20 abril 2012

Crónica de um dia anunciado

São sete da manhã e estou a correr na Castellana, disseram-me que correr é saudável e eu acredito que sim, pelo menos será mais saudável que ouvir os vizinhos do quarto do lado numa maratona sexual, parece-me que ele está a perder feio, gosto de descer do meu hotel, passar pelo Santiago Bernabéu e voltar para trás quando chego ao Prado, são oito da manhã e lá estou eu com a minha gravata verde, a dos dias de jogo, a manhã não corre bem nem mal, caramba, já passou um trimestre, fala-se do pedido de perdão do rei e do fiasco do Coentrão, não é disto que me apetecia falar mas lá digo que sim, que é como eles dizem, almoçamos no bar do aeroporto, dizem-me que há um restaurante que vale a pena conhecer, para os lados da praça de Santa Ana não percebo onde fica mas afirmo que sim, que havemos de lá ir, assino papéis e vou à minha vida, são três da tarde e estou em Lisboa, entregam-me mais papéis que tenho que ler antes da reunião que já começou, são seis da tarde e começo a impacientar-me, há aquilo do jogo, consigo chegar a horas, ao que é importante chego sempre a horas, a menina vestida de verde pergunta-me se tomo café, penso que é o sétimo do dia, não importa, que seja, bebo vinho durante a primeira parte, jantamos no intervalo e falamos de coisas que me dá igual que se passem assim ou de outra forma qualquer, acaba o intervalo e nós ainda a jantar, a vida é assim mesmo, afinal estou a trabalhar e faço de conta que não me importo, que prefiro jantar devagar a voltar lá para dentro, quando regressamos estamos a perder, faço de conta que não sabia, que não tinha visto pelo canto do olho a televisão que estava na sala de refeições, afinal ganhamos aquilo, levantamo-nos comedidamente a cada golo, apertamos as mãos no final, bom jogo, regresso a pé ao estacionamento, lá longe, venho devagar, ainda tenho tempo para me juntar aos que aplaudem os do Bilbao que saem do estádio para os autocarros, uma ovação em bom, sempre gostei de Bilbao, creio que é a cidade com as mulheres mais bonitas da Europa, apanho ar frio, gosto do ar frio da minha cidade, entro no carro, ouço Bach, sempre Bach até me fartar, um amigo liga-me, também está por ali, bebemos um gin tónico no Galeto, seguimos às nossas vidas, chego a casa, a cadela salta-me para os ombros e tenta lamber-me a cara, entro, está tudo em serena quietude, preparo a reunião das nove de amanhã, são quatro da manhã e a vida é boa.

16 comentários:

  1. Elimine aí o primeiro hífen em levanta- mo-nos homem!!

    ResponderEliminar
  2. Anónimo20.4.12

    Amigo Mais Salgado,

    esses seus espiches sobre papéis e reuniões são de um tédio que beira ao constrangedor.

    Para não falar dessa sua mania por esse desporto de maltrapilhos.

    Sofistique-se, homem.

    Seu
    Therriga de Benoliel

    PS: A Maria Eduarda envia-lhe um beijinho e pede-me que lhe diga que a sua presença foi muito apreciada (principalmente pelas convivas).

    ResponderEliminar
  3. a vida é uma eterna correria... algumas mais saudáveis, outras mais stressantes...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo20.4.12

    Emocionei-me com a magnífica qualidade da escrita.
    Seria suposto?
    Filipe[Lwy]

    ResponderEliminar
  5. Se contornar pela direita a Plaza Mayor, a Plaza de Santa Ana, fica por detrás, "boas esplanadas, bons restaurantes, bom vinho a copo"

    Lugar muito frequentado pelos "Gauche Caviar", os Barden têm aí um restaurante.

    ResponderEliminar
  6. Tio Pipoco deixe-me que lhe diga que isso é um tédio! Essa coisa da celebração de golos controlada... bah!

    ResponderEliminar
  7. Kiss Me, feito. (eram quatro da manhã, peço a sua clemência)

    ResponderEliminar
  8. Vi, estavam para cima de quarenta mil em Alvalada. Solitária?...

    ResponderEliminar
  9. Rosamarela, às vezes fico no Melia da Plaza de Santa Ana. Confirmo o que diz.

    ResponderEliminar
  10. V*, é como diz. Uma eterna correria, graças aos Céus.

    ResponderEliminar
  11. Ui, Maria Pitufa, sabe lá... Tédio até à quinta casa decimal, um horror.

    ResponderEliminar
  12. sob esse ponto de vista então esteve cheio de companhia. Apesar de solitário, muito bom o texto!

    ResponderEliminar
  13. Acredito que sim!! A minha componente mediterrânica, que com certeza, será horrível para alguém tão erudito como o Tio Pipoco que pelo estilo parece ser daqueles que vivia feliz num daqueles países nórdicos em que todos são felizes e organizados, não consegue conceber a ideia de festejar uma alegria, ainda para mais de algo tão emotivo como me apercebo que o futebol é para muitos adeptos de forma controlada!!Não encaixa!!

    ResponderEliminar
  14. Anónimo20.4.12

    apesar de terminar o texto com "..a vida é boa", denoto uma certa tristeza.
    A sua.
    Espero enganar-me, pois para triste já basto eu.
    Sabe que me tenho sorrido ao lê-lo ?
    Muito obrigada.
    Maria.

    ResponderEliminar
  15. Anónimo21.4.12

    "sempre gostei de Bilbao, creio que é a cidade com as mulheres mais bonitas da Europa"

    ahahahahaahhhhh

    é que ainda depois de horas, ao reler isto me parto a rir.
    só se for uma mão cheia de mulheres dondocas que se passeiam pela gran via e seu entorno (um par de ruas para cada lado, cima e baixo) ... porque as bascas ... uí, nem consigo bem descrever, só vendo para acreditar.

    sophia

    ResponderEliminar