03 agosto 2010

Não se morre de amor

Nem Florentino Ariza, mesmo esperando 53 anos, 7 meses e 11 dias.

14 comentários:

  1. Anónimo3.8.10

    Não se morre de amor, mas morre-se por amor.

    ResponderEliminar
  2. Não sei se não morre.

    ResponderEliminar
  3. morrem partes de nós. também ninguém morre de sida, apenas das infecções que lhe estão associadas.

    ResponderEliminar
  4. Esse não morreu de amor porque estava demasiado ocupado a tentar resistir à cólera (acho que era esse). Na verdade, pode-se morrer de amor, porque o amor é um estado de espírito contra-indicado para o stress. A questão é que já não se usa. É foleiro morrer de amor.

    ResponderEliminar
  5. Ai não que não morre! Com uma agravante: vai-se morrendo.

    ResponderEliminar
  6. O Florentino só não morreu porque tinha esperança. Só se morre quando se perde isso. Só se morre (todos os dias um bocadinho ou de uma só vez) de amores verdadeiramente impossíveis...

    ResponderEliminar
  7. Amor em Tempos de Cólera. Li e adorei (:

    ResponderEliminar
  8. Não.. só de cólera. ;-)

    ResponderEliminar
  9. Fui já por a tocar "For Love One Can Die" do Ennio Morricone. Desalmado...

    ResponderEliminar
  10. Aninhas4.8.10

    Pois não, o amor é q morre!

    ResponderEliminar
  11. acabaste de me contar o final do exacto livro que eu estou a ler, quando so me faltavam 50 paginas... bonito isso!

    ResponderEliminar
  12. Inês4.8.10

    O amor não mata, mas vai deixando cicatrizes cada vez mais profundas... Mas faz crescer e aprender!

    ResponderEliminar
  13. Não se morre, mas pode padecer-se...

    Ah pois, com referências literárias assim, não podes depois esperar que não levem o teu blog a sério! :)

    Beijinho

    ResponderEliminar