24 maio 2013

Esteves Cardoso é muito bom (ou há muitas mulheres a escrever em blogues)

A Rita Maria já falou sobre a coisa, mas foi naquele dia em que o soundbite do dia foi o miúdo das camisolas ter-se levantado e falado grosso, além disso, em sendo eu a falar sobre o tema as pessoas abespinham-se mais, porque ninguém se consegue aborrecer com a Rita Maria, que é um doce de menina e sabe muitas coisas de valor, e o que eu queria dizer é que se nota perfeitamente que a blogosfera é essencialmente feminina porque nisto dos blogs criou-se uma espécie de consenso que o Miguel Esteves Cardoso é um escritor bom e eu não concordo mesmo nada, se me disserem que é bastante fofinho e mora no campo e está apaixonado de uma forma tão intensa que nos comove até à quinta casa decimal, pois que sim senhores, está certo, concordo, agora que tudo o que escreve é muito bom e digno de registo e de citação, isso já é uma conversa mais séria, o Esteves Cardoso só é assim citado porque, lá está, usufrui de se dar o caso de a blogosfera ser essencialmente feminina, não sei se já tinha dito isto, e, sendo essencialmente feminina, há demasiados corações palpitantes e suspiros por um homem que ao mesmo tempo que aprecia comidas boas e vinhos finos e que fala um inglês escorreito, tem a suprema capacidade, ainda assim, de partilhar com todos nós o amor por uma mulher, de tal forma que o diz dias a fio e nós entendemos e admiramos um amor deste quilate.

O Esteves Cardoso era genial nos tempos do Expresso, que foram os tempos ainda antes do Independente, uma horda de jovens adultos dos anos noventa devorava os escritos de Esteves Cardoso e fazia deles tema de conversa nos cafés (naquele tempo usava-se conversar em cafés). Nos tempos do Independente parecia que era ainda mais brilhante (mas não era, só tinha muito menos filtro e podia fazer de excêntrico), havia textos geniais de que ainda hoje me lembro de partes inteiras, caramba, quase votei no Pêpêéme para eleger Esteves Cardoso para o Parlamento Europeu (talvez ainda não me fosse permitido votar, sabe-se lá...), houve mesmo um tempo em que a senhora do quiosque só encomendava uma revista "K" e era para mim, aliás, creio mesmo que era o único comprador da revista no país inteiro, Esteves Cardoso era um mito e aos mitos o melhor tributo que lhes devemos é não fazer de conta que continuam enormes só porque há muitas mulheres a escrever em blogues.

23 comentários:

  1. Eu lhe digo o "doce de menina", humpf.

    (na verdade, acho que sou boa pessoa, ou tento, mas se nunca ninguém se zanga comigo não é por isso, é porque só sou lida por meia dúzia de pessoas)

    ResponderEliminar
  2. penso ate hoje que a "K" foi a melhor revista feita em PT em Portugues...
    digo isto porque so li um ou 2 numeros da Orpheu

    ResponderEliminar
  3. já li o último livro de crónicas dele, muitas delas já tinha lido no público mas não entendi qual foi a ideia de reeditar não sei quantos livros dele agora. para mim não passa de uma campanha de muito dinheiro com a porto editora, normal. ele ag esta muito na moda por causa do doença da MJ e por toda a gente, mesmo quem não faz ideia de onde ele apareceu, o achar um exemplo de homem. era mais uma coisa para dizer, menos!

    ResponderEliminar
  4. Não foi o único caro Pipoco, tenho vários números em casa. E concordo que depois a magia se perdeu.

    ResponderEliminar
  5. Eu gosto do que ele escreve. A minha opinião vale o que vale, mas é minha e não anda ao sabor do vento . Gosto e pronto.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo24.5.13

    Eu gosto de MEC e não tenho um blog. Por outro lado, o seu é dos que mais visito. Não sou seguidora, nem sou de comentar, mas vou passando por aqui, com frequência, em busca de um novo post. Sabe, eu gosto do MEC e do Pipoco e vai ter que aprender a lidar com o facto de os ter metido na mesma frase. Por mais que lhe custe, até consigo, nalgumas coisas, encontrar semelhanças. Ora vejamos, ambos têm piada e gosto da acutilância dos textos e das tentativas de descomplicar as mulheres ou de, pelo menos, compreendê-las. Agrada-me que tentem explicar trivialidades que, de tão habituados que estamos a elas, nunca nos tinham suscitado questões. E nisso, meu caro, encontro semelhanças com os dois. No entanto, não me choca que um homem não goste que outro caia em tão boas graças com as senhoras, aliás, não é à toa que se diz que só pode haver um galo no galinheiro.

    S

    ResponderEliminar
  7. Eu gosto do MEC e sempre gostei. Tenho todos os livros dele, menos o último, portanto não tenho qualquer opinião formada. Não é uma questão de moda e muito menos pelo facto de ter passado por uma fase menos boa com a mulher. Aliás, só soube da doença da mulher e pela fase que estava a atravessar pelos blogues. Na altura, tudo quanto era blogue falava do assunto. Não interferiu de forma alguma no meu interesse pelo MEC. Já fazia parte da 'mobilia' - digamos assim - cá de casa e assim continuará, até eu achar que algo já não me convence. O que divido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo25.5.13

      Até me admira a senhorita gostar do MEC porque é uma senhora tão educada. olhe que ele disse que o amor era fodido.
      Era fodido, já viu? Ainda gosta dele, desse mal criadão?

      Eliminar
  8. Eu que vou rabiscando umas palavras de vez em quando, juntei algumas letras no dia 5, e deu nisto.
    Eu não sou de me auto-promover, e só muito raramente redirecciono links para coisas minhas.
    Aqui, a tese do gato é de TÃo boa memória....

    http://acontarvindodoceu.blogspot.pt/2013/05/o-humor-da-lingua.html

    ResponderEliminar
  9. Mas, mas... Tio Pipoco... acho que se enganou no Miguel...
    (hoje era para falar do Sousa Tavares...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. concordo consigo, Sir Pipoco. já gostei, já não me diz nada. é um belo tema, sim senhor, até porque está novamente nos escaparates. mas o que eu quero realmente é dar os parabéns à Palmier - mais uma vez - é uma das Mulheres que mais me faz rir na blogosfera! Grande Palmier! Obrigada!

      Eliminar
    2. Anónimo25.5.13

      Ja foi melhor, ultimamente anda muito dependente da Cutxi.

      Eliminar
  10. Nanananananananana, eu tb comprava a "K". Não era o único, não senhor!

    ResponderEliminar
  11. O Miguel perdeu irreverência para ganhar humanidade. E é chato perceber que até ele envelhece.

    ResponderEliminar
  12. Anónimo25.5.13

    Tem toda a razão.
    Antes dele se tornar naquilo que é agora, é que era!
    E não quero saber se era a cocaína ou o o que ele bebia, o homem era espectacular!
    Agora é "nhe".
    E tenho pena!

    ResponderEliminar
  13. Sabes que podes continuar a ler os textos antigos, não sabes? E, ainda que no passado (ou no presente), esses textos são intemporais e continuam geniais!

    Inveja, é o que é (afinal tb a há nos blogs masculinos, vêem?!) ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mámen, meu caro, revisito amiúde alguns escritos de Esteves Cardoso, a grande escrita é tão revigorante como a grande música.

      (estive a reler o que escrevi e percebo que não fui suficientemente assertivo a declarar a minha admiração, tanta que me custa ver glorificados textos menores)

      Eliminar
  14. Caro Pipoco, o Miguel Esteves Cardoso está mais enorme que nunca, mas infelizmente para ele e para nós a coisa resume-se ao índice de massa corporal.

    Já os escritos antigos, estão mesmo na estante aqui à frente da secretária e quando um tipo retoma o escriticas pop e as lições para nos tornarmos um crítico de música, qualquer dúvida quanto a qualidade se desvanece. A mesma estante alberga a primeira K, as outras, vá-se lá saber porquê, foram para o lixo.

    ResponderEliminar
  15. A qualidade de textos passados permanecerá sempre intocável e, no presente, quero apenas referir que o senhor parece agora uma simpática velhinha inglesa (pelo menos na última entrevista que vi numa revista).

    Se posso acrescentar algo mais é que - o amor pelo que de bom há no passado a alguns faz deculpar as imperfeições do presente na expectativa de um futuro melhor, a outros desilude porque a cada exemplo menos conseguido se afasta a ideia que a coisa há-de voltar a ser o que era...

    ResponderEliminar
  16. Maria27.5.13

    Folgo em saber que não sou a unica a lembrar-se de textos inteiros de Miguel Esteves Cardoso na "K" ou no "Independente". Começava a achar-me sozinha no mundo...

    ResponderEliminar
  17. Anónimo2.6.13

    Caro Pipoco, também eu lia a "K". Sou fã do MEC desde essa altura até agora. Gostei e gosto do seu estilo. Não gostei deste seu texto. Mas as opiniões são como as...se é que me entende...
    Isis

    ResponderEliminar