19 julho 2012

Em verdade vos digo

De vez em quando há temas da moda aqui por isto dos blogs, esta é a semana em que se fala do livro que acompanhará os banhos de mar, o não sei quê de Gray, ou lá como se chama aquilo e é tiro certo, haverá quem escreva sobre o tema e haverá quem vá dizendo que o livro é fácil, e tal, que é leve e que aquilo é só sexo, como se isso fosse coisa ruim, afinal o livro ser só sexo foi o que fez com que a desiludida leitora o comprasse (o género masculino prefere outra literatura de férias, uma coisa em bom, a ser sobre temática sexual que seja um Miller, vá lá, um Nabokov) e será o que levará quem lê o post a comprá-lo também.

Para mim, tenho que ler um mau livro é sempre melhor que não ler livro nenhum, como escrever um mau blog é sempre melhor que não escrever blog nenhum, acredito que quem começa por maus livros, ainda que seja já em idade de estar a ler os russos mais complicados, acabará por ler mais uns maus livros, cansar-se, exigir mais e, nos casos mais felizes, acabar a ler livros de média dificuldade, um Saramago, um Pamuk, talvez um Sepulveda.

21 comentários:

  1. Mas que livro é esse do Gray não sei das quantas?
    eu não acho que Sepulveda seja de média dificuldade...
    Quanto aos russos complicados ou simples ainda não consegui gostar deles...

    ResponderEliminar
  2. concordo ctg...antes ler um mau livro que nao ler livro nenhum
    Tenho novos posts no blog...passem por lá

    ResponderEliminar
  3. Concordo em absoluto :)

    ResponderEliminar
  4. A minha avó também acha que quando uma pessoa experimenta drogas leves acaba sempre por ir parar às drogas duras. Mas ela não lê livros, só a TV7dias e os rodapés do Gouxa.

    ResponderEliminar
  5. pássaro viajeiro19.7.12

    Não concordo: Entre ler um mau livro e não ler nenhum, é mais salutar, tanto para o espírito como para o desenvolvimento cultural/intelectual, não ler nenhum.
    Particularmente, não é o nome de um autor que me influencia na aquisição de escolha. Já li obras-primas de literatura de autores pouco ou nada conhecidos, e também já me deparei com a vulgaridade de autores de renome.
    Li, recentemente, um livro que pode ser catalogado de romance, de um autor; neste caso autora, que simplesmente o assina como "Anónimo". Trata-se da obra "A Noiva Despida" publicado pela ASA.
    Comprei-o pelo que a dedicatória a quem era dirigido, me sugeriu."Para o meu marido. Para todos os maridos"
    Na última página, e permita-me transcrevê-la, a autora elucida os leitores do por quê do anonimato.

    “Caro leitor.
    Provavelmente está a interrogar-se por que é que decidi escrever este livro anonimamente. A Noiva Despida é um livro profundamente íntimo e eu tinha motivos pessoais para não querer o meu nome vinculado a ele. Não quer dizer que se trate de um livro autobiográfico; é muitas coisas, ficção e não-ficção, fantasia e facto, uma manta de retalhos feita não só das minhas próprias histórias, mas também das das minhas amigas. A questão é que eu queria escrever um relato absolutamente honesto sobre a vida secreta de uma mulher e só me senti à vontade para o fazer ocultando o meu nome”

    Provavelmente o caro Pipoco, e leitores seus que concordem consigo, nunca comprariam este livro dado ser um anónimo a escrevê-lo.
    Eu comprei, li e surpreendi-me sobremaneira.
    Aconselho vivamente!

    (obs) Não sou funcionário da ASA nem tenho quaisquer interesses no Grupo Leya. Como autor, se tivesse que referenciar uma editora para fins publicitários, seria a minha.

    ResponderEliminar
  6. Eu por acaso também não estou nada convencida de que seja melhor ler um mau livro a não ler de todo (e já tenho a minha dose de trampas). Mas na verdade, o que eu queria mesmo dizer, é que acho um pouco simplicista afirmar que Nabokov escreve sobre sexo. Suponho que se esteja a referir a Lolita, livro que tenho alguma dificuldade em categorizar, fala de sexo, como de psicologia, de amor e até mistura bocadinho de policial. Das melhores obras que me passaram pelas mãos.

    (e não pense que não se nota a nota, passo o pleonasmo, de machismo latente e nada subliminar)

    ResponderEliminar
  7. (bem haja. stilletto, por ter relevado a essência do post)

    ResponderEliminar
  8. Eu vim aqui protestar pela forma como o Nabokov foi tratado neste post.
    pronto.

    ResponderEliminar
  9. Leitora19.7.12

    Já eu venho aqui concordar com o pássaro viajante.
    Conheço o "Noiva Despida" e não podia concordar mais com ele.
    Como ficar indiferente a tanta literatura de qualidade?
    Vejam, meditem e julguem este pequenino extracto.

    * Uma lua-de-mel. Uma terra estrangeira.
    Eis-te, a sucumbir ao ritual sexual e a recordares o dia em que, com sete anos, descobriste a água. Nunca tinhas estado numa piscina, não havia piscinas no lugar em que foste criada. Lembras-te de uma férias de Verão e de uma piscina com água a subir-te pela barriga, à medida em que ias entrando a passos cautelosos, e do lento rastejar do frio na tua pele e o ar preso num nó no teu estômago e a tua mãe sempre à tua frente, a sorrir e a incentivar-te, de mãos esticadas para ti, a recuar cada vez mais. Depois, de repente, perdes o pé e estás a flutuar e a água ampara a tua barriga e pernas como se feita de corda, vigorosa, balsâmica e sedosa, e a recordação tem a imensidade de um primeiro beijo.
    Quanto à primeira vez que fodeste, bom, lembras-te do som, enquanto ele te preparava com os dedos entre as tuas pernas, e pouco mais. Nem sequer o nome recordas.*

    ResponderEliminar
  10. não estou convencida que exista essa evolução porque se ela existisse estes livros não continuariam a vender como paezinhos quentes.
    O problema do livro em questão não é estar cheio de sexo, é ser mesmo muito mal escrito até um romance da Harlequin que compra nos quiosques consegue estar mais bem escrito :) Há claro um fraco desenrolar de acontecimentos, personagens desinteressantes e até mesmo incoerencias, mas isso até seriam pormenores se fosse bem escrito. Há quem escreva bem e quem saiba contar uma história e há quem faça as duas coisas e aí temos um génio.

    ResponderEliminar
  11. Ora bolas, um mau livro melhor que livro nenhum; um mau blog melhor que blog nenhum?!?!? E eu que pensava que o Pipoco valorizava a qualidade acima de todas as coisas, e eu o pensava um verdadeiro apreciador do Bom e Superior, afinal... O Pipoco desculpe, mas muito melhor não ler livro nenhum do que ler um reles; muito melhor não ter blog, do que ter um miserável... muito melhor só que mal acompanhado, a esta idade, já devia saber!! Inclusivamente porque más coisas a distorcer e embrutecer um povo, já há que chegue...não é preciso ainda má literatura e maus blogs, se me permite meu caro.

    ResponderEliminar
  12. A Stiletto desculpe, mas o machismo latente é mote costumeiro por estas páginas do Pipoco!!

    ResponderEliminar
  13. Anónimo19.7.12

    Já que estamos neste pé, o Miller também não é sobre sexo. O Miller é sobre circo, planícies, felicidade, desgostos, vida, morte...
    Anda a ler os livros errados, Pipoco.
    sc

    ResponderEliminar
  14. pássaro viajeiro19.7.12

    Viajeiro, Leitora; viajeiro.

    ResponderEliminar
  15. Morena Singular, por acaso não é. Mas de vez em quando ele gosta de ar o ar de sua graça, umas vezes sorrindo, outras rindo à gargalhada.

    ResponderEliminar
  16. Leitora19.7.12

    Pássaro viajeiro: ou isso.;)

    ResponderEliminar
  17. Morena Singular, Stiletto?!?!? Quem é essa?! Não leu o Eça?? Ai ai...
    Mas é bonito defender assim o seu cavaleiro!

    ResponderEliminar
  18. Querido Pipoco, folgo em encontrá-lo bem e mais ainda lhe digo que concordo totalmente com a sua afirmação "escrever um mau blog é sempre melhor que não escrever blog nenhum"... por isso ao fim de alguns anos de coma literário voltei a escrever! :)

    Sobre o tal Grey, atiçou-me a curiosidade, sou capaz de o ler apesar das críticas terríveis que tenho visto por aí (mas fiquei curiosa sobre o que classificam de "mommy porn") e mais ainda sobre esta ideia que ter mau sexo é sempre melhor que não ter nenhum!

    Beijos caro amigo!
    Miranda (ex-Arlinda)

    ResponderEliminar
  19. Leitora20.7.12

    Meninas...então!?
    Mantenham o nível, não percam o look.:)
    Decoro, meninas, decoro.

    ( Desculpe o plágio, "Quase nos entas")

    ResponderEliminar
  20. Anónimo21.7.12

    Olhe que não Pipoco, olhe que não!
    Eu cá não tenho nenhum blog (ainda bem), seria um daqueles péssimos!
    Quanto aos livrinhos, é preciso ter muito tempo livre nesta vida para 'maus livros'!

    M

    ResponderEliminar
  21. De acordo! algum livro é melhor que livro nenhum! E um livro sobre sexo não é de deitar fora, principalmente quando ainda existe tanta vergonha em lidar com a sexualidade. Que as mulheres o estejam a ler é de glorificar (muita gente a corar no metro por estes dias)!

    ResponderEliminar