14 junho 2012

Em verdade te digo, Ruben Patrick

Não poderás dizer que conheces uma mulher se nunca tiveres caminhado ao lado dela numa madrugada de chuva, ela caminhando descalça, segurando os sapatos de salto alto na mão, tu escutando em silêncio a forma como ela fala sobre o tipo que acabou de lhe cortar o coração às postas, nunca poderás dizer que conheces uma mulher se não tiveres estado a seu lado no preciso momento em que ela sucumbe ao quinto gin tónico e percebes como ela reage a como a deitas na cama enquanto lhe afagas a cabeça e lhe dizes que está tudo bem e que ficarás por perto, nunca poderás dizer que conheces uma mulher enquanto não souberes como se comporta ela quando te atrasares uma hora para o almoço que tu próprio marcaste.

12 comentários:

  1. Anónimo14.6.12

    Caríssimo, é experiência ou é mesmo preguiça?

    Maria Helena

    (sendo que a última pode ser virtuose e portanto ser uma enorme jóia)

    ResponderEliminar
  2. Em verdade lhe digo, caro pipoco, nunca conhecerá uma mulher a ler romances cor de rosa...

    ResponderEliminar
  3. "Em verdade te digo" que cada vez gosto mais de te ler. Beijos

    ResponderEliminar
  4. Não poderás dizer que conheces uma mulher se não mantiveres um registo do seu ciclo menstrual num calendário e conseguires prever a ocorrência da TPM e assim evitares chegar atrasado uma hora a um almoço marcado num dia que fique dentro daquilo que eu chamo "red zone".

    ResponderEliminar
  5. Posso-me rir às gargalhadas? :D

    ResponderEliminar
  6. Neste caso, com o RP, acho que terá uma interpretação um pouco diferente. Ora vejamos.

    O Ruben foi sair com uma das gajas da Rinchoa que ele conhece e a quem um man lhe meteu os palitos. De tão fodida que ficou, apanhou uma touca tão grande (pudera, cinco gins??) que gregoriou os sapatos e teve que ir descalça ate a cama. Claro que o Ruben a queria deitar de outra forma mas como não havia condições, teve que ser posta a dormir ate estar em termos de caminhar por si própria. Assim sendo, la se marcou novo encontro, desta vez ao almoço a ver se a cena desta vez não se repete.

    ResponderEliminar
  7. 1 hora! 1 hora? E ela esperou? Ou, eventualmente, esperaria?
    Essa é mulher para casar, que hoje em dia ninguém espera mais de 10 minutos nem que seja pelo Papa.
    1 hora? A sério?... Caramba... Eu praguejava como gente grande se fosse comigo.

    ResponderEliminar
  8. Grande Jibóia...

    (muto bom comentário, mesmo)

    ResponderEliminar
  9. Pipoco, desculpe a indiscrição, mas anda a tomar a medicação? Tenho que dar razão ao Jingas. Romance cor de rosa/erótico (?), formato de bolso, papel amarelo, de capa desbotada pelo sol, à venda nos quiosques em expositores rotativos, ao lado dos postais fotográficos e outros "recuerdos"?

    ResponderEliminar
  10. Ando a sortear excertos de frases ao acaso em blogs e neste post fiquei-me por "Ela reage a como a deitas na cama enquanto lhe afagas..."

    O imaginário depois faz o resto e o imaginário é muito bom a conhecer mulheres.

    ResponderEliminar
  11. Até que gostei de ler...

    ResponderEliminar
  12. Este post parece uma daquelas crónicas da Cosmopolitan (será que ainda existe?) "como saber se..." mas em elaborado.
    Em verdade lhe digo, caro Pipoco, que, em se atrasando 1 hora para almoçar comigo, nunca me chegaria a conhecer a menos que me aparecesse com uma perna partida... vá um automóvel alemão todo partido iria dar ao mesmo.

    ResponderEliminar