de fazer o que fiz...

    R

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo2.8.13

      E o que é que fez? Abandonou-a ou abateu-a?

      Eliminar
    2. Tive que a entregar ao canil municipal, que me informaram que se em 24 horas não houvesse ninguém para a adoptar seria abatida. Infelizmente fui para um país com leis ainda mais rígidas que Portugal em relações a este tipo de animal e estive quase um ano a morar num estúdio de 25 m2 com o meu marido e filho de 4 anos, impossível de levar a cadela.

      Na realidade tive vários "mânfios" interessados em ficar com ela, assim que eu pedia o bilhete de identidade e morada para transferir a propriedade, diziam logo que não, ficavam com a cadela mas não a queriam em seu nome...

      R

      Eliminar
  18. Achei péssima a escolha do nome do cão.

    ResponderEliminar
  19. Anónimo2.8.13

    Independentemente de este ser um post a congratular por nao pagar a recuperação do cão , digo que o cão estava a responsabilidade de quem ? o cão agora tem raciocínio? já fui bem mordida por um cão e nunca apresentei queixa ! porque sei que os animais reflectem tudo a educação dos donos. Morreu a bébé infelizmente mas quem é que tem culpa ? o cão que se assustou que não pensa ou os pais que deixam o bébé andar sozinho pela casa ? o cão la pensa ? Há gente tão estúpida meu deus , acham que o cão é que tem culpa e fez de propósito para matar a criança? o cão que me atacou batiam -lhe e estava sempre preso a uma corrente. Ridículos porra nem parecem gente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo2.8.13

      Sei de quem não tem culpa mesmo: o bebé que morreu! O problema é confundir-se punição (e para isso seria necessário o cão ser considerado pessoa)com prevenção de eventuais casos futuros.

      Eliminar
  20. Anónimo2.8.13

    Exclarecimentozito: A Associação Animal não recebe dinheiros públicos, mas as pessoas podem fazer donativos e abater valores em sede de IRS. Quer dizer que em vez de determinado valor entrar directamente nos cofres do Estado (e o Estado somos todos nós)vai directamente para a Associação. Pois...

    ResponderEliminar
  21. E assim muito de vez em quando, lá aparece um post (ou neste caso logo dois de seguida) que subscrevo tão inteiramente que poderia ter sido eu a escrever. Veja lá, que isso não pode ser bom sinal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luna, se calhar não é mal pensado escrever a seguir um daqueles dos conselhos ao Ruben Patrick...

      Eliminar
    2. É melhor, é melhor...

      Eliminar
    3. p.s. e já agora agradeço-lhe a gargalhada por nos ter relembrado da existência do Padre Freederico.

      Eliminar
    4. reparei agora na gralha. no pun intended.

      Eliminar
  22. Anónimo2.8.13

    Até que enfim que escreveu uma coisa que se aproveita.

    ResponderEliminar
  23. Ainda bem que tanta gente pensa diferente. Impressionante que, em poucas horas, já tinham conseguido os 1400 euros necessários para poderem tirar o cão do canil (que, pelos vistos, o canil decidiu cobrar a super agradável estadia do cão). Eu penso diferente, mas não vou tentar convencer os outros.

    ResponderEliminar
  24. Anónimo3.8.13

    Porque vocês não escrevem o que pensam na página da "ANIMAL" do facebook? Fui o único a criticar esta atitude na dita página e senti-me sózinho! Nós que defendemos as crianças e não os cães agressivos temos que nos unir porque parece que estamos em clara minoria! Tenham coragem e escrevam o que pensam na página da "animal"!

    ResponderEliminar
  25. Pois a mim, se um cão me matasse um filho, de seguida haveriam boas razões para me começarem a chamar de Charles Manson.

    ResponderEliminar
  26. Pois a mim, caso um "cãozinho fofinho" destes me matasse um filho, teriam de seguida razões para me rebaptizarem de "Charles Manson".

    ResponderEliminar
  27. Anónimo6.8.13

    Vim parar a este blog por acaso, e eu que não opino em coíssima nenhuma desta vez não resisti!

    Pois é…o cão Mandela que causa tanto alarido! Para mim, quem gosta, gosta e quem não gosta, pura e simplesmente não gosta!

    Libertaram o cão, felizmente!

    E a libertação deste animal pode ser o inicio de uma mudança da Lei… pode ser o inicio de começarem a responsabilizar os donos… quem não sabe lidar com cães, seja deste porte ou um caniche, então que se dediquem á agricultura por exemplo…pelo menos não são agredidos!

    Gostava de saber, quantas pessoas que aqui escreveram, já alguma vez ajudaram o próximo (estou a falar de pessoas), quantas vezes deram um donativo para ajudar doentes com cancro, a irem por exemplo, á Alemanha fazerem os tratamentos! Quantas vezes alimentaram uma criança ou um idoso ou um sem abrigo que na rua nos pedem dinheiro…e por aí fora!

    Se as pessoas deram dinheiro para a libertação do cão Mandela, o que é que os outros têm a ver com isso?

    Muito mau para mim, é eu estar a financiar com os meus impostos, RSI’s e afins para pessoas que não querem trabalhar (alguns..muitos) e que vestem roupas de marca e têm brutos automóveis estacionados á porta, conforme eu vejo no local onde habito e noutros sítios!

    Sim, eu dei dinheiro para o cão! Sim, eu dou dinheiro para outros animais! E Sim, eu dou dinheiro para pessoas com cancro que precisam de ir á Alemanha, e quando me deparo com crianças ou idosos ou sem abrigo, que têm fome…sim…pago um lanchinho!

    Dou pouco, é certo, mas o pouco que dou, é de coração e com muito pena de não puder dar mais….o meu ordenado liquido, são 700 €!

    Isto dava muito pano para mangas....

    Lurdes

    Cumprimentos a todos!

    ResponderEliminar
  28. Eu só queria acrescentar uma coisinha pequenina: em relação à agressividade de um cão, está provado que um caniche é muito mais agressivo que POR EXEMPLO um pitt bull (ATENÇÃO: Estou a falar de animais treinados, bem tratados e por aí fora), só com a ENORME diferença que se o caniche morder faz-te uns furinhos numa mão e um pitt bull é capaz de te matar. Mas não tem a ver com comportamento, agressividade ou raça... É unica e exclusivamente FORÇA MANDIBULAR.

    ResponderEliminar
  29. Anónimo12.8.13

    Ao contrario dos seres humanos, que agem por maldade e por actos deliberados, os cães são um reflexo do que lhes ensinaram e da vida que levaram. Como é possível que haja tanta gente contra a vida do Zico? O cão atacou pois a vida que teve foi na varanda, possivelmente a ser incitado a atacar outros animais. Pessoas que estão contra o Zico: Tenham juízo e falem do que sabem pois pelos vistos de animais nao percebem nada.Não conheço nenhum cão mau. Conheço maus donos e cães que caíram nas mãos erradas.Força Zico, força ANIMAL e toda a gente q ajuda neste processo.Aos odiosos do cão, espero que olhem por vocês abaixo e pensem nos péssimos donos que são ou seriam.

    ResponderEliminar
  30. Anónimo4.9.13

    Ora vamos lá ver, segundo a opinião de quem acha que o cão devia ser abatido, acho que deveriam alterar de novo a lei de assassinatos voluntarios e involuntarios para Pena de Morte! Se seria justo para os cães, entao que o seja para o animal chamado Homem. Somos todos iguais perante a nossa Natureza, a verdadeira Juiza.

    ResponderEliminar