29 agosto 2012

As coisas são como são

Fiz-te entender os vinhos, aprendeste que não são todos iguais e há alturas certas para apreciar cada um deles, ensinei-te os livros, que havia mais para além dos chilenos e peruanos e mexicanos, que nem sempre os americanos são melhores que os russos, expliquei-te a música e aprendeste a gostar de Rossini e Verdi e Wagner, só não consegui que apreciasses as montanhas, nunca te preocupaste em compreender isto das montanhas e afinal era a única coisa que importava, gostar das montanhas importava, aliás, era a única coisa que no fim de contas realmente importava.

27 comentários:

  1. Anónimo29.8.12

    Não era amor.

    ResponderEliminar
  2. E eu que fico a gostar e a interessar-me (verdadeiramente) por tudo, cá estou, sózinha...

    ResponderEliminar
  3. para a próxima já sabe, não insista tanto no que não tem tanta importância assim.

    ResponderEliminar
  4. Madalena sem Pecado29.8.12

    Eu interesso-me por montanhas, por serras, por morros e por tudo que sejam protuberâncias.:)
    Acha que tenho alguma chance?

    ResponderEliminar
  5. Começavas pelas montanhas se é o que realmente importava para ti. É fácil cultivar os outros pelo ouvido, pela leitura, pelo trago, não faz parte da zona de conforto.

    ResponderEliminar
  6. É agora que o Capitão Von Trapp canta o Edelweiss ????

    ResponderEliminar
  7. Afinal ela até tinha algum bom senso.

    ResponderEliminar
  8. Caro Pipoco,
    Espero que não contem aquelas montanhas que diziam ser russas. Porque essas não interessa para nada, apreciar e compreender.

    ResponderEliminar
  9. Anónimo29.8.12

    Tio Pipoco, também não é o fim do mundo....deixe lá!
    Sara

    ResponderEliminar
  10. Não há nada como ler um livro de um emigrante russo naturalizado americano a viver no México, enquanto se bebe um vinho chileno nas encostas dos Andes ao som de Wagner tocado numa flauta de pan.

    Ou então é carregar no vinho primeiro e qualquer história faz sentido depois.

    ResponderEliminar
  11. Maman30.8.12

    ... Empenhei o meu anel de rúbis...

    ResponderEliminar
  12. Mostre-lhe primeiro como se descem as montanhas, pode ser que ela mude de ideias.
    (e porque é que agora só se vê uma mensagem de cada vez? Uma pessoa não sabe a quantas anda..)

    ResponderEliminar
  13. por isso30.8.12

    "fiz-te entender, aprendeste, ensinei-te, expliquei-te e aprendeste a gostar"

    ResponderEliminar
  14. Anónimo30.8.12

    por isso, leu-me os pensamentos. Quando só se quer ensinar e se acha que não tem grande coisa para aprender é o que acontece. Não sou, em regra, pela desgraça alheia, mas fico com vontade de dizer "Bem feito! Em havendo próxima vez, acomode melhor o ego, que parece estar a ocupar muito espaço, e veja se não repete os mesmos erros...". Contudo, as coisas são como são e isto é só um blog.

    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. por isso30.8.12

      tb "quando só se quer aprender e se acha que não tem grande coisa para ensinar" dá no mesmo resultado. Estar atento a não repetir erros é tarefa rigorosa, será possível repetir, fazer e refazer como quem sabe e não sabe? As coisas são para além do que são e as montanhas não são apenas montanhas.

      Eliminar
  15. Anónimo30.8.12

    Ó tio Pipoco, tio Pipoco faça lá o obséquio de colocar mais mensagens por página. A sua sobrinha acabou de o conhecer e isto não dá jeito nenhum ter de estar sempre a carregar nas mensagens antigas cada vez que quero ler as suas dissertações anteriores.
    Saudades da sua sobrinha Alice
    Acredito que não me vai fazer essa desfeita, pois não tioooooo...vá lá.....é só desta vezzz....

    ResponderEliminar
  16. http://www.cinematheque.ch/typo3temp/pics/3fc24d4f55.jpg

    ResponderEliminar
  17. pássaro viajeiro30.8.12

    O grande inconveniente quando se pretende ensinar uma mulher, é que, normalmente, e por margem muito dilatada, ela é sempre mais professora do que aluna.
    Sabe por que não aprendeu nada sobre montanhas? Porque não se coadunam com saltos altos.

    ResponderEliminar
  18. Ensinamentos e explicações de lado, nada importa quando a essência não combina. Aprendemos e ensinamos também mas só tem mesmo relevância quando o que já lá estava antes nos agrada, o resto é meramente acessório.

    ResponderEliminar
  19. Chegaste a empenhar o anel de rubi?

    (porra, anteciparam-se)

    ResponderEliminar
  20. Anónimo30.8.12

    você ensinou muita coisa. e não aprendeu nada com ela?

    ResponderEliminar
  21. Anónimo31.8.12

    http://www.cinematheque.ch/typo3temp/pics/3fc24d4f55.jpg

    ResponderEliminar
  22. Anónimo31.8.12

    Como é que se retira do texto que o Pipoco se refere a uma mulher? Mais uma vez, sinto-me ignorante. Ou será só dificuldade em aceitar estereótipos? Não pode o Pipoco ter um delfim? Ou, concedendo que havia ali um interesse amoroso, tem mesmo que ser uma mulher?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pássaro viajeiro3.9.12

      Tira-se porque..."Ensinei-te os livros"

      Eliminar
  23. E empurrar o pupilo pela montanha?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pássaro viajeiro4.9.12

      Que pupilo!?

      Eliminar