19 junho 2013

Mau tempo

A lendária atracção que eu exerço sobre senhoras velhinhas, nomeadamente, mas não exclusivamente, fornecendo informações precisas sobre voos para Málaga e Palma por esses aeroportos fora, estende-se aos meus dias de Sul, muito contribuindo para esta indesejada interacção o tempo, o raio do tempo que me vira as páginas do livro do Camarneiro, um tipo que tem ali uma ideia de valor, não é nova, já o Violação de Privacidade, um mau filme com a Sharon Stone, logo a seguir ao Instinto Fatal, tinha aflorado o tema de saber da vida de toda a gente num prédio, o Camarneiro, o último Prémio Leya, tem ali uma coisa de valor e não se aguenta ao desafio, fica uma coisa meio pastosa, que só se livra do meu abandono porque fala do mar e de tempestades.

Mas as senhoras velhinhas, dizia eu, valem-se deste mau tempo para meter conversa, para me lembrar que só eu e senhoras velhinhas é que aguentamos estar na praia com uma ventosga destas, elas a falar de como os netinhos são formosos, eu a tentar aproveitar ser o dono da praia, a regressar do mar a escorrer água e sal e a sentir o respeito dos que ainda não tiraram os polares e as calças compridas, elas a perguntar se recomendo o livro, se sou de cá, credo, se não tenho frio. Eu vou respondendo, respondo sempre a senhoras velhinhas, resisto a ser monossilábico, que não tenho frio, que não, o livro não é nada por aí além, pensando de mim para comigo que, ainda assim, compara bem com a Hola e a Caras que estão a ler, que não, não sou de cá, sou de todo o lado, fecho os olhos, finjo dormir, as senhoras velhinhas dão-me algumas tréguas, imagino-as a olhar-me pelo canto do olho, esperando um sinal de vida, um movimento meu para voltarem ao massacre, eu a pensar que numa praia tão grande todas as senhoras velhinhas estão num raio de vinte metros, epicentro em mim.

15 comentários:

  1. OCorvo19.6.13

    “se sou de cá, credo, se não tenho frio”
    Mas, de que mais precisa? Francamente! Sondagem, caro Pipoco; estudo de mercado, probabilidades seguras de investimento! Nem imagina a sagacidade de que são capazes as avozinhas para fazerem as netinhas felizes.
    Lá está. Acho que não anda a fazer as leituras correctas, perde tempo a ler sobre mares e ventanias e anda desactualizado da realidade e ainda pensa que as avozinhas modernas são as mesmas que tricotavam a camisola de lá ao matulão do netinho de quarenta anos. Não senhor! As avozinhas modernas valem-se do mau tempo e valem-se de tudo para meterem a clarividência em pista e tricotarem todas as probabilidades possíveis para as netinhas. Mesmo com quarenta anos que o amor das avozinhas por elas é infinito.
    As avozinhas modernas não acreditam que o máximo da excitação erotica é uma palestra do Júlio Machado Vaz a dissertar sobre “O amor é.”
    Vá lá que eu ainda vi isto a tempo a fim do caro Pipoco, uma vez que por aí chove e faz frio, não enregelar de vez a sua demanda Sulista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OCorvo19.6.13

      Lã! Camisolas de lã.

      Eliminar
  2. Tenho seguido, porque obviamente não devo ter mais que fazer que seguir blogues alheios, o seu blogue e é a primeira vez que por aqui comento. E porquê? (pergunta o Pipoco em tom nervoso e ansioso)Tão só e apenas porque apesar de gostar de o ler, não tenho nada a acrescentar ao que diz. É que eu não viajo, não percebo nada de vinhos (antes estrago-os com 7up) e a cena do demasiado chique enerva-me. Agora se for o Ruben Patrick a escrever já me sinto mais à vontade para comentar (comentarei, tenha calma). Contudo, não me posso escusar de lhe dizer que me identifiquei consigo neste seu texto. Ó meu Deus!!! Tenho uma afinidade com o Pipoco! Devo estar no bom caminho. Ele gosta de mar e de tempestades e eu também! Será que vai nascer aqui uma linda história de amizade? Veremos... Veremos!
    Até logo e um respeitoso beijo.

    ResponderEliminar
  3. És tu que as atrais ou, pelo contrário, te sentes atraído? É que talvez emanes algum sinal apenas detectável por senhoras velhinhas e seus radares muito experientes…

    ResponderEliminar
  4. Boa, a sensação de ser o paradigma da teoria heliocêntrica ? Ah Senhor, nem a Sul, nem com frio, nem com vento, nem com chuva, nem com mar revolto, nem com velhinhas a sorver- lhe a privacidade....( Isto parece um bocado aquilo do carteiro)... Boa continuação! Por cá, estamos praí em Março....

    ResponderEliminar
  5. Málaga e Palma?! Pipoco cada vez mais perto dos comuns mortais. Influências do Ruben Patrick?

    ResponderEliminar
  6. perdoe-me a ousadia, Sir Pipoco, mas esse título está a pedi-las!

    "O mundo, aliás, nunca lhe aparecera tão vivo, representado na sua solidão de solteiro pela própria força do silêncio da noite e do esgotamento de um dia gasto à espera daquela mensagem de Margarida que dois meses enchiam de uma necessidade dolente e tornavam cada vez mais longínqua. Mas a própria intensidade e uso desse desejo criava em João Garcia um começo de palpitação daquilo por que esperava, como se a carta fosse o seu próprio cérebro excitado, e as sombra do fundo do quarto, o guarda-fato de espelho, o cubículo que lhe servia de escritório abafado em veludos puídos e laçarotes encarnados derivassem da projecção do papel em que Margarida lhe escrevesse."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo20.6.13

      nAnonima, aqui a literatura é outra. O Pipoco nem deve conhecer essa obra, ele é mais de "escritores" modernos.

      Eliminar
  7. Anónimo19.6.13

    Demasiada palha num post com o único propósito de atirar (mais) uma farpa em (mais) um dos novos autores portugueses.
    Mas este post era obrigatório, o Tio Pipoco não ia arriscar-se a perder a prática, pois não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, há um triplo equívoco na sua análise. Primeiro, o post é sobre o mau tempo que faz pelo sul. Estava no título e tudo. Depois, numa segunda iteração, poderíamos dizer que o post é sobre senhoras velhinhas que não deixam um homem descansado. Mesmo em dias de mau tempo, note-se. Finalmente, não gostei do livro, é certo.

      (dizer-se que atiro farpas a quem quer que seja, principalmente a escritores do meu país é claramente uma imprecisão)

      Eliminar
    2. OCorvo19.6.13

      Bem dito! Imprecisão... e em dobro!
      Primeiro porque o Pipoco ainda anda a treinar a pontaria; segundo porque o seu leitor deveria sabê-lo e treinar ainda mais para não falhar o lançamento como falhou.

      Eliminar
  8. "que numa praia tão grande todas as senhoras velhinhas estão num raio de vinte metros, epicentro em mim", obrigada pela gargalhada.

    ResponderEliminar
  9. Anónimo19.6.13

    Eu também me fartei de rir mas foi com os comentários dos seus leitores que são muito enriquecedores :)

    ResponderEliminar
  10. Anónimo20.6.13

    Cuidado que para além das já muito badaladas milfs agora as granys também andam por aí perigosissimas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então, então... isto das Gilfs já não é novidade !

      Eliminar