21 outubro 2012

Eu sei

"O tempo, conforme um muro, uma torre, qualquer construção, faz com que deixe de haver diferenças entre a verdade e a mentira. O tempo mistura a verdade com a mentira. Aquilo que aconteceu mistura-se com aquilo que eu quero que tenha acontecido e com aquilo que me contaram que aconteceu. A minha memória não é minha. A minha memória sou eu distorcido pelo tempo e misturado comigo próprio: com o meu medo, com a minha culpa, com o meu arrependimento."

José Luís Peixoto, in Cemitério de Pianos

14 comentários:

  1. Suponho que essa será uma forma de avaliar a nossa responsabilidade à medida que os anos vão passando. Um pouco ao estilo, eu hoje sei muito mais e não voltava a fazer assim. A meu ver, não deixa no entanto de ser uma forma medíocre de abordar a vida. Nada altera o que aconteceu. O tempo permite, contudo, fazer melhor quando a história se repete.
    Um detalhe, a primeira frase do parágrafo não significa absolutamente nada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. RCA, é um bom ponto de vista, o seu. Excelente comentário.

      (no entanto, no contexto do livro, é uma tirada que faz sentido, trata-se de um episódio grave que aconteceu ao narrador quando tinha quatro anos e é normal que a sua memória seja de fragmentos do que lhe contaram e do que realmente aconteceu. Também é verdade que o que o contexto em que eu próprio retirei este parágrafo do livro é bem diferente do do autor e é aquele que o RCA captou)

      (e não concordo com a sua análise da primeira frase, creio que aqui as torres e os muros são obstáculos que nos separam de uma visão desafogada da realidade, tal como o tempo)

      Eliminar
  2. "A minha memória sou eu distorcido pelo tempo e misturado comigo próprio: com o meu medo, com a minha culpa, com o meu arrependimento." Não conseguiria decrever melhor o que hoje sinto...

    ResponderEliminar
  3. Este pedaço de texto descreve bem uma realidade com que tenho de lidar, os julgamentos feitos muitos anos depois dos factos terem ocorrido!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Outro bom ponto de vista, outra alternativa interessante de "ler" este pedaço de texto.

      Eliminar
  4. E é aqui que às vezes me confundo, sem saber ao certo quanto de verdade há em mim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Partilhe lá melhor o conceito, Sexo e a Idade. (ainda que projectemos para os outros verdades distorcidas, nós sabemos sempre a verdade sobre nós próprios. Ou não?...)

      Eliminar
    2. Então Pipoco?
      As coisas são como são, e não se pode contar tudo...

      Eliminar
  5. gosto muito de josé luis peixoto, assim como desse livro. boa sugestão, tio.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo21.10.12

    "Quando considero a minha vida fico apavorado ao achá-la informe. A existência dos heróis, aquela que nos contam, é simples: vai direita ao fim como uma seta. E a maioria dos homens gosta de resumir a sua vida num preceito, por vezes numa jactância ou numa lamentação, quase sempre numa recriminação; a sua memória fabrica-lhes complacentemente uma existência explicável e clara. A minha vida tem contornos menos firmes. Como sucede frequentemente, é talvez o que eu não fui que a define com maior justeza (...)"

    Marguerite Yourcenar, in Memórias de Adriano

    Maria Helena

    P.S.- A diferença entre vinho da zona de Pegões, produção particular, e um Barca Velha também seria interessante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excente associação, como de costume, Maria Helena. Vou ficar a pensar nisso de o que melhor me define ser aquilo que não fui.

      (aprendi que, mais que a qualidade, são os momentos e as companhias que nos fazem recordar um vinho para sempre. Logo, no limite, não haveria muita diferença entre uma produção particular de Pegões e um Barca Velha)

      Eliminar
    2. Anónimo21.10.12

      Evidentemente que o que o essencial é a comunhão, seja ela com um copo de água, Pegões ou Barca Velha.
      Pretendi ironizar porque a escrita de José Luís Peixoto não me diz nada e apetece-me sempre lançar umas farpas.
      O que importa é que se leia.

      Maria Helena

      Eliminar
  7. Sim, também concordo que nem sempre o que carregamos na memória, é produto da nossa própria recordação, é muitas vezes tudo confundido entre o contado, o desejado... o distorcido, sob o qual às vezes erigimos uma identidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22.10.12

      Absolutamente de acordo, Morena. E quem sabe não temos tudo trocado e a nossa identidade é por isso tão deficitária!! Não sabemos, e temo nunca o saibamos.

      Eliminar