12 dezembro 2012

Disso da bola

Não é que desta vez tivesse quem me esperasse no aeroporto, que não tinha, nunca tenho ninguém à minha espera em aeroportos, mas tinha quem me esperasse para jantar a dez minutos do aeroporto, amigos de muitos anos equipados com desfibrilhador e prontos para me fazerem massagem cardíaca, alguma coisa que me reanimasse no preciso momento em que desfalecesse em consequência da notícia que tínhamos perdido contra o Benfica um destes dias.

Pedi-lhes que se abeirassem mais de mim, que não temessem, que eu tinha palavras sábias, que era chegada a hora de lhas transmitir.

E expliquei-lhes longamente o que é isto de ser do Sporting, que normalmente nada mais nos aborrece senão o Sporting, que seria uma tormenta se nos tirassem esta pequena luxúria de sofrer por causa dos resultados da bola do nosso clube, que logo nos restabelecemos, afinal temos sempre um bom vinho tinto e a palavra aconchegante de Borges ou de Espanca, tudo acompanhado por um Requiem de Mozart, que a vida segue igual, há pistas de esqui com neve virgem à nossa espera, há carpaccio de trufas para nos apaziguar a alma, há mulheres que nos mimam quando percebem no nosso olhar que a coisa não correu pelo melhor.

E eles, amigos que são, perceberam perfeitamente o que eu lhes transmiti e acenaram que sim, que eram avisadas as minhas palavras e que eram acertados os meus pensamentos.

5 comentários:

  1. "seria uma tormenta se nos tirassem esta pequena luxúria de sofrer por causa dos resultados da bola do nosso clube, que logo nos restabelecemos!

    esse é o espírito! :)

    ResponderEliminar
  2. "Só nos curamos dum sofrimento depois de o haver suportado até ao fim" ... E no fim it still hurts só good.... :)

    ResponderEliminar
  3. Os sportinguistas são almas escolhidas por uma entidade divina, abençoadas, porque suportam de forma estóica o sofrimento causado pelo clube. Aqui em casa são todos escolhidos por essa entidade divina!

    ResponderEliminar
  4. Segunda-feira calculo que tenham tentado de tudo, até vinho do Biqueirão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. um dia aperto-te o pescoço, vermelhão!!!! :)

      Eliminar