20 maio 2013

Pipoco revela segredos ancestrais

Homem sai de bar, zoom à porta, fumo sai pela porta, cá fora há nevoeiro, chove, uma chuva miudinha, close up às costas de homem, passo lento, homem sobe a gola da gabardina preta, luz baça dos candeeiros da rua, foco na cara de homem, cara fechada, queixo quadrado, nota-se a léguas que homem foi despachado por mulher bonita e que está infeliz, homem acende cigarro, a cara ilumina-se, continua a chover, gotas de chuva escorregam pela cara de homem infeliz, camisa branca aberta, fica a dúvida se não haverá uma lágrima dissumulada entre as gotas de chuva, homem rijo encolhe-se, baixa as defesas, percebe-se que está frágil, mulher bonita entretanto aparece do nada, comove-se, abraçam-se, último close-up de homem que entretanto perdeu o seu ar de cachorrinho abandonado, homem sorri, está feita a coisa.

(é assim que acontece, minhas senhoras)

6 comentários:

  1. O meu pequeno cérebro criou duas imagens distintas: uma maquina fotográfica e a retrospectiva da série Claxon dos anos 90... os cérebros são coisas engraçadas... o Woody Allen é bem capaz de ter razão.
    No fim, fiquei sem conseguir descobrir como é que acontece o quê ??

    ResponderEliminar
  2. não querendo menosprezar todos os gemidos que já dei, ao ler este Sublime apontamento de Sir Pipoco, verifico agora, à luz desta segunda feira triste - ao não houvesse neste momento cerca de seis milhões de portugueses deprimidos -, que não entendo a coexistência destas duas passagens:
    «homem sobe a gola da gabardina preta» e «camisa branca aberta»
    então, chove, o homem sobe a gabardina, mas a camisa está aberta? (possivelmente o meu amigo já escreveu um post sobre a temática do botão certo, tenho uma vaga recordação de já lhe ter bebido tão sábias palavras, mas - atenção - não é isso que está aqui em causa). voltando ao filme, explique-me lá isso, Sir Pipoco, frio, calor ou um misto? : (ai, quase me saía um sorriso. deixo ficar só os olhinhos)

    Atentamente,

    N

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. N, a sua dúvida é pertinente e revela uma leitura atenta e, mais que atenta, capaz de interpretar os factos e analisá-los à luz da informação disponível. Para além disso, é uma seguidora da minha vasta obra literária e tal facto dá-lhe uma perspectiva global das pequenas idiossincrasias, sendo que a sua alteração nem sempre se justifica com a evolução da obra do autor.

      (O que faltou dizer é que tudo se passa num clima tropical, onde gabardinas pretas e camisas desabotoadas não são de todo incompatíveis, onde a chuva é morna e só subimos a gola do sobretudo para que ela não se nos entranhe pelo corpo e não tanto para nos protegermos do frio)

      Eliminar
    2. !

      [sem palavras... ou melhor, Bravo! esplêndida argumentação.]

      Eliminar
  3. O truque estará na ambience cinematográfica, então?
    Eu acho que estará mais na combinação entre homem atraente e camisa um pouco aberta.
    A coisa estará feita e por ali ficará.
    Os homens que nos dão a volta não são os dos romances de amores impossíveis, que potenciam a casualidade do encontro da carne, serão aqueles que nos farão criar um filme próprio, indigno de qualquer comparação.

    ResponderEliminar
  4. É que gostavamos que acontecesse!

    (Isto parece o final de um episódio do Sexo e da Cidade!)

    ResponderEliminar