03 novembro 2010

Vidas

A verdade é que a vida sempre me foi fácil, bastou-me saber que o meu pai me segurava sempre quando me atirava ao ar e que a minha mãe aparecia sempre quando eu me inquietava, com essas duas certezas a vida tornou-se fácil, quando sabemos que há smepre quem nos agarre quando estamos no ar, aprendemos a sair da zona de conforto, aliás, acabamos por eliminar isso da zona que não é de conforto, depois as pessoas têm tendência a facilitar a vida aos que têm uma vida fácil, as pessoas tendem a facilitar a sua própria vida e é muito mais confortável facilitar pouco e sabe-se que os que precisam apenas de uma pequena ajuda, os da vida fácil como eu, dão menos trabalho, depois é só andar por aí, as coisas acabam por se dar, basta que me apeteça que elas de facto aconteçam, o problema é que nós, os da vida fácil, não escrevemos coisas elaboradas, daquelas com muitas mensagens subliminares, que as pessoas lêem e dizem que sim senhores, aqui temos uma alma sofrida e esse sofrimento é que dá densidade à escrita, nós, os da vida fácil temos aqui a vida complicada, escrevemos pior, mas, em verdade vos digo, se me dessem a escolher, eu acabava sempre por escolher isto de ter uma vida fácil.

6 comentários:

  1. eu também escolheria ter isso da vida fácil, mas não me foi dada opção. mais fácil seria o meu pai nem repara que eu estava ali ao lado para me atirar ao ar e apanhar sem cair. em compensação sou uma das melhores escritoras da bloga do mundo [modéstia à parte]. coisas.

    ResponderEliminar
  2. Nem todos temos a hipótese de escolher. É a vida, apenas isso. CAbe a nós escolher vive-la da melhor maneira. Beijos

    ResponderEliminar
  3. Sempre gostei de quando o meu pai me atirava à água, mesmo no Inverno.

    A única dificuldade era mesmo sair do saco...

    ResponderEliminar
  4. A verdade é que a fórmula dos posts se repete ciclicamente.
    Em verdade lhe digo, Pipoco, está a ficar aborrecido.
    (Pelo meio diria qualquer coisa sobre isso da vida fácil e seu reflexo na escrita, mas não vale a pena...)

    ResponderEliminar
  5. Gostava de poder ter escrito este post. Não na sua forma (que está muito bem escrito, que está), mas no seu conteudo. Gostava de sentir isso da vida facil e das certezas.
    Mas também acho que saber que os outros estão lá sempre no matter what, pode desresponsabilizar-nos um bocado e levar-nos a depender demasiado nos outros. Claramente isso não se passou consigo. E ainda bem.

    ResponderEliminar
  6. Tanta preocupação com a escrita, se é ou boa ou não...
    Que importância tem isso, pipoco?
    Se a vida te foi fácil ainda bem, mas não sei se só quem a teve difícil consegue escrever coisas muito densas. A forma como sentimos a vida dá o mote e depois se houver por acréscimo alguma capacidade de traduzir o que se sente e o que se pensa em palavrinhas escritas, a coisa poderá dar-se, ou não.Sendo a coisa, neste caso, a tal profundidade literária.
    Essa de escolher ter a vida fácil, então, dispensava-se. Mas há alguém que a queira difícil? Não estarás a confundir facilidade com vazio?

    ResponderEliminar